Tag: #memoriatemcor

Luana Barbosa dos Reis morreu após abordagem da PM em Ribeirão Preto (Foto: Reprodução/EPTV)

Negra, lésbica, periférica: morte de Luana Barbosa faz 5 anos sem resolução

No dia 13 de abril de 2016, em Ribeirão Preto (SP), morreu Luana Barbosa dos Reis, aos 34 anos. Negra, lésbica, periférica e mãe, sua imagem e seu nome viraram símbolo de mobilização social quase que instantaneamente. Isso porque, dias antes da data do falecimento, pessoas ligadas ao movimento negro e lésbico do estado de São Paulo passaram a conhecer aquela mulher até então anônima: em 8 de abril correu a notícia de que Luana havia sido espancada por policiais militares em uma abordagem. O motivo? Ela se recusou a ser revistada por agentes do sexo masculino, levantando a blusa para mostrar era mulher. A ativista Fernanda Gomes conta que soube da morte de Luana durante uma reunião de lésbicas negras que faziam parte da organização da Caminhada de Mulheres Lésbicas e Bissexuais de São Paulo. Nascia ali a Coletiva Luana Barbosa. "Durante uma reunião veio a notícia de que ...

Leia mais
Parem de nos matar (Portal Geledés)

Jovem negro é baleado na cabeça por PM à paisana em ida a mercado em SP

Um jovem negro com atraso intelectual foi baleado na cabeça por um policial militar à paisana enquanto estava a caminho de um mercado no Jardim Arantes, zona leste de São Paulo, onde compraria pão e leite na manhã desta quinta-feira (8), contam familiares. Segundo testemunhas, Thiago Aparecido Duarte de Souza, de 20 anos, foi atingido por um disparo à queima-roupa após dizer que estava desarmado e se negar a deitar no chão. Contudo o caso foi registrado na delegacia pelo próprio atirador, o cabo Dênis Augusto Soares, 37, que alegou legítima defesa ao dizer que a vítima tentou sacar um revólver calibre 38. Thiago está internado em estado grave no Hospital Geral de São Mateus sob custódia policial, já que foi preso sob a acusação de porte ilegal de arma de fogo. Uma arma foi apreendida e encaminhada ao 49º DP (São Mateus), que investiga o caso. Mas testemunhas negam ...

Leia mais
Manifestantes protestam em Minneapolis, no estado americano de Minnesota, contra a morte do cidadão negro Daunte Wright em 11 de abril — Foto: Nick Pfosi/Reuters

Manifestantes entram em confronto com a polícia nos EUA após morte de jovem negro

Manifestantes entraram em confronto com a polícia neste domingo (11) em Brooklyn Center, cidade próxima a Mineápolis, após um policial matar um homem negro durante uma abordagem. A morte de Daunte Wright, de 20 anos, ocorreu a cerca de 15 km de onde George Floyd foi morto, em maio do ano passado, também durante uma ação policial nos Estados Unidos (veja mais abaixo). A polícia do Brooklyn Center disse que os policiais pararam um homem devido a uma infração de trânsito, pouco antes das 14h, e descobriram que ele tinha um mandado de prisão em aberto. Enquanto a polícia tentava prendê-lo, ele entrou no veículo e um policial atirou, segundo a corporação. O motorista ainda dirigiu por vários quarteirões antes de atingir outro veículo e morrer no local. A versão da família é diferente. A namorada de Daunte diz que ele levou um tiro antes de voltar para o carro. ...

Leia mais

Família de George Floyd fecha acordo para receber R$ 150 milhões de indenização

A cidade norte-americana de Minneapolis concordou nesta sexta-feira (12) em pagar US$ 27 milhões (R$ 150 milhões) para encerrar um processo movido pela família de George Floyd por sua morte sob custódia policial. O caso que gerou protestos nos Estados Unidos contra injustiça racial e brutalidade policial. Floyd, um homem negro de 46 anos, morreu em maio do ano passado, quando Derek Chauvin, um policial branco de Mineápolis, ajoelhou-se em seu pescoço por quase nove minutos. Os últimos pedidos de ajuda de Floyd foram capturados em um vídeo amplamente assistido, dando início a um dos maiores movimentos de protesto já vistos nos Estados Unidos. O advogado da família Floyd, Benjamin Crump, disse que o acerto foi o maior acordo pré-julgamento de um processo por homicídio culposo na história do país. O tamanho significa que a morte de um negro nas mãos da polícia "não será mais considerada trivial, sem importância ou indigna ...

Leia mais
(crédito: Stephanie Keith/Getty Images/AFP)

Julgamento do policial acusado da morte de George Floyd começará na segunda

Nove meses depois da morte de George Floyd lançar uma nova luz sobre a questão racial nos Estados Unidos, o julgamento contra o policial branco acusado de assassiná-lo começa nesta segunda-feira. A seleção do júri começa segunda-feira em Minneapolis no caso contra Derek Chauvin, um ex-agente do Departamento de Polícia de Minnesota (MPD), que foi filmado pressionando o seu joelho no pescoço de Floyd por quase nove minutos enquanto o afroamericano detido, que estava algemado, lutava para respirar. As imagens chocantes da morte de Floyd, de 46 anos, em 25 de maio, geraram a onda de protestos "Black Lives Matter" contra a brutalidade policial e a injustiça racial nos Estados Unidos e em capitais ao redor do mundo. O caso de Chauvin promete ser inédito em muitos aspectos: contará com advogados famosos, será realizado sob forte segurança e será transmitido ao vivo. O escritório do Procurador-Geral do Estado de Minnesota ...

Leia mais
Monica Cunha (Arquivo Pessoal)

“Meu filho foi adolescente infrator, mas hoje vejo sua morte como racismo”

"Meus planos não eram envelhecer só com dois dos meus três filhos. Eu escolhi tê-los, fiz planos para cada um deles. Mas nós, negros e negras, não temos o direito de sonhar com o futuro dos nossos filhos, porque o plano é nos matar. Rafael, meu segundo filho, foi assassinado pela polícia no dia 5 de dezembro de 2006, com 20 anos, mas sua humanidade, afetos e perspectivas de futuro foram tirados pelo Estado seis anos antes, quando ele se tornou um adolescente autor de ato infracional, e lhe foram negados os direitos de recuperação. Lembro como se fosse ontem a primeira vez, em novembro de 2000, que recebi a ligação do policial para avisar que meu filho estava detido. Trabalhava como cozinheira em um restaurante, e eu estava no trabalho. No almoço, meu celular tocou e desliguei —estava certa de que era um trote. Na tentativa seguinte, atendi e ...

Leia mais
A técnica de enfermagem Luanna da Silva Pereira, 28, morta em operação da Polícia Civil no dia 4 de março - Reprodução/redes sociais

Operações policiais deixam ao menos nove mortos em três dias no Rio de Janeiro

Operações da Polícia Militar e da Polícia Civil do Rio de Janeiro realizadas entre quinta-feira (4) e sábado (6) resultaram em ao menos nove mortes, a despeito da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que restringiu as ações policiais no estado para casos excepcionais enquanto durar a pandemia da Covid-19. Especialistas em segurança pública e defensores dos direitos humanos alertam para o sistemático descumprimento da determinação do Supremo. O ministro Edson Fachin convocou para abril uma audiência pública para coletar informações e subsidiar o estado na formulação de um plano de redução da letalidade policial. Dados do ISP (Instituto de Segurança Pública) mostraram que o número de mortes por intervenção policial saltou de 79, em dezembro, para 149 em janeiro. Foi o maior índice registrado desde abril do ano passado, antes da decisão de Fachin de restringir as operações. Na quinta-feira (4), a técnica de enfermagem Luanna da Silva Pereira, ...

Leia mais
Parem de nos matar (Portal Geledés)

Pela afirmação da vida, pela liberdade e contra a brutalidade policial

NOTA EM APOIO AO GRUPO 13 DE AGOSTO - MÃES DE OSASCO E BARUERI, ÀS MÃES DE MAIO E AOS MOVIMENTOS CONTRA A VIOLÊNCIA DE ESTADO A seletividade racista do sistema de justiça criminal começa antes mesmo da abordagem policial, se estende por todos os atos do que se chama de “política de segurança pública” e se faz presente em todas as etapas de um processo penal, inclusive quando os alvos dessa seletividade são arrolados como “vítimas” no teatro macabro do tribunal do júri. Os processos criminais são procedimentos que chancelam uma verdade produzida a partir da ação policial. Todo julgamento é político! Entre os dias 22 e 26 de fevereiro de 2021, em meio a uma crise sanitário-securitária que já matou mais de 250 mil pessoas por Covid-19, ocorreu o julgamento de um policial militar e um guarda civil metropolitano de Barueri, acusados de participar da maior chacina da ...

Leia mais
"Justiça para Daniel Prude": protesto em Rochester em setembro de 2020 (Foto: Reuters/ L. DeDario)

EUA: agentes que asfixiaram homem negro nem serão julgados

A Justiça americana eximiu nesta terça-feira (23/02) a polícia de responsabilidade no caso de Daniel Prude, um homem negro que morreu uma semana depois de ser detido de forma violenta e perder a consciência em Rochester, no estado de Nova York. A prisão ocorreu em março passado, mas as imagens da detenção vieram a público apenas em setembro, gerando uma onda de protestos no estado de Nova York. Prude, de 41 anos, sofria de problemas de saúde mental. Ele visitava o irmão em março quando aparentemente teve um surto psicótico. Ele correu pela rua pelado e foi algemado pelos policiais. Em seguida, os policiais colocaram um capuz especial em sua cabeça, um dispositivo conhecido como spit hood e usado para evitar que os detidos cuspam ou mordam. Na época, o estado de Nova York estava no estágio inicial da epidemia de coronavírus O vídeo mostra um dos policiais segurando o capuz na cabeça ...

Leia mais
Geledés

Família diz que menino morto no Rio foi retirado da porta de casa pela PM

A família do adolescente Ray Pinto Faria, de 14 anos, encontrado morto ontem em um hospital do Rio com ao menos dois tiros, afirma que a criança foi retirada da porta de casa pela PM e morta em seguida. As armas dos policiais militares que participaram da ação foram apreendidas e passarão por perícia, segundo a Polícia Civil. Ray estava na frente da casa onde mora, no bairro do Campinho, na zona norte do Rio, jogando no aparelho celular, quando foi abordado. De acordo com uma tia do rapaz, que não terá o nome divulgado por questões de segurança, foram horas de buscas pela criança que foi encontrada morta no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, também na zona norte. No hospital, a família tomou conhecimento que Ray foi levado para a unidade de saúde juntamente com outras duas vítimas. De acordo com a tia, no hospital foi informado que o ...

Leia mais
Foto: Ari Melo/ TV Gazeta

Moradores carregam corpos e relatam danos psicológicos após ações da PM na Baixada Fluminense

Joana, 75, foi à rua resolver tarefas cotidianas, mas a violência que atravessa a vida na Baixada Fluminense a paralisou. Na praça, havia uma pilha de corpos, amarrados pelos pés. “Era como se fossem animais, parecia um monte de bicho”, contaria depois à filha, aos prantos. Naquela terça-feira, 12 de janeiro, a Polícia Militar do Rio de Janeiro afirmou ter encontrado oito corpos em Belford Roxo, cidade a cerca de 30km da capital, palco de disputas entre facções do tráfico de drogas e grupos milicianos. No dia anterior, teve início uma megaoperação da PM que, segundo moradores da região, avançou por fevereiro. A ação ocorre a despeito da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que restringiu as operações no estado durante a pandemia do novo coronavírus. Segundo a Polícia Militar, o objetivo é instalar um destacamento que contará com 125 agentes no Complexo do Roseiral, favela controlada pelo Comando Vermelho. A corporação diz que não teve responsabilidade ...

Leia mais
Manifestantes protestam em São Gonçalo, região metropolitana do Rio, contra assassinato de negros - Lucas Tavares-Folhapress

Deuses ateus: buscando reconstruir afeto numa sociedade que vê o homem negro como ameaça

“Deuses nascem todos os dias mesmo E os melhores têm a pele preta E são assassinados todos os dias pelos de pele clara Geralmente usando azul caneta Eu tenho muito amor pra dar e um filho pequeno Diz o que quer de mim Meu menino é um deus ateu Pois em algum momento vai duvidar de si” (Delacruz - Deuses Ateus) Eu aprendi a amar com um homem preto: o meu pai. E hoje perco noites de sono pensando na desumanização que nossa sociedade imprime em homens pretos. Nosso país não ama homens pretos. O Brasil não é um local seguro para homens pretos. Não é um lugar seguro para pessoas pretas. E por conta disso, hoje eu vou falar sobre contrassenso. Para uma pessoa que foi criada por um homem preto e entende isso como uma expressão de amor, não é fácil compreender uma sociedade que trata os ...

Leia mais
Arquivo Pessoal

Governo do Rio sanciona Lei Ágatha, que prioriza investigação de crimes contra crianças e adolescentes

O governo do Rio de Janeiro, de Cláudio Costa, sancionou, nesta quarta-feira, 13, a “Lei Ágatha”, que prioriza investigação de crimes contra crianças e adolescentes. A Lei 9.180/21 é de autoria das deputadas Dani Monteiro e Renata Souza, ambas do PSOL, e da deputada Martha Rocha, do PDT, e garante que crimes cometidos contra a vida de crianças e adolescentes tenham prioridade na investigação. A medida recebe o nome de Ágatha Vitória Sales Félix, uma menina de 8 anos, que foi baleada e morta, em 2019, durante operação policial no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. A nova norma estabelece que "os procedimentos investigatórios e as comunicações internas e externas referentes aos procedimentos investigatórios deverão conter o seguinte aviso escrito: 'Prioridade - Vítima Criança ou Adolescente'".   Fonte: Brasil 247

Leia mais
Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense — Foto: Reprodução/Redes Sociais DHBF

Oito corpos são encontrados em Belford Roxo, Baixada Fluminense

Os corpos de oito homens foram encontrados em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, segundo informou a Secretaria estadual de Polícia Militar nesta terça-feira (12). Em nota, a corporação informou que equipes do 39º Batalhão de Polícia Militar (Belford Roxo) foram acionadas nesta manhã para checar informações sobre três corpos na Avenida Joaquim da Costa Lima, no bairro Vila Pauline. Chegando lá, os PMs constataram que havia cadáveres no local. À tarde mais cinco corpos, também de homens, foram encontrados na Praça Santa Marta. Nos dois lugares os policiais isolaram a área e acionaram a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense.     Fonte: G1

Leia mais
Mãe de Emily Victoria Silva dos Santos, 4, fala durante protesto após morte da menina em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Nicola Pamplona/Folhapress

Por que matam os nossos pássaros negros?

É preciso que olhemos as crianças e jovens negros que tiveram as suas vidas destruídas, além das estatísticas, para nunca nos esquecermos das dignas trajetórias que tiveram. Trajetórias imensamente dignas. A dita “política de segurança pública” que enseja mortes no Brasil tem assassinado, sobretudo, os sonhadores, devastando os que sonhavam e sonham com eles. “Perder um filho é o inverso das coisas”, diz meu avô. E com ele aprendi: é o inverso porque as trajetórias se findam incompletas. E o final, na verdade, nunca é o final só para quem partiu. Porque, por trás de tantos sonhos interrompidos, havia tantos outros compartilhados. No país em que crianças e jovens são diariamente discriminados, violentados e mortos, é necessário falarmos das suas humanidades silenciadas. Eis aqui o Brasil das trajetórias que se perderam porque decidiu fazer do seu amanhã uma repetição inacabada do seu ontem e da violência travestida em “política de ...

Leia mais
Policiais atiram em Jacob Blake (Reprodução)

Promotoria não denunciará policial que atirou contra homem negro em Wisconsin

A promotoria de Kenosha, no estado americano de Wisconsin, anunciou que não denunciará o policial branco que atirou nas costas do homem negro Jacob Blake, 29, em agosto passado, um episódio que desencadeou grandes protestos de rua e inflamou as tensões raciais nos Estados Unidos. Um vídeo do caso, gravado em um celular, mostra o agente Rusten Sheskey atirar a queima-roupa nas costas de Blake sete vezes após a vítima abrir a porta de seu carro. Ele foi atingido quatro vezes e ficou paralisado da cintura para baixo. As autoridades afirmam que havia uma faca dentro do carro de Blake. O promotor distrital do condado de Kenosha, Michael Graveley, argumentou que o policial tinha direito à legítima defesa. O advogado de Blake, Ben Crump, disse que ele estava tentando interromper uma briga entre duas mulheres quando foi baleado na frente de três de seus filhos, de 3, 5 e 8 ...

Leia mais
Parem de nos matar (Portal Geledés)

Criança é morta por bala perdida na virada do ano no Rio Comprido

Uma menina de 5 anos morreu nesta sexta-feira (1º) após levar um tiro no pescoço durante a queima de fogos da virada do ano na Comunidade do Turano, no Rio Comprido. Alice Pamplona da Silva chegou a ser levada para o Hospital Casa de Portugal, mas não resistiu. Inicialmente, a suspeita era que a garota teria sido ferida por fogos de artifício, mas os médicos constataram que foi um tiro. De acordo com a Polícia Civil, o caso foi registrado na 6ª DP (Cidade Nova), que instaurou inquérito para apurar os fatos. Os pais já prestaram depoimento na unidade policial. Outras testemunhas seriam chamadas. O caso ficou a cargo da Delegacia de Homicídios da Capital, e as investigações continuam para identificar e esclarecer de onde partiu o tiro que atingiu a criança. Segundo a PMRJ, não houve operação policial na região, nem confronto armado envolvendo equipes policiais no momento do ...

Leia mais
Entregador de quentinhas, Tiago Gomes ganha cerca de R$ 1.200 por mês para criar três filhos - Tércio Teixeira/Folhapress

Foto em delegacia faz jovem negro ser acusado 9 vezes e preso duas por roubos que não cometeu

Quando foi fotografado na delegacia há quatro anos, Tiago Vianna Gomes, 28, não imaginou que aquele registro preto e branco iria parar em um álbum de suspeitos e lhe renderia nove processos judiciais e duas passagens pela prisão por roubos que não cometeu. O caso é emblemático das falhas graves da Polícia Civil, do Ministério Público e do Judiciário na investigação, denúncia e condenação de suspeitos com base em reconhecimento fotográfico. A insuficiência de prova foi o entendimento do ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Sebastião Reis Júnior, no dia 15 de dezembro, para absolver Tiago de uma condenação na primeira e segunda instâncias pelo roubo de uma moto em 2017. A vítima apontou que o assaltante era negro e tinha 1,65m de altura —Tiago tem 1,80m. No entanto, a desembargadora Rosa Helena Penna Macedo Guita julgou que a diferença de 15 centímetros "não é assim tão grande", chamou ...

Leia mais
Jhordan Natividade foi encontrado morto a 8 quilômetros de onde ele e Edson foram abordados por PMs (Foto: Reprodução)

Jovem morto após abordagem de PMs na Baixada foi executado com tiro no rosto

Uma análise preliminar feita pela Polícia Civil no local do crime constatou que um dos jovens mortos após uma abordagem policial em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, foi encontrado com duas perfurações na cabeça, mas que aparentam ser entrada e saída do mesmo disparo de arma de fogo. Jhordan Luiz de Oliveira Natividade, de 17 anos, tinha orifícios na sobrancelha e na nuca. Segundo Informação de investigação preliminar feita pela Delegacia de Homicídios (DH) da Baixada Fluminense, à qual O GLOBO teve acesso, a suspeita dos investigadores é de que o disparo tenha entrado pela parte da frente da cabeça e saído pela de trás. O documento aponta ainda que Edson de Souza Arguinez, de 20 anos, tinha três perfurações causadas por tiros, uma nas costas e duas na barriga. Nos casos de homicídio, peritos criminais comparecem ao local do fato ou do encontro dos cadáveres e fazem análises preliminares, ...

Leia mais
José Antonio Correa Francisco (Arquivo Pessoal)

Ruptura: antirracismo x banalização

“Não chego armado de verdades categóricas. Minha consciência não está permeada de fulgurações precípuas. No entanto, com toda a serenidade, acho que seria bom que certas coisas fossem ditas. Essas coisas, eu as direi, não as gritarei. Pois há muito o grito saiu da minha vida. E fez tão distante…” (Frantz Fanon) À Emily Victória Silva dos Santos (In memoriam) À Rebeca Beatriz Rodrigues dos Santos (In memoriam) Em 25.5.2020, em Minneapolis, Minnesota, EUA, George Perry Floyd Jr, negro, foi fria e covardemente assassinado por um policial branco, por suspeita de ter utilizado nota falsificada na aquisição de um produto. Por 11 vezes George disse “Eu não consigo respirar”, apelo dolosamente ignorado pelo policial branco. No dia seguinte ao assassinato de George, os jogadores da equipe do Milwaukee Bucks da NBA (liga profissional do basquetebol, nos EUA) se recusaram a entrar em quadra, boicote que foi seguido por outras equipes, jogadores, técnicos ...

Leia mais
Página 1 de 14 1 2 14

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist