A chacina em Campinas e o ódio que se transforma em máquina de matar mulheres

Sidnei Ramis de Araújo é autor da chacina de ano-novo em Campinas. Matou Isamara Filier, com quem foi casado, e seu filho, João Victor. No ímpeto de ódio, matou outras nove pessoas da família, com preferência pelas mulheres. Antes de pular o muro da casa e iniciar a matança escreveu uma carta – nela, as mulheres são vadias; os homens, vítimas de leis injustas. Sidnei fez da carta um apelo a que outros homens reajam contra o que descreve como “feminismo das vadias”, pois espera que pais se inspirem e “acabem com as famílias das vadias”.

Fonte: Huffpost Brasil

por, Débora Diniz

Não me cabe julgar ou diagnosticar Sidnei. Ele mesmo se pergunta se estaria louco, e a sentença comum é que “só um louco faria o que ele fez”. A loucura parece explicar o horror e, ao mesmo tempo, nos acalmar, tornando Sidnei alguém distante de nós. Pode até ser que Sidnei seja daquelas figuras que os manuais de psiquiatria descrevem como “psicopata”, mas a loucura não explica as raízes da fantasia misógina do matador. Psicopata ou macho enfurecido, Sidnei matou Isamara e sua família porque não suportou a separação, porque não reconheceu a força da lei penal contra seu abuso patriarcal, porque se viu sem o mando doméstico como soberano.

Sidnei explicou para o mundo as razões de sua fúria – a autoridade patriarcal foi desafiada quando Isamara o deixou, quando o denunciou à polícia, quando afastou-se do casamento. Sua confissão é lúcida ao nos mostrar o mundo de ódio ao feminismo, às vadias, à independência das mulheres. O enredo é já conhecido como de autoria de grupos masculinos, autoritários e abundantes nas redes sociais: os mesmos que defendem a liberação das armas, que ironizam os movimentos de direitos humanos, que descrevem a cadeia como hotel de relaxamento. Foi para eles que Sidnei escreveu a carta – uma espécie de reconhecimento das razões de se fazer matador na noite de ano novo. O sarcasmo depreciador movimenta paixões ensandecidas: Sidnei matou e fez de suas razões um espetáculo, pois sabia que teria plateia.

É para os homens que Sidnei imaginou que convocaria à matança que faço outro apelo. A chacina será investigada pela polícia, mas o enredo da confissão deve lhes causar vergonha. A misoginia, o ódio às mulheres, deve ser prática abominada – não é liberdade de expressão, mas incitação ao ódio. Para alguns, o ódio permanece nas palavras; para outros, como Sidnei, o ódio é uma arma que mata. Homens, não sejam cúmplices do matador de ano-novo: se não suportam ver as mulheres livres e independentes em 2017, ao menos se silenciem. Deixem as mulheres em paz.

+ sobre o tema

Alesp aprova suspensão de Fernando Cury por 180 dias por assédio a Isa Penna

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) aumentou para...

Por que é tão difícil encontrar maquiagem para peles negras?

Mais da metade da população brasileira é negra e,...

Feministas analisam PLC da Guarda Compartilhada aprovada no Senado

A atual legislação brasileira diz, sobre a guarda das...

para lembrar

Halle Berry: ‘Sempre tive dificuldade em obter papéis por ser negra’

Aquela que continua a ser a única mulher negra...

Cinco vantagens da camisinha feminina que nem todo mundo conhece

Ela já existe desde 1980, mas foi de uns...

Casos Samuel e Saul Klein: violência de gênero também se aprende em casa

Advogando pela busca dos direitos humanos das mulheres há...

Laços afetivos são fortalecidos no Presídio Santa Luzia

Reeducandas participam de ação humanizada alusiva ao Dia das...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=