Defensor de Direitos Humanos é acusado de estupro nos EUA

Brasileiro teria abusado de estudante bêbada depois de palestra em universidade; defesa diz que vai provar inocência

Por Claudia Trevisan Do Estadão

WASHINGTON – Especialista em Direitos Humanos e ex-coordenador-geral da Comissão de Mortos e Desaparecidos da Presidência da República, o brasileiro Rafael Schincariol foi detido nos Estados Unidos na semana passada sob a acusação de ter estuprado uma universitária embriagada, após dar palestra na Universidade Tulane, na Louisiana.

Libertado sob o pagamento de fiança de US$ 25 mil (cerca de R$ 78 mil), ele terá nova audiência no fim de abril. O caso está em estágio preliminar e a Justiça local ainda precisa decidir se aceitará ou não a acusação contra ele, o que deve ocorrer em 29 de maio. Schincariol, de 34 anos, é acusado de estupro de terceiro grau, cuja pena máxima é de 25 anos de prisão.

Seu advogado, Rodrigo Lentz, diz que Schincariol é inocente. “Ele cooperou com as autoridades em Nova Orleans durante todo o processo e a denúncia está sendo revisada conforme o devido processo legal. Estamos confiantes que, uma vez concluída a revisão desta denúncia, Rafael será rapidamente liberado e provado que não cometeu nenhum ato ilegal. É relevante destacar que ele é presumido inocente e espera que este episódio seja superado o quanto antes”, disse, em nota enviada ao Estado.

Segundo a defesa, após a revisão da denúncia, Rafael “será rapidamente liberado” e ficará provado que não cometeu ato ilegal. “É relevante destacar que ele é presumido inocente e espera que este episódio seja superado o quanto antes.”

Em 10 de fevereiro, ele participou de evento na universidade, em que falou sobre movimentos sociais no Brasil. Schincariol, diz o registro policial, jantou com a estudante, que estava acompanhada de duas amigas. Mais tarde, passaram por quatro bares da Frenchmen Street, uma das mais movimentadas da noite de New Orleans.

A estudante disse à policia que havia bebido muito e não estava em condições de dirigir. Segundo ela, Schincariol ofereceu carona e a levou para casa após deixar suas amigas. O relatório registra que às 2h30 ela enviou mensagem ao namorado, dizendo que um palestrante do evento a levaria para casa.

Em razão da bebida, a estudante disse que sua memória do que ocorreu é vaga, mas que se lembra de estar no chão de sua sala e sentir muita dor em razão de penetração anal praticada por Schincariol.

A polícia estima que a suposta violação ocorreu por volta de 3 horas. Às 6 horas, o namorado da vítima chegou e viu Schincariol fazendo sexo com ela. Segundo seu relato, a jovem estava “atordoada e embriagada” e não respondeu imediatamente quando ele se dirigiu a ela. Aos investigadores, ela disse lembrar dos gritos do namorado.

Schincariol vive em Washington e foi preso quando foi à audiência do caso. O juiz que definiu a fiança permitiu que ele deixasse o Estado da Louisiana.

A universidade disse que o incidente ocorreu fora do câmpus e foi informado ao Departamento de Polícia de New Orleans pelo setor dedicado a violações sexuais. O Estado não conseguiu contato com a autora da denúncia, que não teve o nome divulgado. O Consulado do Brasil acompanha o caso.

Lei. O Código Penal da Louisiana diz que há estupro de terceiro grau quando a vítima está impossibilitada de resistir ou entender a natureza do ato por estar inconsciente ou em estado mental alterado por substâncias tóxicas. Segundo a lei, o autor do crime deve estar ciente da incapacidade da vítima. Casos de sexo sob embriaguez estão no centro de um debate nas universidades americanas sobre a linha divisória entre sexo consentido e estupro.

+ sobre o tema

Afinal, quem tem medo do feminismo negro?

"Me descobrir racista e racializar as questões de gênero...

Como a LGBTfobia se esconde no Brasil?

Você já imaginou ser agredido apenas por existir? E...

Aborto: Carta Aberta aos candidatos a presidência

O fórum de entidades Jornadas pelo Direito ao Aborto...

Eleonora Menicucci: Respeito às mulheres que sofrem violência sexual

Eleonora Menicucci: "Estima-se que, a cada 12 segundos, uma...

para lembrar

O monstro: sobre a chacina de Campinas, misoginia e notícias

Quando um caso de violência contra mulheres chega à...

Câmara aprova auxílio-aluguel a vítimas de violência doméstica

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (9) projeto...

PLP: As dimensões do cuidado

PLP: As dimensões do cuidado
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=