Voz e cor da periferia

Um dos programas mais assertivos da atual administração é a Prefeitura no Bairro, coordenado pela vice-prefeita Nádia Campeão, que percorre bairros distantes da periferia, levando serviços muitas vezes concentrados nas secretarias e subprefeituras. Durante uma semana, a prefeitura leva esses serviços, seus secretários e subprefeitos para atenderem de perto as reivindicações do munícipe.

Por Maurício Pestana Enviado para o Portal Geledes via Guest Post

O que mais tem me chamado atenção neste trabalho é o quanto São Paulo é gigante, não só em sua extensão territorial e populacional, mas também na complexidade étnico-racial, nas desigualdades locais e na sua diversidade cultural. Coexiste na mesma São Paulo uma identidade rural, outra urbana, outra internacional, outra nordestina, outra de alta concentração de renda e outra também de baixíssimo IDH. Somos uma cidade cristã, mulçumana e umbandista, entre outros. Que reivindica nos seus locais mais distantes e negros a regularização de um pedacinho de terra para construir, enquanto nos locais mais nobres e brancos pede-se um maior espaço para o automóvel.

Na semana passada, em companhia do prefeito Fernando Haddad, estive em mais uma edição da Prefeitura no Bairro, desta vez no Jardim Damasceno. Aquele bairro, pela formação geográfica e habitacional, em nada se diferencia das comunidades cariocas na história de abandono e exclusão imposta por uma Abolição mal acabada e pouco republicana. Foi por ela que se deu a cor e o status social da periferia, feita de uma maioria da população negra e originaria dos quase quatro séculos de escravização.

Como responsável pela pasta da Igualdade Racial da cidade de São Paulo, ouvi queixas de toda ordem, entre elas sobre a discriminação racial que crianças sofrem no ambiente escolar. Também ouvi denúncias de repressão e violência contra jovens negros por parte da polícia, e sobre intolerância religiosa. Juntando essas reivindições a outras, como a luta por habitação, percebe-se que o 14 de maio de 1888 foi o dia mais longo para a maioria dos negros brasileiros, e ainda não acabou. As reivindicações que os ex- escravizados faziam há 127 anos, quando foi assinado a Lei Áurea, continuam atuais.

+ sobre o tema

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Apesar da sequência de crises, Obama ainda é favorito para eleição de 2012

Recessão econômica, embate para ampliar teto da dívida e...

Veja tira-dúvidas sobre o 13º para quem teve jornada reduzida ou contrato suspenso

O governo divulgou uma nota técnica em que define...

Racismo, miscigenação & casamentos interraciais no brasil

Por alex castro Algumas pessoas argumentam que não somos um país...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira (13) atos de movimentos feministas contra o projeto de lei que equipara aborto a homicídio,...
-+=