Centenas de mulheres protestam no Equador contra os feminicídios

Enviado por / FonteG1, por AFP

A onda de manifestações começou na primeira quinzena de setembro, a partir do assassinato da advogada María Belén Bernal, 34 anos, pelo seu marido. Desde o início do ano, o Equador registra 206 casos de feminicídio.

Centenas de mulheres protestaram neste sábado (1º) contra a violência de gênero no Equador, que já matou 206 pessoas até agora este ano, incluindo a de uma advogada assassinada em uma academia de polícia.

Levantando cartazes com mensagens como “Olhe bem para mim porque posso ser a próxima” e “Somos o coração de quem não bate mais”, manifestantes protestaram contra o “Estado feminicida”.

O país está abalado com o assassinato da advogada María Belén Bernal, 34 anos, pelas mãos de seu marido, o tenente Germán Cáceres.

Bernal desapareceu em 11 de setembro, após entrar na Escola Superior da Polícia (ESP), instalação para a formação de oficiais, localizada nos arredores da capital, para visitar Cáceres, o principal suspeito do feminicídio, que está foragido. O corpo da advogada foi encontrado quatro dias depois em um morro próximo da academia.

Por causa do caso, que está sendo investigado, o presidente equatoriano, Guillermo Lasso, ordenou a destituição de dois generais e do então ministro do Interior, Patricio Carrillo.

“Ofendem-se mais com uma mulher livre do que uma mulher assassinada”, dizia outro cartaz durante a manifestação em Quito, que foi até a sede do comando-geral da Polícia, na zona norte da cidade, que foi atacada com ovos e tinta vermelha e amarela.

O Ministério Público informa que desde 2014 foram registrados 573 feminicídios, crime passível de punição com pena de até 26 anos de prisão.

Aos gritos de “Nós nos queremos vivas”, ativistas de grupos sociais marcharam pelas ruas da capital, assim como de outras cidades equatorianas, diante da convocação das organizações sociais para se “unirem contra o Estado feminicida e transfeminicida”.

Estatísticas oficiais indicam que 65 em cada 100 mulheres entre 15 e 49 anos sofreram algum tipo de violência no Equador, que tem 18 milhões de habitantes.

+ sobre o tema

Feminismo, racismo e a relutância em reconhecer-se como opressora

Assim como o machismo, o racismo é estrutural, sistêmico,...

Mulheres em discurso: linguagem, política e pós verdade

O Observatório da Imprensa publica, nesta edição, uma entrevista em vídeo com a...

Jovem trans morre após ser espancada a pauladas no Parque do Carmo

Amigo diz que crime teve clara conotação transfóbica; boletim...

para lembrar

Meninas que não podem ser crianças

Segundo uma recente pesquisa feita pela Plan International no...

Oposição aos direitos sexuais e reprodutivos mostra rejeição à democracia

Confirmando o fanatismo ideológico que hoje orienta suas decisões...

Pizzaria provoca indignação ao anunciar promoção para casais héteros

A campanha foi criticada por usuários, que acusaram a...
spot_imgspot_img

Elogio ao estupro e ódio às mulheres

Nem sempre é fácil dizer o óbvio. Mesmo porque, quando essa necessidade se impõe é fundamental entender as razões que estão por trás dela. Mas...

Angela Davis: “O desafio é manter a esperança quando não vemos sinais”

Angela Davis, filósofa professora americana, é como uma estrela de rock do ativismo pelos direitos humanos e do movimento negro. Sua popularidade atravessa gerações...

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...
-+=