Como a Semana de 22 influenciou artistas como a bailarina Ingrid Silva e MC Soffia

Enviado por / FontePor Renan Fiuza, da CNN

No terceiro episódio do especial sobre a Semana de Arte Moderna de 1922, artistas desta geração mostram como o movimento iniciado há 100 anos transformou suas vidas

Você já deve ter ouvido a seguinte frase: a arte é para todos. Mas será que é mesmo? Será que 100 anos após o marco da Semana de 22, não vivemos a utopia de uma sociedade igualitária, sem preconceito?

Ingrid Silva, bailarina, negra, nascida na zona norte do Rio de Janeiro, é, hoje, uma referência no balé clássico. Primeira bailarina da companhia Dance Theatre of Harlem, de Nova Iorque, ela sabe bem o que é batalha.

Ingrid Silva (Foto: @vandyphotography – Reprodução/Facebook)

Em um universo onde pessoas brancas são a maioria, Ingrid teve de quebrar barreiras. Ela conseguiu e hoje serve de exemplo para futuras gerações.

Mesmo sentimento que é compartilhado pela jovem MC Soffia, de apenas 17 anos. Em suas letras de rap, são abordadas questões sociais, como racismo, preconceito, luta, a força da mulher.

O que ambas têm em comum com a Semana de Arte Moderna? Tudo. Afinal, os artistas de 1922, assim como os de hoje, 2022, buscam representar o povo brasileiro. E toda essa mistura de gente, cor, vida… Se chama brasilidade. Em outras palavras: representatividade.

Assista à reportagem na íntegra no vídeo acima.

Aproveite para ouvir o episódio “Rupturas e legados”, da série de podcasts da CNN sobre a Semana de Arte Moderna de 1922:

O episódio conta que as divergências sobre os rumos da estética brasileira causaram uma série de rompimentos após a Semana de 22. O desentendimento no campo intelectual transbordou para a relação pessoal e ainda determinou o destino político dos primeiros modernistas. O apagar das luzes aconteceu em meio a uma crise global e ao fim da Primeira República no Brasil. Mas o legado permanece. Para amar ou odiar, esse é mais um aniversário da Semana de Arte Moderna que não passa despercebido.

+ sobre o tema

Picharam ‘Jesus cura lesbianismo’ e estudantes da UFRJ deram o troco contra a homofobia

Um banheiro da Escola de Comunicação da Universidade federal...

Quem são as mulheres negras brasileiras reverenciadas por Angela Davis

A primeira vez em que a filósofa e ativista...

Cartilha ajuda mulheres a identificar sinais de perigo de violência doméstica

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania,...

Bolsonaro perde mais uma vez na Justiça para Maria do Rosário

Nova decisão da Justiça determina que, além de pagar...

para lembrar

spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=