Com livro “Todos olhos em mim”, jornalista Aline de Campos discute racismo nas relações inter-raciais

A jornalista Aline de Campos realiza, no próximo dia 29 de abril, um encontro para conversar sobre o livro “Todos os olhos em mim”, obra que discute a presença do racismo nos relacionamentos inter-raciais. O evento acontece nas redes sociais da Quintal Edições e terá presença de poetas como Thata Alves e Hércules Marques lendo trechos da obra e também de personagens do livro. A mediação do encontro é da jornalista e escritora Elizandra Souza.

O livro é resultado de um trabalho de conclusão de curso em jornalismo e reúne diferentes passagens e histórias na vida de cada uma das pessoas ouvidas para a construção da obra, que, segundo a autora, é indicada às pessoas que não compreendem a importância da discussão sobre raça no país.

Para Aline, a responsabilidade em não praticar o crime de racismo é das pessoas brancas, portanto, indica a literatura como um primeiro passo. “A não intenção não caracteriza isenção. Então, se você ainda acha que discutir racismo é ‘mimimi’, esse livro é para você”.

A escrita do livro aconteceu depois de muitas conversas com um colega de faculdade sobre a solidão do corpo negro. “Aliando a busca por informações sobre o assunto e analisando as relações amorosas em minha própria família – em maioria, as mulheres da minha família não são brancas, mas também não são lidas socialmente como negras pela pele clara e muitas delas casaram-se com homens negros – , surgiu a ideia de estudar relacionamentos inter-raciais”, contou.

No entanto, o processo de pesquisa e escrita não foi fácil para a autora, sobretudo pelos relatos ouvidos. “Me tiravam o sono. Olhava pro meu filho, que é uma criança negra, relembrava situações racistas, e só pensava em como através das palavras passar o sentimento dos entrevistados. Meu objetivo era trazer as sensações que falassem por eles mesmos”, diz.

Já a inspiração para o título, conforme nos conta Aline, veio de uma canção do rapper mineiro Djonga e também do rapper Tupac. Ao final da música “10/10”, Djonga recita a carta de Tupac à Madonna, sobre as dificuldades raciais na relação deles. “Imediatamente, me veio à cabeça a frase mais divulgada de Tupac “All eyes on me” (todos os olhos em mim), que é título de uma música bastante conhecida dele. Por mais que o contexto seja diferente (o rapper fala de violência policial, dificuldades no gueto, perseguição), a frase por si só diz muito sobre a presença de corpos pretos nos espaços”, explica.

A obra propõe também um diálogo com diferentes intelectuais racializados, como Lélia Gonzalez, bell hooks, Angela Davis, Carla Akotirene, Abdias Nascimento, Neusa Sousa Santos, entre outros. “Tive um encontro muito bonito com intelectuais negros. Um encontro de pensamentos mesmo. É comum o resgate ancestral e cultural nos textos de autores negros e isso permeou um caminho, felizmente sem volta, para minhas pesquisas. No livro, trago autoras que venho trabalhando nos últimos anos e conceitos fundamentais para se pensar a sociedade atual. Ler essas mulheres mudou minha vida”, avalia Aline.

O livro tem também capa de Maria Tereza Morais e ilustrações de Aline Lima.

Serviço – Encontro “todos os olhos em mim”
Quando: quinta-feira (29) às 19h
Onde: Canal Quintal Edições

 

O livro pode ser comprado através do site da Quintal Edições http://loja.quintaledicoes.com.br/ 

+ sobre o tema

Rolezinhos são atacados, mas evento se espalha

  Reação violenta da Polícia Militar gerou solidariedade...

DEM/CHAPECÓ: Prefeito João Rodrigues comemora

    Três fatos marcaram hoje o dia...

Ações afirmativas

Targino de Araújo Filho e Petronilha Beatriz Gonçalves e...

Advogado Sugere Separar Nordeste do Brasil

  Advogado diz que iniciaria guerra para separar...

para lembrar

Crianças negras desavisadas, diante de enganos platinados

Uma mulher negra que não abre a boca. Um homem...

“Macaco” e emoji de banana: casos de racismo invadem os jogos online

Comum no ambiente virtual, crime de injúria racial já atingiu...

Votar é um dos nossos maiores legados

A história brasileira está repleta de personagens e trajetórias...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=