Coleção BBB de Darcy Ribeiro: O Brasil apresentado aos brasileiros

O projeto da Coleção Biblioteca Básica Brasileira, idealizado por Darcy Ribeiro, está lançando, este ano, 49 novos títulos em 100 mil volumes.

Retomado com uma nova configuração, o projeto da Coleção Biblioteca Básica Brasileira – BBB, conjunto de livros de leitura fundamental idealizado pelo antropólogo, professor, escritor e político mineiro Darcy Ribeiro, em 1962, na época (primeiro) Reitor da Universidade de Brasília, está lançando, este ano, 49 novos títulos em 100 mil volumes distribuídos gratuitamente pelas bibliotecas públicas do país a partir de um seminário realizado em Belo Horizonte, este mês, no Museu Abílio Barreto.

Seu objetivo, como o antropólogo definia, é o de “apresentar o Brasil aos brasileiros.” Aprofundar o conhecimento da nossa cultura e da história desta nação mestiça que, segundo ele “é lavada com sangue índio, negro e tropical”, e cuja vocação é dirigida à alegria, tolerância e solidariedade: valores que, mais do que nunca, precisam ser cultivados hoje.

Ao longo de três anos serão distribuídos 900 mil livros às bibliotecas públicas cadastradas no Sistema Nacional de Bibliotecas  Públicas (SNBP). O projeto, redesenhado, é uma parceria entre a FBN, a Fundação Darcy Ribeiro e a Editora da Universidade de Brasília (UnB).

Agora, com patrocínio da Petrobrás e dos Correios, no âmbito da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura, a Fundação Darcy Ribeiro prossegue na produção da Biblioteca Básica Brasileira – BBB, cujo primeiro volume, América Latina: a Pátria Grande – coletânea de ensaios sobre a identidade latinoamericana e a urgência da integração dos países do continente, há meio século já preconizada com ênfase por Darcy – foi lançado dois anos atrás numa homenagem ao professor que, se fosse vivo, então completaria 90 anos.

A BBB é fruto do trabalho conjunto de um brilhante grupo de intelectuais e professores convocados a fundarem a Universidade de Brasília, nos anos 60, para juntos, criarem, no que era visto como a universidade brasileira do futuro, “o sonho de uma geração que confiava em si e reivindicava o direito de tomar o destino do Brasil em suas mãos.” 

Em 1963, quando Ministro da Educação, Darcy Ribeiro viabilizou a publicação dos primeiros dez volumes da BBB com tiragem de 15 000 exemplares totalizando 150 mil livros. A proposta previa a publicação de nove outras edições com dez volumes cada, totalizando uma coleção de 100 títulos. Mas a continuidade do programa de edições pela UnB foi inviabilizada devido à truculência da censura política do regime militar.

Com o objetivo de manter vivos o pensamento e a obra de seu instituidor e viabilizar os seus projetos, a Fundação Darcy Ribeiro retomou a proposta e atualizou-a configurando uma nova BBB.

Alguns dos autores que fazem parte da Coleção: Machado de Assis, Joaquim Nabuco, Graça Aranha, Lima Barreto, Euclides da Cunha, José de Alencar, Tomás Antonio Gonzaga, Capistrano de Abreu, Visconde de Taunay.

Entre os que escreveram prefácios para as obras, Joel Rufino, Cecília Costa, Eric Nepomuceno, Maria José Ribeiro, Claudio Murilo Leal, João Carlos Escoteguy Filho.

O próximo dia 02 de julho será a vez do seminário organizado pela Fundar no Memorial Darcy Ribeiro da Universidade de Brasilia. Dia 04, o seminário seguinte, na sede da Fundação, no bairro de Santa Tereza, no Rio de Janeiro.

Para mais informações sobre como obter os volumes da BBB, o site da Fundação Darcy Ribeiro é [email protected]www.fundar.org.br  Tels da UnB: 61 3107-0578/ 0605. Ou [email protected]

 

Fonte: Carta Maior

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

A luta de Lima Barreto contra o racismo “científico”

Coletânea recém-lançada destaca atualidade das crônicas do escritor. Aqui,...

A bronca que Machado tinha de Eça

A bronca que Machado tinha de Eça. Numa crítica e...

Tragam-me a cabeça de Lima Barreto

Ancorado no tripé loucura, racismo e eugenia, monólogo com...
spot_imgspot_img

100 anos sem Lima Barreto: a luta ainda continua em 2022?

O que o legado de Lima Barreto tem a nos dizer na semana em que Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito presidente do Brasil pela...

Análise: Machado de Assis, o gênio na gaiola do racismo

Joaquim Maria Machado de Assis é um dos gênios da literatura brasileira, tendo contribuído na poesia, no romance, no conto, no teatro, na crônica...

Deixado de fora da Semana de 22, Lima Barreto é celebrado por nomes como Lázaro Ramos, Conceição Evaristo e Djamila Ribeiro

O Brazil LAB da Universidade de Princeton (EUA) e a editora Companhia das Letras lançam nessa próxima quarta-feira (16), no Brasil e nos Estados...
-+=