Cineasta brasileiro busca origens da “Lavagem do Bonfim” na África

Radicado nos Estados Unidos, o cineasta brasileiro Ivy Goulart, residente no Brooklyn (NY), viajou ao continente africano para registrar as origens de um dos principais exemplos do sincretismo religioso no Brasil: A Lavagem das Escadarias da Igreja do Bonfim, em Salvador (BA). O trabalho é continuação do documentário independente produzido por Ivy da “Lavagem da Rua 46”, em Manhattan (NY), cerimônia anual que já faz parte do calendário oficial de eventos da Big Apple.

“Estou gravando o documentário sobre a origem do Candomblé e da Lavagem do Bonfim.

Vim para a Festa Mundial do Vodu, que acontece aqui no Benim anualmente. É do Benim a origem da religião Vodu que no Brasil se transformou no Candomblé.

Muito interessante o quanto essa religião é rica em detalhes das energias da natureza humana e sua origem mais profunda da espiritualidade. As religiões: Vodu, Católica, Evangélica e Muçulmana convivem em plena harmonia na cidade de Uidá (Capital mundial do Vodu), um exemplo de tolerância religiosa no continente africano”, disse Ivy.

A hospitalidade do povo local e a diversidade cultural no Benin impressionaram o cineasta brasileiro, que usará o material recolhido em Uidá na continuação do documentário.

“Estou amando estar aqui. Uma experiência maravilhosa, um encontro único com esse continente cheio de mistérios e ao mesmo tempo livre do conceito europeu do que se diz ‘civilizado”, comentou o cineasta.

“O Benim ao mesmo tempo é tão próximo (Culturalmente) ao Brasil, mas, por outro lado, um grande contraste: Tudo que a gente achava que é a pobreza econômica; aqui é muito maior e quase selvagem e primitivo. Está sendo um

verdadeiro encontro com as nossas origens mais profundas”, acrescentou. 

Apesar das diferenças sociais e econômicas marcantes entre os dois países, ainda é evidente no Benin os elementos culturais que serviram de base à cultura afro-brasileira.

“É muito curiosa a relação do homem e o trabalho, a manufatura não existe. A produção: caça, pesca e a colheita são trabalhos feitos para a sobrevivência, no sentido mais amplo dessa palavra. Praticamente, não existe indústria local. Foi também do Benim que saíram negros escravos para as Américas e, principalmente, para Salvador (Bahia), levando a cultura e a religião deles e cravando na nossa cultura o conceito e a atitude afro-brasileira”, concluiu Ivy.

O documentário “A Lavagem da Rua 46” conquistou vários prêmios, entre eles o Brazilian International Press Award, na Flórida. O trabalho levou Ivy às ruas de Salvador, onde ele conversou com fiéis e as tradicionais baianas que participam do ritual da lavagem das escadarias na Igreja do Bonfim. 

Fonte: Brazilian Voices

+ sobre o tema

E se o Brasil negro voltasse à África?

Com direção de Lázaro Ramos, Namíbia, não!, em temporada...

Angela Maria

Abelim Maria da Cunha, Angela Maria,  nascida no dia 13 de...

para lembrar

CyberQuilombo: curso on-line forma oficineiros em Africanidades

O CyberQuilombo, um projeto do labExperimental – está com...

Lives da cantora Teresa Cristina proporcionam samba, alegria e flertes virtuais

A expressão “o samba cura’’ nunca fez tanto sentido...

e-Book: Onde está Jonathan Makeba

Jonathan Makeba é um personagem real. Ele é...

Terças Crespas Presenciais

A primeira edição no formato presencial acontece na terça-feira, 09...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...
-+=