Cemitério de escravos africanos

Escravos que não sobreviviam após a sua chegada eram enterrados num cemitério no Rio de Janeiro

“Esse cemitério é único no Brasil até o momento. É um ícone da exploração da escravidão. Eles eram postos de quarentena e aqueles que não sobreviviam eram enterrados nesse pequeno cemitério.”

Mais pormenores das ligações históricas entre o Brasil e África deverão ser conhecidos como resultado de estudos que vão ser efectuados no local de um cemitério de escravos no Rio de Janeiro.

Centenas de milhar de africanos foram levados para Brasil e outras zonas das américas e uma grande parte deles era proveniente de zonas que fazem hoje parte de Angola.

Para tentar conhecer mais pormenores dos escravos levados para o Brasil o Instituto de Pesquisa Memória Pretos Novos (IPN) inicia, neste mês Outubro, uma sondagem no solo do sítio arqueológico “Cemitério dos Pretos Novos”, localizado no bairro da Gamboa, no centro da cidade do Rio de Janeiro.

O Cemitério de escravos africanos

No local, onde no passado chegavam navios negreiros, foi descoberto, na década de 90, um dos mais importantes patrimônios históricos da humanidade: um cemitério de escravos africanos vindos da África, que não resistiam à viagem e morriam antes de serem comercializados aqui no Brasil.

A pesquisa no solo do cemitério será conduzida pelo professor de história e arqueólogo Reinaldo Tavares, membro do IPN que anunciou a novidade na Rádio Nacional.

Ele disseque serão abertos sete postos de sondagens nas ruas Sacadura Cabral, Pedro Ernesto, Leôncio de Albuquerque e Rua do Propósito. As vias fazem parte do quarteirão onde ficava o antigo cemitério de escravos.

“Esse cemitério é único no Brasil até o momento. É um ícone da exploração da escravidão. Os escravos que chegavam ao Rio de Janeiro eram colocados em quarentena em função das doenças que eles adquiriam na costa da África ou mesmo as doenças endêmicas da região onde eles se contaminavam, inclusive, nos próprios navios negreiros. Eles eram postos de quarentena e aqueles que não sobreviviam eram enterrados nesse pequeno cemitério,” conta o estudioso.

Por meio de estudos de ossos humanos encontrados em sítios arqueológicos é possível conhecer as condições socioculturais das antigas populações, como as influências deixadas por populações negras africanas que vieram do outro lado do Atlântico.

Os estudiosos acreditam os restos mortais desse sítio arqueológico vão ajudar a descobrir os costumes, hábitos e a arte destes povos, tornando mais fácil entender a origem da nação brasileira.

Mas, para o arqueólogo a sondagem com objetivo de demarcação da área tem um significado para além da história do Brasil.

“Essa sondagem tem o objetivo principal de delimitar o cemitério dos Pretos Novos para fins de proteção. Somos obrigados a delimitar esse local de forma correta para que possamos proteger esse bem que não é somente um bem brasileiro ou africano, é um bem mundial,” conclui Reinaldo Tavares.

Fonte: Voa News

+ sobre o tema

O negro de alma negra: Uma entrevista com Oliveira Silveira

Junho de 2008. Eu estava na recepção de um...

Exposição que homenageia escritores moçambicanos chega a Portugal

Na mostra "Configurações (im)prováveis", os fotógrafos Filipe Branquinho e...

Gasoduto inviabiliza meio de vida de quilombolas no norte do Estado

Por: Flavia Bernardes   Ilhadas por eucaliptos, as...

para lembrar

Beyoncé faz história no Grammy e leva seis prêmios

Beyoncé marcou um novo recorde na premiação do Grammy...

E o lado negro da história?

Ausência de autores negros reflete baixa diversidade da TV...
spot_imgspot_img

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem imagina que aquela praça, onde ironicamente hoje se encontra o Fórum Ruy Barbosa, foi palco...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...
-+=