Cidinha da Silva lê trechos de ‘Quarto de Despejo’ em nova série de vídeos

Enviado por / FonteFolha de São Paulo

Uma das curadoras do projeto 200 anos, 200 livros, a escritora incluiu o livro de Carolina de Jesus entre suas recomendações

“Carolina Maria de Jesus é um clássico dos anos 1960 e, finalmente, começa a se consolidar nesse lugar”, diz a escritora Cidinha da Silva, 55, autora de “Um Exu em Nova York” e editora na Kuanza Produções.

Ela conta que tinha 24 anos quando leu “Quarto de Despejo” pela primeira vez. À época, atuava no Geledés – Instituto da Mulher Negra, instituição que presidiu entre 2000 e 2002. “Então sabia bem como o racismo operava, estava preparada para decodificá-lo.”

Não à toa, a escritora escolheu, para a sua leitura neste vídeo, um trecho em que Carolina narra um dia no cotidiano da favela do Canindé, onde morava. O fragmento expõe não só as violências que atingiam a protagonista como também o modo como ela observava as personagens à sua volta.

“O sentimento mais nítido que tive foi o de perceber como a estrutura racista manipulou Carolina para expor suas condições de vida miseráveis à sanha dos abutres”, reflete Cidinha. Veja o vídeo abaixo.

Cidinha foi uma das intelectuais convidadas a compor o conselho curador do projeto 200 anos, 200 livros, uma parceria da Folha com a Associação Portugal Brasil 200 anos e com o Projeto República (núcleo de pesquisa da Universidade Federal de Minas – UFMG). A iniciativa visa indicar 200 obras importantes que expliquem o país.

As três indicações de Cidinha entraram para a lista final: além de “Quarto de Despejo”, “Escritos de uma Vida”, de Sueli Carneiro, e “Literatura e Afrodescendência no Brasil: Antologia Crítica”, de Eduardo de Assis Duarte e Maria Nazareth Soares Fonseca.

“Trata-se de uma grande intérprete do Brasil, que tinha o sonho de escrever, que tinha um projeto literário e lutou por ele. Para mim, este é seu maior legado”, afirma a escritora.

Este é o primeiro vídeo de uma série realizada pela TV Folha no âmbito do projeto 200 anos, 200 livros. Os demais trarão leituras de “Grande Sertão: Veredas”, “A Queda do Céu” e “Raízes do Brasil”.

+ sobre o tema

“Aquele encontro afro causou uma revolução em minha vida”- afirma Alisson, caixa de supermercado.

Manhã de segunda-feira, após  me examinar, minuciosamente,o  caixa do...

Mulheres vítimas de violência: conheça as leis e redes de apoio

Muito além da Lei Maria da Penha – que é a...

Mãe Beata de Iemanjá, ialorixá, escritora e militante social, morre aos 86 anos

Morreu neste sábado a ialorixá, escritora e militante de...

Claudinha, uma empregada doméstica

Era abril de 1992. Eu, um jovem de vinte...

para lembrar

Pesquisas buscam definir estilo e parentescos culturais da escritora Carolina Maria de Jesus

Pesquisas buscam definir estilo e parentescos culturais da escritora...

Mulheres que cumprem pena na Penitenciária Feminina da Capital publicam antologia em SP

Sarau Asas Abertas realizou oficinas de leitura e escrita...

Zélia Amador traz o olhar ativista sobre as discriminações enfrentadas pela mulher negra

Filha de empregada doméstica, a professora alcançou o doutorado...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=