A carta de José Mayer mostra o fosso entre homens e mulheres

A ficção machista é uma criação da cabeça dos homens sobre como deve ser o mundo. A realidade das mulheres, desde cedo, é a do assédio

Por Débora Diniz Do Carta Capital

A carta de José Mayer é uma confissão – “eu errei”, diz ele. Errou porque ofendeu, errou porque foi agressivo, errou porque não soube respeitar uma mulher que lhe dizia “não”.

Como o coronel de engenho, era um senhor poderoso a espoliar mulheres ao seu redor. Se no passado era o chicote e a cana de açúcar, no seu caso, é a celebridade global. Ao contrário do que arriscou em sua defesa, as mulheres não confundiram ficção com realidade ao denunciá-lo.

Quem desconhece a realidade são os homens. Realidade vivida e histórica das mulheres. A realidade das mulheres desde muito jovens é a do assédio. José Mayer diz na carta que “o mundo mudou”. Diz ainda que demorou 60 anos para aprender a lição e pede desculpas à Susllen Tonani, sua colega de trabalho que o denunciou, mas também a todas as mulheres. Inclusive às de sua família.

Há vários erros na carta.

O primeiro é ele ter demorado tanto tempo para entender que a ficção machista é uma criação da cabeça dos homens sobre como deve ser o mundo. Nós, mulheres, muito antes de ele nascer, já sabíamos que assédio é uma espoliação do corpo feminino. Demorou muito para aprender, talvez porque nunca tenha sido confrontado na tranquilidade de seu poder masculino. Por medo ou submissão, outras mulheres podem ter se silenciado.

Outros erros recheiam a carta.

José Mayer não tem que pedir desculpas a todas as mulheres; neste momento, só a uma: Susllen, quem teve sua intimidade, privacidade e integridade abusadas e violadas por ele. Não há por que incluir as mulheres do mundo, a não ser que continue se imaginando alguém tão importante que a todas nós deve alguma palavra. Está equivocado, me parece, na importância da sua humildade.

Há mais, bem mais na carta.

Para demonstrar seu interesse em respeitar as mulheres, José Mayer cita que tem esposa e filha. Sim, e daí? As mulheres da família não são ícones de honradez a um homem. Novamente, não entendo a abrangência: ele pode respeitar as mulheres de sua família e desrespeitar as da rua; desrespeitar todas, ou só respeitar as da rua.

Poderia passear mais pela carta, quase linha a linha.

Mas termino com a resignação passiva dos homens que dizem “tristemente, sou fruto de uma geração”. Ninguém é fruto de geração, todos somos produções históricas e sujeitos pensantes sobre a própria história.

É confortável ser o machista passivo, o senhor de engenho, o chefe da empresa, o patriarca. Há serenidade no perdão ao anunciar-se fruto da geração patriarcal – há confortos e vantagens.

Pedir desculpas é importante. Escrevê-las é um ato de coragem. No entanto, só o tempo dirá se o sujeito que escreveu essas linhas será mesmo alguém melhor para promover a igualdade entre homens e mulheres na sociedade brasileira.

Ainda há tempo – mesmo aos 60 anos, José Mayer pode ser um porta-voz de como o assédio masculino é prática insuportável para a civilização.

+ sobre o tema

‘Tínhamos de fazer tudo certo’, diz Michelle sobre ela e Obama na Casa Branca

A declaração foi dada pela ex-primeira dama norte-americana, durante...

A resposta para “se é para pegar uma mulher ‘bofinho’, porque não pega um homem?”

Essa pergunta tão comum oculta uma série de preconceitos...

Diretórios regionais são obrigados a apoiar candidaturas femininas, decide TSE

Todos os diretórios partidários são obrigados a investir o mínimo...

Adolescente canadense comete suicídio após sofrer bullying por estupro

Jovem teria sofrido bullying por causa de uma foto...

para lembrar

As faces da representatividade

Recentemente, me deparei com duas notícias bem interessantes por...

Taís Araújo fala sobre feminismo e desabafa: ‘Se a mulher fala não, acabou!’

A cantora e atriz Lellêzinha também participou da conversa. Do...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=