Cheguei!

Neste outubro de 2015, completo 60 anos. Ou os 60 anos me completam. O tempo é a dimensão mais misteriosa e caprichosa de todas. Mais intrigante do que o espaço. Há quem já disse: Não é o tempo que passa, nós é que passamos por ele. Poetas, de todas as épocas, escreverem e cantaram profundezas sobre o tempo que esta cronista, por mais que tente, jamais chegará aos pés dos versos de um Carlos Drummond: Se de tudo fica um pouco, mas por que não ficaria um pouco de mim? Ou de um Fernando Pessoa: Tem só duas datas – a da minha nascença e a da minha morte. Entre uma coisa e outra todos os dias são meus.

Por Fernanda Pompeu do Yahoo

Tudo o que posso escrever é mais comezinho, feijão-com-arroz-e-farinha. Mas nem por isso menos sincero. Acordo com 60 anos, recordando do dia que fiz 10. Era uma manhã na Tijuca carioca, eu convencida com a importância e imponência de completar uma década. Suspirava toda prosa: 10 anos! De lá para cá são duas as impressões. A primeira diz: Passou como um Boeing! Agorinha mesmo estava lá e agora estou aqui. A segunda gargalha: Barbaridade! Quanta vida vivida. Quantos anos rodados.

De repente, penso que cada um de nós tem uma impressão digital única do tempo. No entanto, como o aniversário é meu, vou falar o que sinto ao saudar a sexta década. De cara, é especial porque a maior parte da vida ficou atrás: a inocência dos 10, o entusiasmo dos 20, a responsabilidade dos 30, o desconcerto dos 40, o susto dos 50. Agora, espero serenidade para separar quantidade de qualidade, o joio do trigo. Não quero a governança de velhinhas santinhas. Desejo serenidade na luta.

Daqui para frente que role apenas o que valha a pena. Nada de pódios, bons empregos, dinheiro no banco, cantadas na rua, profissões do futuro. Tudo isso ou nunca chegou, ou já passou. Sou uma senhora. Verdade que como sugeriu minha amiga Carminha Fernandes: Comemore, pois 60 anos é a infância da velhice. Daí talvez, como nunca antes na história da minha vida, a Fernandona de hoje esteja em perfeita sintonia com a Fernandinha de 50 anos atrás.

imagem: Régine Ferrandis

+ sobre o tema

Sakamoto: Depois de muito tempo, este blog desce do pedestal e responde a um leitor

por Leonardo Sakamoto Detesto fazer o que chamo...

TIRIRICA E SARNEY

Por: Luis Fernando Veríssimo Richard Nixon certa vez...

Fica MUF: Museu de Favela está perdendo seu espaço

A ONG Museu de Favela - MUF é uma...

para lembrar

Em defesa do amigo e cidadão José Dirceu

Por: Ricardo Kotscho Dez anos atrás, nesta mesma época,...

Vannuchi diz que críticas a Programa de Direitos Humanos refletem dificuldades da democracia no país

    Ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi,...

Eleições 2012: representantes da causa negra em Salvador

Neste domingo, 07 de outubro de 2012, milhões de...

Museu Afro Brasil: Fórum – Uma Visão Comparada das Atuais Relações Raciais nos EUA e Brasil

Museu Afro Brasil: Fórum sobre relações étnico-raciais destaca a...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=