Caso Marielle: Dino abre inquérito da PF para investigar assassinatos de vereadora e motorista

Enviado por / FontePor Wellington Hanna, no g1

Objetivo da medida, segundo ministro da Justiça, é 'ampliar a colaboração federal' nas investigações. Passados quase 5 anos do crime, mandantes e motivações não foram identificados.

O ministro da Justiça, Flávio Dino, determinou a abertura de um inquérito da Polícia Federal para “ampliar a colaboração federal” nas investigações sobre a organização criminosa que assassinou a vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes.

Marielle e Anderson foram executados em março de 2018. Passados quase 5 anos do crime, os mandantes e as motivações não foram identificados.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz como os assassinos de Marielle e de Anderson. Os dois estão presos.

“A fim de ampliar a colaboração federal com as investigações sobre a organização criminosa que perpetrou os homicídios de Marielle e Anderson, determinei a instauração de Inquérito na Polícia Federal. Estamos fazendo o máximo para ajudar a esclarecer tais crimes”, escreveu Dino em uma rede social nesta quarta-feira (22).

TV Globo apurou que a abertura do inquérito não significa uma federalização do caso, mas um apoio da PF às investigações que correm no Rio de Janeiro.

Segundo portaria divulgada pelo ministro da Justiça, o delegado Guilhermo Catramby vai conduzir o inquérito na Polícia Federal.

Na semana passada, Flávio Dino já havia anunciado que a PF apoiaria as investigações sobre as mortes de Marielle e Anderson.

Segundo o ministro, foi costurado um acordo entre Polícia Federal e Ministério Público do Rio de Janeiro para que haja cooperação entre os órgãos na investigação.

Quando assumiu o cargo de ministro da Justiça, Flávio Dino afirmou que era “questão de honra” desvendar o caso.

Desde o crime em 2018, houve várias trocas no comando das investigações. Três grupos diferentes de promotores ficaram à frente do caso no Ministério Público do Rio de Janeiro. Na Polícia Civil, cinco delegados já estiveram na chefia das apurações. Houve, inclusive, um debate sobre federalização da investigação, que não avançou.

+ sobre o tema

Mitos e estereótipos sobre a mulher estuprada

O Projeto de Lei nº 5.069 de 2013 provoca...

Dossiê traz dados e análise interseccional da realidade LGBTI e negra no Brasil

“Qual é a cor do invisível?” é a pergunta...

Denegrindo Ela

Um dos principais alertas que faço é que hoje...

LGBTs relatam experiências opostas em áreas centrais e periféricas de São Paulo

Uma vizinha disparou à mãe de Gabriel Santana, 23,...

para lembrar

Em Legítima Defesa, por Sueli Carneiro

Marcharemos em 16 de novembro próximo sobre Brasília em...

Primeira médica de quilombo baiano criou cursinho pré-vestibular

"Eu era um ponto preto em uma folha branca",...

Negra Latina-Americana e Caribenha

Negra Latina-Americana e Caribenha Sábado 28 de Julho das 10h...

Seminário debate homofobia na segurança pública nesta quinta (11)

O seminário será ministrado pelo delegado da Polícia Civil...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=