Cia. Os Crespos discute racismo e homofobia em filme-espetáculo “Dois Garotos Que Se Afastaram Demais do Sol”

Enviado por / FonteEnviado ao Portal Geledés

Com pré-estreias para outubro, o curta é livremente inspirado na vida dos boxeadores Emile Griffith e Benny Kid Paret e reflete sobre as lutas, os fantasmas e os sonhos de homens negros na américa.

“Eu mato um homem e a maioria das pessoas me perdoa. Entretanto, eu amo um homem e muitos dizem que isso faz de mim uma pessoa ruim” – Emile Griffith

Dois Garotos Que Se Afastaram Demais do Sol”, tem como fio condutor a disputa pelo título mundial de boxe de 1962, entre os afro caribenhos Benny Kid Paret – encenado pelo ator Rodrigo de Odé – e Emile Griffith, primeiro campeão mundial de boxe a assumir sua bissexualidade – interpretado pelo ator Sidney Santiago Kuanza.

No dia anterior à luta, durante a pesagem, o cubano Kid Paret havia proferido várias ofensas em relação à orientação sexual de Griffith, que subiu no ringue transtornado e desferiu uma sequência de golpes em Paret, levando-o ao coma. Paret veio a falecer 10 dias depois e o fato trágico assombrou o campeão até o fim dos seus dias.

A obra é baseada na peça “12º Round” do dramaturgo Sérgio Roveri, e faz uma série de pré estreias em outubro, com exibições onlines e gratuitas. A primeira delas acontece no dia 04 de outubro, às 19h30, na 3ª Mostra de Cinema Negro “Faz Lá o Café”(link aqui). Realizada pelos Crespos em parceria com o Grupo Clariô de Teatro, a mostra também apresentará filmes premiados como: “Café com Canela”, “Amor Maldito” e “Peripatético

SOBRE O FILME ESPETÁCULO “DOIS GAROTOS QUE SE AFASTARAM DEMAIS DO SOL”

Desde 2018, Roveri  já aguardava pela montagem de seu texto inédito, quando a Cia Os Crespos propôs encená-lo. A dramaturgia dele, presta uma homenagem ao tricampeão de boxe Emile Griffith, contando sua trajetória desde a fatídica luta com Paret até o final de seus dias, quando, depois de décadas atormentado pelo fantasma de Kid, Emile é reconhecido como um dos ícones da luta gay, tendo enfrentado diversas situações homofóbicas dentro e fora do esporte.  

A diretora geral do trabalho, Lucelia Sergio, conta: “O texto do Sérgio nos propunha um jogo cênico interessante, a partir das regras de tempo de uma luta de boxe e, além de trazer à tona essa história, sua abordagem na construção das personagens é muito sensível.” 

A ação do filme se passa no recorte temporal entre a preparação de Griffith e Paret para a luta, até os dias seguintes à morte de Kid Paret, quando Emile começa a ser atormentado pelo fantasma de Kid.  O curta, que não tem caráter biográfico, vai além da homenagem a Griffith. Na adaptação para o audiovisual, o roteiro buscou ler a luta hiperdramática preocupada em ressaltar questões enraizadas em uma sociedade racista, machista e homofóbica. “Um filme para falar sobre os fantasmas que surgem nas cabeças torturadas pelas lutas diárias de auto-defesa, numa sociedade cheia de mecanismos escravocratas, cujo controle dos corpos, fiscaliza nossos afetos e molda nossos afetamentos”, completou Lucelia Sergio.

Meu corpo todo tá maltratado. É pelos golpes do boxe na cabeça, sim, mas é muito mais pelos golpes do sol, o sol da lavoura da cana…Eu já havia trocado o facão pelo ringue e mesmo assim, ainda acordava assustado com a lembrança daquele facão na minha mão.” O trecho  do curta “Dois Garotos Que Se Afastaram Demais do Sol, dito pela personagem de Kid Paret, nos provoca a refletir sobre as dores de homens negros em luta por dignidade, mas que são completamente afetados pelos códigos de uma sociedade que os enraivece, embrutece e amedronta. Longe da glória dos holofotes e da vida pública, Kid Paret era um garoto analfabeto que fugira da escravidão da cana na Cuba pré-revolucionária e, ambicionava comprar um açougue em Miami, onde poderia viver o sonho americano com sua mulher grávida e seu filho pequeno.

O filme surge no contexto da pandemia, como saída para a montagem do espetáculo teatral, cujos ensaios foram suspensos em março de 2020. No curta, a companhia tenta conciliar recursos teatrais com enquadramentos cinematográficos. O ringue se torna o palco e nele as relações entre as personagens acontecem. Dividido em rounds e intervalos, como propõe o texto original, a adaptação é ambientada na sociedade estadunidense, que se via em meio à luta por direitos civis de pessoas negras e gays, e ao mesmo tempo espetacularizava as lutas de boxe, nas quais os lutadores eram em sua maioria negros, e/ou latinos.

A direção do filme – compartilhada entre Lucelia Sergio e Cibele Appes, da Fuzuê Filmes – buscou, no entrecruzamento das linguagens, manter características teatrais na iluminação, parte dos cenários, e nos monólogos dramáticos com digressões, além de algumas soluções cênicas. Por outro lado, houve o esforço de reconstituir as cenas reais da pesagem, quando Kid ofendeu Emile e a fatídica luta, entendendo os recursos cinematográficos de enquadramentos e sobreposições de imagens.

Sobre os desafios de transpor uma pesquisa teatral para o cinema, Lucelia fala sobre os desafios. “Como levar para a tela um monólogo de três minutos, baseado na relação entre atuantes e plateia? Era preciso um esforço para unir  a potência discursiva do teatro narrativo com a subjetividade que o cinema propõe. Como as personagens são perturbadas por lembranças, os recursos cinematográficos de montagem para a memória visual foram fortes aliados e ajudaram a chegar na velocidade pretendida, dialogando com outros filmes de boxe, que serviram de referência para a obra”, contou.

O boxe coreográfico, apresentado por Carolina Nóbrega, foi integrado à montagem e além de reconstituir as sequências de golpes da luta de 62, também tornou-se discurso estético no filme. Dialogando com as regras da luta, os golpes e defesas serviram de recurso poético para a performance dos atores em cena. Escolha que contribuiu para a construção das ações, propondo um espelho com a vida cotidiana de pessoas negras na América, constantemente em luta. 

Em março de 2020, o espetáculo já estava quase pronto quando o mundo foi assolado pela pandemia da Covid-19. Após várias adaptações necessárias para cumprir os protocolos sanitários, a Cia ainda teve que lidar com a perda de João Acaiabe, mais uma das vítimas da doença. João, que acabara de completar 50 anos de carreira, faria a personagem de Emile como narrador da história. “Com a morte do João o roteiro mudou completamente”, revela Lucelia Sergio, “Já intuíamos sobre o que falar, mas com a partida dele tivemos que manobrar a história, sem tempo de viver o nosso luto”.

Dois Garotos Que Se Afastaram Demais do Sol” é fruto do projeto de “Mãos Dadas: Afetos Políticos, Contornos Poéticos” contemplado pela 35ª Edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo. O projeto proporcionou o aprofundamento da pesquisa de linguagem, que investigou sobre masculinidades negras e as possíveis intersecções com as lutas de auto defesa. Neste percurso Os Crespos foram provocados a pensar a humanidade negra a partir da filosofia Bacongo, apresentada pela Professora Aza Njeri, Pós-doutora em Filosofia Africana UFRJ, “todo ser humano é um sol vivo… as populações negras sofrem um constante apagamento do seu sol, através de fenômenos de poder de desumanização dos nossos corpos… uma família, independente da sua constituição é uma constelação solar, subindo a montanha da vida.” Essa ideia iluminou uma das frases do texto de Roveri, que virou o título do filme-espetáculo. A frase que dá nome a obra resume a ideia de que as pessoas negras tem sua dignidade como ser humano desafiada, até que elas fracassem, até que seu sol seja apagado.

O curta-metragem entra em circuito de exibições de pré estreias por alguns equipamentos públicos durante os meses de outubro e novembro.

Confira a programação abaixo.

DOIS GAROTOS QUE SE AFASTARAM DEMAIS DO SOL” – Pré Estreias

Outubro

04/10 – Segunda-feira, às 19h30 – pela 3ª Mostra de Cinema Negro “Faz Lá o Café –  única sessão www.youtube.com.br/CiaOsCrespos (acesse aqui o material completo da mostra – 3ª Mostra Faz Lá o Café)

08, 09 e 10/10 – Sex e sáb, 21h, dom, 19h – Facebook/Youtube do  Teatro João Caetano

15, 16 e 17/10 – Sex e sáb, 21h, dom, 19h – Facebook/Youtube do Teatro Arthur Azevedo (Debate com direção e elenco no domingo, 17/10, após exibição do curta)

16/10 – Sáb, 18h45 – pela Mostra “Quando o Palco Se Fez Cinema” no Youtube do CCSP

Novembro

05, 06 e 07/11 – Sex e sáb, 21h, dom, 19h – Facebook/Youtube do Teatro Alfredo Mesquita

12, 13 e 14/11 – Sex e sáb, 21h, dom, 19h – Facebook/Youtube do Teatro Cacilda Becker (Debate com direção e elenco no domingo, 14/11, após exibição do curta)

Sinopse

Emile e Kid são dois garotos afro-caribenhos que vão para os Estados Unidos tentar melhorar suas condições de vida. Lá eles se tornam campeões mundiais de boxe e, de alguma forma, são incorporados à sociedade estadunidense. 

No frio do Norte eles fazem parte do mundo do sucesso e vivem sob códigos que não controlam. Em um ringue aterrorizante, os campeões lutam contra seus próprios fantasmas, criando dispositivos de autodefesa que os aprisionam ainda mais. E numa luta sangrenta, eles vão usar seus punhos para conquistar o sonho de liberdade, mas a vitória de um depende do fracasso do outro.

Ficha Técnica 

DOIS GAROTOS QUE SE AFASTARAM DEMAIS DO SOL

Um filme-espetáculo para Emile Griffth (1938 – 2013) e Benny Kid Paret (1937 – 1962)

Direção: Lucelia Sergio e Cibele Appes

Com: Sidney Santiago Kuanza, Rodrigo de Odé, Teka Romualdo, Mônica Augusto e Eduardo Silva

A partir do texto dramatúrgico “12º Round” de Sérgio Roveri

Roteiro: Lucelia Sergio

Direção de Produção: Rafael Ferro

Produção: Rafael Ferro e Ramon Zago

Assistência de Produção: Niara Ngozi

Assistência de Direção: Ramon Zago e Cibele Appes

Som direto: Edu Luz

Direção de fotografia: Cibele Appes e Lucas Kakuda

Operação de câmera:  Lucas Kakuda, Isabel Praxedes e Cibele Appes

Lighting Designer: Denilson Marques

Técnicos de Luz: Lucas Barbosa e Rafael Casimiro

Direção de Arte e figurino: Gui Funari e Lia Damasceno

Assistente de Figurino: Andy Lopes

Maquiagem: Tairone Porto, Jhonny Bodonni

Escultura: “Patrimônio=Nóis” (Busto ao Desconhecido/Getúlio sumiu), obra de Érica Ferrari

Preparação de elenco: Lucelia Sergio

Preparação corporal e coreografia de luta: Carolina Nóbrega

Elenco de apoio:  Conrado Caputo, Celso Cardoso, James Turpin, Thiago Catarino, Fernando Bolacha, Tairone Porto, Myria Rios Kuanza, Lucelia Sergio, Ramon Zago e Rafael ferro – Crianças: Akins Samuel, Tayrone Barbosa, Kenay Barbosa

Montagem: Cibele Appes

Trilha e Direção Musical: Dani Nega

Desenho de som: Cibele Appes e Dani Nega

Mixagem: Ruben Vals

Músicos: Bira Junior, Natalia Mallo, Gisah Silva

Assistência de montagem – Mel Appes e Edu Luz

Finalização de cor: Lucas Kakuda

Finalização de som e logger: Edu Luz

Orientação teórica: Osmundo Pinho e Jonathan Raymundo

Identidade visual: Rodrigo Kenan

Fotografia still e making of: Mariana Ser e Isabel Praxedes

Contrarregragem: Fred Peixoto e Carlos Farah

Catering: Belo Bocado – Cozinha Vegana, Myria Rios Kuanza, Menina Brasileira

Legendagem e acessibilidade: ETC Filmes 

Direção geral: Lucelia Sergio

Produtora audiovisual: Fuzuê Filmes

Realização e Produção executiva: Cia os Crespos


SOBRE A CIA OS CRESPOS

Os Crespos é um coletivo teatral de pesquisa cênica e audiovisual, debates e intervenções públicas, composto por atores e atrizes negros e negras. Formou-se na Escola de Arte Dramática EAD/ECA/USP e está em atividade desde 2005. A Cia. trabalha, há dezesseis anos, a construção de um discurso poético que debata a sociabilidade do indivíduo negro na sociedade contemporânea, seus desdobramentos históricos e a construção de sua identidade, aliado a um projeto de formação de público e aperfeiçoamento estético.

A Cia circulou com espetáculos, intervenções e palestras por diversas cidades e estados do país, além de apresentações na Alemanha e Espanha. Tem em seu repertorio 7 espetáculos teatrais, 11 intervenções urbanas; a elaboração e publicação da revista de teatro negro Legítima Defesa, que vai para seu quarto número; a Mostra Cinematográfica Faz lá o Café em parceria com o Grupo Clariô de Teatro, os curtas D.O.RNego Tudo e Imagem Autoimagem; e desde 2018, a Cia promove as “Segundas Crespas”, encontros entre artistas para discutir arte negra e è uma das organizadoras do Fórum de Performance Negra de São Paulo.

Entre os principais trabalhos, estão: Anjo Negro + A Missão (2006) dirigida pelo alemão Frank Castorf, diretor do Teatro Volksbühne; Ensaio Sobre Carolina texto e direção de José Fernando Peixoto de Azevedo (2007); a trilogia Dos Desmanches Aos Sonhos (2011-2013), que investiga o impacto da escravidão na forma de amar dos brasileiros e é composta pelos espetáculos Além do Ponto com direção de José Fernando Peixoto de Azevedo, Engravidei, Pari cavalos e Aprendi a Voar sem Asas e Cartas à Madame Satã ou me Desespero Sem Notícias Suas, ambos com direção de Lucelia Sergio. Os Coloridos (2015) texto de Cidinha da Silva e direção de Lucelia Sergio; Alguma Coisa a Ver Com Uma Missão (2016) que tem dramaturgia de Allan da Rosa.

Em 2019 a Cia realiza as Terças Crespas no Centro Cultural São Paulo, com a qual concorre ao Prêmio Aplauso Brasil 2019, na categoria Destaque. E em 2021 estreia seu novo filme Dois Garotos que se Afastaram Demais do Sol, e um espetáculo infantil denominado De Mãos Dadas Com Minha irmã, além da publicação do terceiro e quarto números da revista Legítima Defesa.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Rihanna posa à la Marilyn Monroe para revista

Rihanna posa à la Marilyn Monroe para revista. Rihanna gostou...

Oprah recebe um Oscar por seu trabalho humanitário

A apresentadora, atriz e produtora Oprah Winfrey, que dominou...

Nasce Ivy Blue Carter filha de Beyoncé e Jay Z

A cantora Beyoncé e o rapper Jay-Z tiveram sua...

Cabelos de Sheron Menezzes são referência fashion para a moda da mulher negra

Cabelos de Sheron Menezzes são referência fashion para a...

para lembrar

Matriarcas do Samba – show presencial

O grupo Matriarcas do Samba estreia no Teatro Rival...
spot_imgspot_img

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...

Camisa Verde e Branco abre hoje desfile do grupo especial em SP

A escola de Samba Camisa Verde e Branco abre hoje (9), às 23h15, a primeira noite de desfiles das escolas de samba do Grupo Especial...
-+=