Carrefour promete implantar políticas de Ações Afirmativas

Fonte: Lista de Discriminação Racial –

 

Depois do lamentável e criminoso incidente que envolveu Januário Alves Santana pai de família, negro e funcionário da Universidade de São Paulo, que como já foi amplamente noticiado, foi violentamente espancado no estacionamento e em uma saleta do supermercado Carrefour em Osasco, o Movimento Negro de São Paulo e do Brasil, aliado com todas as forças da sociedade que abominam o racismo e o preconceito racial, desencadearam um série de protestos e manifestações no sentido de exigir que todos os envolvidos no caso sejam exemplarmente punidos.
No último dia 05 de setembro, o Fórum Regional Oeste Metropolitano da Igualdade Racial, que reúne 19 municípios, organizou uma grande manifestação de protesto com cerca de 500 pessoas, num ato de desagravo à vítima que contou também com a participação de inúmeras entidades, sindicatos, associações e centrais sindicais.

Na ocasião após a passeata que percorreu as ruas de Osasco, houve um ato público defronte a loja e na ocasião uma comissão foi recebida por diretores e pela Superintendente de Comunicação do Carrefour Regina Pitoscia que deixou bastante evidente o interesse da empresa em iniciar o mais brevemente possível a construção de um plano de ação para aprimoramento da educação para a diversidade dentro da empresa e a implementação de políticas de ações afirmativas voltadas para a população negra.

No último dia 11, houve uma nova manifestação defronte a sede central do Carrefour, que contou com a participação da CONEN, UNEGRO, Círculo Palmarino, Sindicato dos Comerciários de S. Paulo, CUT, CGTB, ANID, ocasião em que foi entregue aos representantes do Carrefour um Manifesto exigindo do Estado e do Carrefour a apuração dos fatos e a punição dos responsáveis pela agressão sofrida pelo funcionário da USP. Na oportunidade, uma comissão também foi recebida por Armando Almeida Diretor Executivo – Brasil da empresa, além de outros diretores e o mesmo se comprometeu de fato a implementar uma política de ações afirmativas na empresa e para tanto espera contar com a assessoria direta do Movimento Negro.

Dessa forma, o Fórum Regional Oeste Metropolitano da Igualdade Racial marcou uma primeira reunião de trabalho que deverá ocorrer no dia 17 de setembro às 18h30 na Casa da Cidadania em Osasco ocasião que em conjunto com as entidades interessadas formará uma comissão que irá assessorar o Carrefour na implementação de tais políticas, independentemente das ações judiciais e criminais que estão correndo contra a empresa em função das agressões praticadas contra Januário.

+ sobre o tema

Três anos da morte do menino Miguel no Recife

Neste 2 de junho, a morte do menino Miguel Otávio...

Mais um homem no STF reforça a importância de uma mulher negra na Corte

Com a oportunidade disruptiva de mudar a quadra histórica,...

Em ‘Submundo’, Abdias Nascimento nos faz enxergar o Brasil atual

Quem acompanha a trajetória de Abdias Nascimento (1914-2011) pouco tem ideia...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as...

para lembrar

Pichação com símbolo racista gera polêmica entre alunos da Unicamp

Alunos encontraram símbolo da Ku Klux Klan com mensagem...

Atleta acusada de racismo. “Estou feliz por ter sido a segunda branca”

Joanna Jóźwik ficou em 5.º lugar na prova de...

Em menos de um mês, instituto da Unicamp tem nova pichação racista

Frase em banheiro diz 'aqui não é senzala, tirem...

Rapper brasileiro é alvo de racismo: “Esse foi um tiro de elite”

Dughettu conta que foi levar seu cachorro no veterinário...
spot_imgspot_img

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...

‘Moro num país racista’, diz empresário que encerrou contrato de R$ 1 mi por ser chamado de ‘negão’

Nem o ambiente formal de uma reunião de negócios foi capaz de inibir uma fala ofensiva, de acordo com Juliano Pereira dos Santos, diretor...

Coordenador do SOS Racismo de Geledés questiona decisões judiciais sobre racismo e injúria racial

Recentes casos de racismo que ocorreram de maneira individual e coletiva reacenderam os debates sobre a diferença entre a injúria racial e o crime...
-+=