Casa de apoio a mulheres vítimas de violência é inaugurada em Belo Horizonte

Espaço tem o objetivo de atender casos que envolvam violência doméstica, familiar ou sexual

Belo Horizonte agora tem uma casa de apoio a mulheres vítimas de violência. A Casa da Mulher Mineira foi inaugurada no dia 30 de março pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG). Localizado no bairro Barro Preto, o espaço tem o objetivo de atender mulheres vítimas de violência doméstica, familiar ou sexual.

Solicitação de medidas protetivas, de guias para exame de corpo de delito e de representação criminal do agressor poderão ser realizadas na nova unidade policial. Além disso, as vítimas também podem requisitar acompanhamento para retirada de seus pertences da residência, encaminhamento para casas de abrigo, orientação jurídica e orientação psicossocial.

Em nota, a PCMG afirmou que o atendimento às vítimas será realizado, além dos policiais, por uma equipe composta por profissionais de áreas diversificadas de atuação, como assistentes sociais e psicólogos, “treinados para orientar, encaminhar e acolher todas as demandas da mulher em situação de violência”.

Atendimento especializado

Garantir o suporte necessário é um dos principais desafios para possibilitar que as mulheres rompam com o ciclo de violência. Bruna Salles, advogada e integrante do Movimento Brasil Popular, acredita que o momento em que a vítima procura a ajuda do Estado é decisivo.

“É quando elas têm oportunidade de recomeçar a vida. Então, é muito importante que aconteça esse acompanhamento. Para isso precisamos de políticas sociais robustas, com destinação específica de orçamento, para garantir que as mulheres continuem vivas, seguras, com dignidade e com trabalho”, explica.

A necessidade de um atendimento especializado se sustenta na complexidade da violência cometida contra as mulheres. Um estudo do Núcleo de Estudos de Violência Doméstica, Familiar e de Gênero da Escola da Ajuris explica que a tensão, a agressão, a trégua e a repetição fazem parte de um ciclo de violência que muitas vezes leva a vítima à morte.

“Existe um ciclo da violência doméstica. Desde as restrições em casa, o ciúme excessivo, as agressões verbais, até a agressão física, a lesão corporal e o assassinato, que se equipara ao feminicídio”, explica Bruna.

A advogada enfatiza ainda que o atendimento especializado é importante uma vez que as demais unidades policiais e as instituições em geral, na maioria das vezes, não estão preparadas para tratar os casos da maneira acertada.

“Em regra, as mulheres buscam o atendimento institucional quando já sofreram diversos tipos de violência. Elas chegam extremamente vulneráveis. Os desafios que elas enfrentam começam com a compreensão dos agentes públicos que as estão atendendo”, afirma. 

Violência se expressa de várias formas

Dados da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher demonstram que, no ano de 2021, Minas Gerais registrou mais de 130 mil ocorrências de violência contra as mulheres.

No entanto, esse número pode ainda ser maior. Em 29 de julho de 2021, a Lei nº 14188 incluiu o crime de violência psicológica contra as mulheres no Código Penal brasileiro. Porém, muitas mulheres só denunciam quando há agressão física.

Yara Meire, militante do Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos (MTD) contou ao Brasil de Fato MG que vivenciou em sua própria casa essa situação, quando seu pai violentava psicologicamente sua mãe.

“Na minha opinião, a violência psicológica é uma das piores violências. Porque ela te prende de uma certa forma que você não tem impulso para fazer nada. E o agressor te torna dependente dessa situação”, avalia.

Proteção integral

A Casa da Mulher Mineira também tem o objetivo de se tornar referência no incentivo à formação, capacitação profissional e inserção das mulheres em programas sociais.

“De forma a fomentar sua independência e garantir sua autonomia econômica e financeira, bem como o acesso a seus direitos, proporcionando uma proteção integral e efetiva”, afirma a PCMG, em nota.

Chame a Frida

Na quarta-feira (6), foi aprovado em segundo turno, de forma unânime, pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), o Projeto de Lei 2.149/2020, denominado de “Chame a Frida”.

De autoria do deputado estadual Marquinho Lemos (PT), o PL permite que mulheres em situação de violência possam tirar dúvidas e até mesmo acionar a polícia, em casos de flagrante ou risco, por meio de mensagens de texto ou áudio.           

Caso seja sancionado pelo governador, as mulheres também poderão receber orientações e agendar atendimentos por meio do WhatsApp.

+ sobre o tema

Eles não estão doentes, e nós não estamos loucas

Ontem, uma menina foi estuprada por 30 homens no...

Bolsonaro vira réu por falar que Maria do Rosário não merece ser estuprada

Deputado disse que ela é 'feia'; ele responderá por...

Nota de repúdio: Basta de violencia contra a mulher

Nós do Centro de Defesa e Convivência da Mulher...

Tribunal de Justiça de SP lança programa para homens envolvidos em violência doméstica

Reflexivo e educativo, grupo pretende fazer com que homens...

para lembrar

Mulher vítima de violência será atendida pela Central Ligue 180

A Câmara dos Deputados aprovou nessa segunda-feira (3), em...

Violência doméstica atinge mais mulheres de 31 à 40 anos, com filhos

Um levantamento feito a partir da análise de 111...

Número de medidas protetivas a mulheres sobe 13% em um mês na PB

O número de medidas protetivas expedidas pelo Poder Judiciário...

Atleta medalhista de bronze do Quênia é encontrada morta em casa

Agnes Jebet Tirop, atleta do Quênia recordista mundial dos 10 mil...
spot_imgspot_img

MG lidera novamente a ‘lista suja’ do trabalho análogo à escravidão

Minas Gerais lidera o ranking de empregadores inseridos na “Lista Suja” do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A relação, atualizada na última sexta-feira...

Violência sexual em espaços noturnos e responsabilização de agressores

As recentes notícias de que duas mulheres teriam sido vítimas de estupro coletivo em uma mesma casa noturna na Lapa, no Rio de Janeiro ,...

Robinho chega à penitenciária de Tremembé (SP) para cumprir pena de 9 anos de prisão por estupro

Robson de Souza, o Robinho, foi transferido para a Penitenciária 2 de Tremembé, no interior de São Paulo, na madrugada desta sexta-feira (22). O ex-jogador foi...
-+=