Casos de racismo no futebol crescem nos últimos anos

Denúncias, no entanto, raramente terminam em punições

Mesmo com dezenas de câmeras e microfones na direção do gramado e da arquibancada, atos racistas dentro dos estádios têm sido frequentes. Hoje em dia, no entanto, a exposição tem sido fundamental no combate a esse tipo de violência.

Aranha protagonizou um dos casos de maior repercussão no futebol brasileiro. Em 2014, o então goleiro do Santos denunciou um xingamento racista que veio da torcida do Grêmio.

“No meu caso, como goleiro, tenho o agravante. Os racistas exploraram bastante como o caso do Barbosa. Eu já ouvi de dirigente que goleiro negro não vingava, mesmo tendo talento. A paciência comigo era muito menor”, contou Aranha.

No ano deste episódio, o Observatório da Discriminação Racial no Futebol começou a mapear os casos de racismo espalhados pelo país.

Em três anos, as denúncias mais que dobraram. Foram de 20, em 2014, para 43, em 2017. O auge foi em 2019, quando 67 casos foram relatados.

Houve uma queda em 2020, por causa da paralisação do futebol. No ano passado, mesmo sem os números de todos os estados, mais de 50 denúncias foram registradas.

Existe o aumento das denúncias, muito por conta do maior debate, da conscientização das pessoas, da quebra de silenciamento dos atletas. Estamos tendo essa evolução, mas ela não chegou ainda no Tribunal de Justiça Desportiva

Marcelo Carvalho, diretor do Observatório da Discriminação Racial no Futebol

Casos recentes

Nesta semana, o esporte mais popular do planeta foi palco de dois episódios de racismo no Brasil. Gabriel Barbosa, o Gabigol, atacante do Flamengo, foi xingado de “macaco” durante o jogo contra o Fluminense.

Já o atacante Vitinho, do São Paulo, foi alvo de ofensas racistas nas redes sociais.

Para Aranha, o julgamento popular pesa muito nessas situações. “No meu caso acabou me prejudicando, porque te marca e esquecem tudo aquilo que você foi antes. A punição popular foi muito mais pesada do que a punição do estado”, disse.

Nos últimos anos, clubes têm se posicionado contra o racismo, reconhecido falhas ocorridas em outros tempos e ampliado as investigações de denúncias.

“Acredito que os clubes devem puxar a responsabilidade para si. Ser proativo e estar à frente da situação, tentando identificar o autor; se for sócio, expulsá-lo do quadro social. Não adianta nota de repúdio”, concluiu Marcelo.

+ sobre o tema

Justiça concede liberdade a professor preso após filmar abordagem de PMs no Rio

O professor de artes cênicas, Lucas da Silva Nascimento,...

Miss Universo 2011 – O racismo não me atinge. Os racistas deveriam procurar ajuda e se tratar

Sorridente e recebida com aplausos, Leila Lopes falou com...

Exposição recria centro dedicado a embasar cientificamente o racismo

Em 1910, pesquisadores criaram nos EUA o Escritório de...

para lembrar

Um dia como outros

Hoje acordei cedo e fui pro campo de futebol...

“A missão de perdoar pertence a Deus; a da polícia é promover o encontro”

A essa altura, muitas mais milhares de pessoas já assistiram...
spot_imgspot_img

Qual o impacto do racismo nas desigualdades?

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e um usuário de drogas pode estar na cor da pele, aponta uma...

Igualdade racial como estratégia de desenvolvimento

A desigualdade racial no Brasil é enorme, qualquer que seja a dimensão considerada –renda, educação, vitimização ou saúde, para citar algumas das mais importantes. Elas...

Violência recorrente e autorizada

A abordagem de policiais militares aos três adolescentes negros chocou o país, menos pela brutalidade e pelo racismo, mais pela classe social e nacionalidade...
-+=