A cidade paulista que está protegendo um padre e dando uma lição contra o racismo

por :

Moradores da pequena Adamantina, no interior de São Paulo, promoveram a antítese das manifestações reacionárias que acontecem pelo Brasil após as eleições presidenciais. No último dia 07, cerca de 2 mil pessoas, segundo informações do Estadão, protestaram durante a missa na Igreja Matriz da cidade contra a transferência do padre Wilson Luís Ramos.

O clérigo afirma ter sofrido rejeição de alguns fiéis por ser negro e atuar em favor dos mais pobres. Para resolver a situação da forma mais cômoda possível, o bispo responsável pela paróquia, Dom Luiz Antônio Cipolini, mandou o padre rezar em outra freguesia.

Com uma população de 35 mil pessoas, Adamantina recebeu um tipo de mobilização popular raramente vista nas grandes cidades: em defesa dos pobres, dependentes químicos e contra o racismo.

Isso porque o padre foi discriminado por causa de atitudes progressistas como receber usuários de drogas na Igreja, usar roupas simples e visitar comunidades periféricas. Há também o fato de ser negro. “Outro dia surpreendi duas senhoras dizendo que deveriam trocar o galo que há no topo da igreja por um urubu. Foi muita humilhação”, disse o padre ao Estadão.

Assim, o protesto pela permanência do padre Wilson aborda, mesmo indiretamente, uma agenda fundamental para construção de uma sociedade mais justa.

São assuntos ignorados por aqueles “cidadãos de bem” que se vestem de verde amarelo e se reúnem na avenida Paulista para bramir chavões contra a corrupção política e pedir a volta da ditadura militar. Evocam o respeito à moralidade política quando na verdade só estão preocupados em garantir férias na Flórida, o espumante nosso de cada dia e o SUV prateado.

A manifestação dos católicos adamantinenses, por outro lado, ilustra o tipo de protesto que deveria ser mais frequente nas ruas do país: a mobilização pelos menos favorecidos e contra as reações arbitrárias da elite diante da perda de privilégios. Este sim é o bom combate.

Que os protestos de Adamantina inspirem outros pelo país afora.

cidade_padre_racismo1

Sobre o Autor

Marcos Sacramento, capixaba de Vitória, é jornalista. Goleiro mediano no tempo da faculdade, só piorou desde então. Orgulha-se de não saber bater pandeiro nem palmas para programas de TV ruins.

 

Fonte: DCM

+ sobre o tema

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

Estudo mostra o impacto do fator racial materno no desenvolvimento infantil

O ganho de peso e o crescimento dos filhos está diretamente relacionado ao fator etnorracial...

para lembrar

“As crianças negras têm o azar dos mal-entendidos sempre acontecerem com elas”

Jonathan Duran, pai do menino discriminado em uma loja...

“Preto” ou “negro”? O vídeo viral que levantou um debate semântico. Por Sacramento

Por Marcos Sacramento Do DCM Qual o palavra correta para se...

“Quantos senadores negros há no Brasil?” Angela Davis, a antítese de Joaquim Barbosa

por : Marcos Sacramento A ausência de negros em cargos políticos...

A lição dos policiais suecos que estavam de férias em Nova York

Quatro policiais suecos ficaram famosos depois de separar uma...
spot_imgspot_img

Padre Assis: ‘Meu Cristo tem cabelo crespo, é do povão e anda por favelas’

Ivaldino de Assis Mendes Tavares já perdeu as contas de quantas vezes foi parado por policiais. E a cena sempre se repete: quando perguntam...

Por que há poucos técnicos negros? A pergunta que a Seleção do Senegal levou para a Copa. Por Sacramento

A seleção senegalesa tem sido tema de notícias e discussões nesta Copa do Mundo. Mas em vez de tática, vigor físico, gols de placa...

“Sim, nós podemos”: o maior legado dos oito anos de Obama. Por Marcos Sacramento

Faltam poucos dias para o fim da era Obama. Lembro o quanto fiquei empolgado ao conhecer o então senador em 2007, por meio de...
-+=