Como a Semana de 22 influenciou artistas como a bailarina Ingrid Silva e MC Soffia

Enviado por / FontePor Renan Fiuza, da CNN

No terceiro episódio do especial sobre a Semana de Arte Moderna de 1922, artistas desta geração mostram como o movimento iniciado há 100 anos transformou suas vidas

Você já deve ter ouvido a seguinte frase: a arte é para todos. Mas será que é mesmo? Será que 100 anos após o marco da Semana de 22, não vivemos a utopia de uma sociedade igualitária, sem preconceito?

Ingrid Silva, bailarina, negra, nascida na zona norte do Rio de Janeiro, é, hoje, uma referência no balé clássico. Primeira bailarina da companhia Dance Theatre of Harlem, de Nova Iorque, ela sabe bem o que é batalha.

Ingrid Silva (Foto: @vandyphotography – Reprodução/Facebook)

Em um universo onde pessoas brancas são a maioria, Ingrid teve de quebrar barreiras. Ela conseguiu e hoje serve de exemplo para futuras gerações.

Mesmo sentimento que é compartilhado pela jovem MC Soffia, de apenas 17 anos. Em suas letras de rap, são abordadas questões sociais, como racismo, preconceito, luta, a força da mulher.

O que ambas têm em comum com a Semana de Arte Moderna? Tudo. Afinal, os artistas de 1922, assim como os de hoje, 2022, buscam representar o povo brasileiro. E toda essa mistura de gente, cor, vida… Se chama brasilidade. Em outras palavras: representatividade.

Assista à reportagem na íntegra no vídeo acima.

Aproveite para ouvir o episódio “Rupturas e legados”, da série de podcasts da CNN sobre a Semana de Arte Moderna de 1922:

O episódio conta que as divergências sobre os rumos da estética brasileira causaram uma série de rompimentos após a Semana de 22. O desentendimento no campo intelectual transbordou para a relação pessoal e ainda determinou o destino político dos primeiros modernistas. O apagar das luzes aconteceu em meio a uma crise global e ao fim da Primeira República no Brasil. Mas o legado permanece. Para amar ou odiar, esse é mais um aniversário da Semana de Arte Moderna que não passa despercebido.

+ sobre o tema

Lélia Gonzalez

Filha de um ferroviário negro e de uma empregada...

Carol Dartora é eleita a primeira deputada federal negra do Paraná: ‘Resposta histórica’

A vereadora de Curitiba Carol Dartora (PT) foi eleita deputada federal...

Susan Rice – Desafios e oportunidades para as mulheres afrodescendentes – 16-04 Rio de Janeiro

Superintendente Marcelo Dias apresentará políticas desenvolvidas pelo Estado em...

Leci Brandão tem vida e obra celebrada em musical com direção de Luiz Antonio Pilar e texto de Leonardo Bruno

Nome incontornável da música brasileira, compositora e intérprete de...

para lembrar

Debret e a Cultura Negra no Brasil

Obras do pintor francês e documentos do Arquivo Histórico...

Arthur Bispo do Rosario é tema de exposição nos EUA

Era quase véspera de Natal quando o sergipano Arthur...

Governo troca cultura por mais armas na favela

Em meio à violência que recrudesce nas favelas do...
spot_imgspot_img

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

Parece, mas não é

Carnaval é uma época do ano em que o Brasil parece ter orgulho de suas raízes africanas —apesar de a festividade ter origem europeia. Quem...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...
-+=