China planeja 2 mi de chineses nas obras em Angola

Por: AGNALDO BRITO

 

Com investimento de US$ 9 bi, asiáticos transferem 100 mil trabalhadores para canteiros de obras no país

Cresce sentimento contra mão de obra chinesa em Angola, onde desemprego pode chegar a 30%

 

O caminhoneiro Zhang Chun Guang pilota um caminhão carregado de asfalto. Ele espera a vez, enquanto gesticula e balbucia algo que se supõe: “Não falo português”. Nem precisava.

Zhang é parte de um grande plano estratégico dos chineses para ocupação econômica e demográfica de Angola, cujo objetivo é obter petróleo e exportar gente.

O governo de Angola não se pronuncia, mas circula no país a informação de que a China, o maior parceiro angolano, pretende colocar, em dez anos, 2 milhões de pessoas na emergente economia africana. Quantidade equivalente a 10% da população.

Estima-se que a China já levou ao país mais de 100 mil pessoas e, diferentemente de outros parceiros comerciais, a grande massa é de trabalhadores como Zhang.

Na letra da lei, Angola não permite que nenhum projetos com capital estrangeiro no país possua mais de 30% de mão de obra expatriada.

A Folha procurou o governo para que comentasse a relação com a China, mas não obteve resposta.

A avaliação é que os US$ 9 bilhões em capital chinês (parte a juros subsidiados) dão aos chineses condição diferenciada em Angola.
“Há projetos em que os chineses representam mais de 50% da mão de obra contratada”, diz Raimundo Lima, presidente da Assembleia da Associação de Empresários e Executivos Brasileiros em Angola.

Essa situação tem criado certo mal-estar em Angola, país que, apesar do forte crescimento econômico, ainda convive com grande massa de desempregados.
A taxa oficial de desemprego é de 22,5%, mas estudos apontam pelo menos 30%.

 

DESEMPREGO
Basta observar a capital, Luanda, para perceber que o desemprego é algo crônico. Em qualquer via congestionada, centenas de angolanos oferecem de tudo no trânsito, de ternos mal cortados a pães dispostos em cestos enormes no meio da poeira.

A presença maciça da mão de obra da China, confinada em canteiros, começa a nutrir a percepção de que trabalhadores chineses com baixa qualificação ocupam espaço de angolanos.
Muitos são ex-guerrilheiros que participaram da luta clandestina contra os portugueses e na guerra civil entre as organizações armadas pela controle do país, no MPLA (que saiu vitorioso), na Unita ou no FNLA.

 

 

Fonte: Folha Online

+ sobre o tema

Testados por brancos, cosméticos podem acabar manchando a pele negra

Você sabia que boa parte dos cosméticos disponíveis atualmente...

Da comunidade carente ao luxo dos desfiles de moda

Ela se chama Kate Rosa Carolina, conhecida no mundo...

Mugabe critica Mandela por ter sido suave para com os brancos

O Presidente Zimbabweano, Robert Mugabe, criticou o antigo Presidente...

para lembrar

Denzel Washington pode estrelar drama produzido por Will Smith

O ator Denzel Washington ("Incontrolável") pode estrelar "The American...

Morre Mary Wilson, cofundadora do The Supremes, aos 76 anos

Mary Wilson, aclamada cantora e co-fundadora da banda The...

Gravação rara reproduz voz de Mário de Andrade pela primeira vez

Gravações encontradas por pesquisadores de universidades brasileiras e americanas mostram pela...

Navio Negreiro

Pensávamos que eram homens vencidos em batalhas. Descobrimos com...
spot_imgspot_img

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...

Aos 105, Ogã mais velho do Brasil, que ajudou a fundar 50 terreiros só no Rio, ganha filme e exposição sobre sua vida

Luiz Angelo da Silva é vascaíno e salgueirense. No mês passado, ele esteve pela primeira vez no estádio de São Januário, em São Cristóvão,...
-+=