Como colaborar com o ‘Vidas Negras Importam’ sem silenciar o movimento

Enviado por / FonteLuiza Sahd, de Universa

Os protestos que se espalharam pelos Estados Unidos por causa da morte de George Floyd –segurança de 46 anos, negro, asfixiado publicamente por um policial na cidade de Minneapolis em 25 de maio– ganharam o mundo. Para além da imensa atenção midiática que o movimento #BlackLivesMatter (#VidasNegrasImportam, no Brasil) recebeu a nível global, temos, na mesma proporção, uma onda de adesão a esses discursos nas redes sociais.

A princípio, o apoio massivo a essas iniciativas pode parecer uma excelente notícia para o movimento –que precisa muito mesmo de visibilidade. O problema é quando a adesão não passa de ostentação vazia de virtudes e acaba atrapalhando quem, de fato, está se articulando para denunciar atos de racismo.

Bom exemplo disso foi a viralização de fotos pretas acompanhadas pela hashtag #blackouttuesday. O objetivo era promover, nas redes sociais, uma espécie de apagão como pausa para reflexão em respeito e solidariedade às vidas negras perdidas. Quem chegava desavisado a essa articulação e incluía outras hashtags como #blacklivesmatter em sua publicação, acabava atrapalhando a busca de notícias sobre as manifestações nas redes, já que cada hashtag tinha um propósito diferente e muito bem pensado.

Como apoiar o movimento de verdade?

Definitivamente, o lugar de fala sobre racismo não é de pessoas brancas, mas a luta antirracista deveria ser de todos –como bem explicou a escritora e ativista norte-americana Angela Davis: “Em uma sociedade racista, não basta não ser racista, é preciso ser antirracista”.

Apoiar iniciativas contra o racismo na internet é importante, mas as pessoas negras não ganham lá muita coisa se o apoio nas redes vira um fim em si mesmo. Fora da internet é onde devemos atuar, cotidianamente, para derrubar todas as barreiras sociais que ainda são impostas a pessoas não brancas. Aqui, temos um compilado de medidas mais efetivas do que simplesmente mencionar o #BlackLivesMatter no seu Insta.

Aprenda com quem sabe sobre preconceito e lugar de fala

O protagonismo de pessoas negras em debates (todos, não só sobre racismo) é fundamental. Em debates sobre racismo, não tem cabimento que o protagonismo seja branco

O papel das pessoas brancas no ativismo é de escuta e apoio. Não cabe às pessoas brancas cobrar mobilização de pessoas negras por causas antirracismo, inclusive porque o racismo faz parte da vida de qualquer pessoa não branca, mesmo que ela jamais toque no assunto.

A cobertura de manifestações antirracistas não deveria, jamais, ter falas racistas … – Veja mais em https://luizasahd.blogosfera.uol.com.br/2020/06/03/como-colaborar-com-o-vidas-negras-importam-sem-silenciar-o-movimento/?cmpid=copiaecola

Opte por consumir conteúdo feito por pessoas ou organizações que não sejam lideradas apenas por brancos. Isso muda toda a perspectiva e o entendimento das questões raciais

Faz muito tempo que pessoas negras estão divulgando como qualquer pessoa pode ser uma aliada antirracista. A parte das pessoas brancas é bem simples: escutar e cobrar mudanças no entorno

O UOL Debate também promoveu uma discussão sobre a luta antirracista no Brasil e nos EUA com pensadores e criadores pretos. Assista aqui:

+ sobre o tema

A Copa, o racismo e o vexame histórico.

Por Douglas Belchior O maior vexame da história do Brasil foi a escravidão” Sérgio Vaz A...

Sucessos na juventude tornam mais prováveis os sucessos na vida adulta

Os primeiros anos de vida têm expressivos desdobramentos na...

Chacina em Fortaleza: Polícia apura três linhas de investigação

Órgãos de Segurança determinam prioridade na apuração dos casos....

Robinho, feminismo é para todo mundo!

Feminismo. Faz uns doze anos que ouvi essa palavra...

para lembrar

Lista de isentos do Vestibular 2013/2 da Unimontes é divulgada

Resultado do sistema de cotas também está disponível;...

Quando o racismo sai pela culatra, ou por que a esquerda deve rever posturas, por Joice Berth

O racismo, como bem frisou a escritora moçambicana Paulina...

Você Não Sabe O Que É Ser Preto – Elisa Fernandes

Você Não Sabe O Que É Ser Preto (Elisa...

Cearense é acusado de racismo contra a jornalista Maria Julia Coutinho

O acusado usou perfil falso no Facebook para fazer...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=