Como Ava DuVernay está abrindo porta para outras mulheres negras

A primeira diretora negra a sair vitoriosa de várias premiações do cinema explica como seu trabalho ajuda o movimento negro.

Por Elaine Guerini, da Elle

(Dia Dipasupil/Getty Images)

Como garota negra, Ava DuVernay nunca se sentiu representada na indústria do entretenimento nos anos 1980, quando ela crescia em Compton, área de baixa renda de Los Angeles. “Eu simplesmente não me via. Nem nas animações de princesas da Disney nem nas séries de TV”, conta à ELLE a diretora, roteirista e produtora de 45 anos. “Tudo o que faço hoje é para garantir que as meninas da nova geração se sintam incluídas”, diz a californiana, a primeira mulher negra a gritar “ação!” numa superprodução hollywoodiana: o filme Uma Dobra no Tempo, orçado em mais de 100 milhões de dólares.

Inspirado no livro homônimo de ficção científica da escritora norte-americanaMadeleine L’Engle, se não fosse pela diretora o longa provavelmente traria uma maioria de atores brancos – como é ainda comum nesse tipo de produção. Mas Ava não perderia a chance de “sacudir as coisas”, escalando Storm Reid (de 12 Anos de Escravidão) para interpretar Meg Murry, a menina de 14 anos que sai em busca do pai cientista, desaparecido após se aventurar por outras dimensões.

“Mal pude acreditar quando a ideia de misturar as raças foi aceita pela Disney”, afirma Ava, que trouxe também Oprah Winfrey para o elenco. “Por seu ativismo, Oprah merecia o papel da senhora Qual, considerada o ser mais sábio do universo.” Sempre defendendo o empoderamento negro e a suarepresentatividade na mídia, Ava ficou conhecida por várias conquistas. No ano passado, ela foi a primeira negra a ser indicada ao Oscar de melhor documentário, com 13th, em que analisou o sistema prisional nos Estados Unidos, focando a desigualdade racial – como não poderia deixar de ser.

+ sobre o tema

Da dificuldade nasce a força da mulher negra

Em 1989, com 14 anos, entrei no mercado de...

A “empregada” no centro de uma sociedade cindida

“Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert, segue linhagem...

Paulina Chiziane e a liberdade de quem conta suas próprias histórias

“Se queres conhecer a liberdade Segue o rastro das andorinhas” (Ditado...

para lembrar

Lei institui o Dia de Luta contra Genocídio da Muher Negra no Rio

A lei estabelece que instituições públicas e privadas promovam...

Em resposta a racismo e bullying, jovem desenha vestido de formatura em estilo africano

A norte-americana Kyemah McEntyre, de 18 anos, conta que,...

Sede do Neab homenageia Ya Mukumbi

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros funcionará em casa de madeira...

Conexões diaspóricas: mobilização da Marcha das Mulheres Negras no mundo

Mulheres negras de 21 países da América Latina, Caribe...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=