Caso Ari: o episódio de racismo que está na origem das cotas no Brasil

Enviado por / FonteUOL

Arivaldo de Lima Alves foi o primeiro aluno negro no doutorado de Antropologia da UnB (Universidade de Brasília). Ao final de 1998, fez história outra vez: foi o único a reprovado em uma matéria obrigatória nos 20 anos do programa. Isso poderia inviabilizar o sonho de virar doutor.

Sem motivos que justificassem a nota baixa, Ari enfrentou dois anos desgastantes até conseguir revisar a reprovação. A falta de critério fez o episódio ser entendido como um caso de racismo e homofobia (o aluno também era homossexual) e motivou a elaboração do projeto de cotas étnico raciais na UnB.

Em 2003, a universidade se tornou a primeira instituição de ensino superior federal a implementar cotas para negros e indígenas. Na época, Ari fazia parte de um grupo representado por apenas 4,3% do total de alunos. No ano seguinte, os cotistas começaram a chegar. Quase duas décadas após a implementação da lei, a UnB colhe os frutos da política: estudantes negros e indígenas representavam 48% do total de alunos em 2019. Não foi fácil. A reportagem do UOL conta como a universidade foi alvo de inúmeras manifestações contrárias, todas que passavam pelo entendimento de que não há racismo no Brasil.

+ sobre o tema

Estado de São Paulo vai indenizar famílias de vítimas de Paraisópolis

O estado de São Paulo vai  indenizar os familiares...

A infância lá e cá

Na mais contundente nota emitida até aqui sobre o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Não vou dar senha porque não gosto de mulheres negras

Alunas de escola pública sofrem injúria e discriminação racial...

para lembrar

Racismo em Português, o lado esquecido do colonialismo

Mais do que fazer julgamentos sobre se o que...

10 MITOS SOBRE AS COTAS

        ORIENTAÇÃO: Reproduzir e divulgar nas universidades e junto aos...

O racismo dos outros e a nossa hipocrisia

Repugnante a atitude de torcedores peruanos que imitaram macacos...

Imigrante congolês agora trabalha com direitos humanos

Fonte: Folha de São Paulo - Dez anos...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=