Comentarista da ESPN vê “componente racista” em críticas a Cristóvão Borges

Talvez não exista outro técnico brasileiro no momento que sofra tanta pressão em cima do trabalho como Cristóvão Borges, prestes a completar três meses no Corinthians. Para o comentarista Breiller Pires, da ESPN, há “componente racista” nas críticas da torcida alvinegra ao comandante.

Por Rafael Alaby Martins Ferreira, do Torcedores 

“Cristóvão Borges já sofreu a questão do racismo e críticas com contornos maldosos e também racistas. Ele já admitiu que sofreu. Antes de chegar ao Corinthians, ele já era massacrado. Existe sim componente racista nas críticas aliado à baixa tolerância com os treinadores do futebol brasileiro. Pela história que o Brasil tem, deveria valorizar negros que chegam em posições de comando”, disse Breiller, durante o programa “Bate Bola”, na noite desta sexta-feira.

“O futebol brasileiro aceita o sucesso do jogador negro, mas você não vê treinadores negros nas principais divisões brasileiras”, completou.

Já o comentarista Paulo Calçade discordou do companheiro e não crê que as críticas sejam motivadas por racismo.

“Não consigo enxergar elementos racistas. Não acredito pelo seguinte: O Levir não é negro, assim como Celso Roth , Falcão e Argel. Imagine se o Inter tivesse três negros? Iria ser chamado de racista. Cristóvão, substituto de Tite, que foi campeão de tudo(… ) Qualquer treinador que não apresentasse rendimento ia tomar pau”,comentou.

Há pouco mais de um ano, o jornalista José Trajano, também da ESPN, deu opinião semelhante a Breiller sobre as críticas da torcida flamenguista ao trabalho de Cristóvão.

Até o momento, o treinador corintiano dirigiu o time 17 vezes, com sete vitórias, cinco empates e cinco derrotas, resultando num aproveitamento de 50,9% dos pontos disputados.

+ sobre o tema

Alunos negros, professores negros

Por Janaína Penalva Professora de Direito Constitucional da Faculdade...

Apartheid no shopping?

A Justiça de São Paulo permite que seis centros...

Black is Beautiful: é bom, é barato e é para poucos

Hoje cedo, na rua Do Ouvidor Quantos brancos horríveis eu...

Reação à pobreza tem de ir além da política

Num intervalo de quatro décadas e quase uma dúzia...

para lembrar

Minha Mãe, Minha Heroína?

“Ainda bem que ninguém saiu ferido, ninguém se machucou....
spot_imgspot_img

Caça aos livros

Está aberta a temporada de caça aos livros no Brasil! Mas atenção. A perseguição restringe-se à indicação pedagógica de certas obras capazes de promover o debate e a...

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...
-+=