Cearense é acusado de racismo contra a jornalista Maria Julia Coutinho

O acusado usou perfil falso no Facebook para fazer as injúrias contra a jornalista Maria Júlia Coutinho. Um notebook e quatro celulares foram apreendidos em operação realizada na casa do usuário, no São João do Tauape

Do O Povo 

Foi identificada a participação de um cearense no caso de racismo pela Internet contra a apresentadora Maria Júlia Coutinho, da Rede Globo. O acusado teve um notebook e quatro celulares apreendidos em casa, no bairro São João do Tauape, durante operação comandada pelo Ministério Público de São Paulo. A apreensão ocorreu por volta das 5h30min desta quinta-feira, 10. As injúrias foram feitas via Facebook por perfil falso de nome Ariel Vieira.

Conforme o promotor Manoel Epaminondas Vasconcelos, o acusado participava de um grupo na rede social que reunia outros usuários acusados de crimes na Internet. Os equipamentos recolhidos nesta manhã devem seguir para São Paulo e servirão de prova contra os ataques à jornalista.

“Ele foi convidado a prestar depoimento ainda hoje, mas se recusou”, comenta o promotor membro do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que executou a operação, com apoio da Polícia Civil. Segundo Epaminondas, já foi encaminhada notificação formal ao acusado para que ele preste depoimento até sexta-feira, 11.

“Dessa vez, se ele não vier de maneira voluntária, pode ser conduzido até o local pela Polícia”, esclarece. O usuário pode responder pelos crimes de racismo, injúria racial e organização criminosa, por fazer parte de grupo responsável por outros crimes na Internet. “Esse grupo agiam de maneira planejada com intuito de atingir as vítimas”, comenta o promotor.

Operação

O Ministério Público de São Paulo (MPSP) executou a operação em oito estados em que foram identificadas participação de usuários do Facebook em injúrias à jornalista Maria Júlia Coutinho, também conhecida como Maju. A ação teve como objetivo cumprir 25 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça a pedido da 1ª Promotoria de Justiça Criminal de São Paulo. Além do Ceará, houve ações em Amazonas, Pernambuco, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Em nota, o MPSP informou que foram apreendidos computadores e aparelhos celulares e identificados 12 suspeitos, entre eles três adolescentes. Em depoimento, alguns confessaram a autoria das mensagens contra a jornalista e apontaram outros envolvidos. A Promotoria apurou que todos os administradores dos grupos de Internet nos quais as mensagens foram postadas são maiores de idade.

A investigação continua apurando a prática dos crimes de racismo, injúria qualificada, organização cibernética e, eventualmente, corrupção de menores.

As injúrias contra a jornalista aconteceram em julho, quando um grupo de 50 pessoas publicaram mensagens racistas contra Maria Julia Continho na página do Jornal Nacional no Facebook.

+ sobre o tema

para lembrar

Alerta: Quem é o brasiliense responsável pelo site que inspirou ataque em Suzano

Homem que ameaçou um atentado na UnB, onde estudou,...

Serena aprova atitude de Daniel Alves em prol do combate ao racismo

Norte-americana elogiou comportamento do jogador do Barcelona, que comeu...

#meuprofessorracista: Nova hashtag relata racismo de professores

Foto: Reprodução/Facebook No início desta semana, a hashtag #meuprofessorracista se...

Mulheres protestam contra atitude racista de O Boticário em Curitiba

A enfermeira Juliana Mittelbach denunciou o caso à Polícia...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=