Comunidade protesta contra chacina no Cabula, em Salvador. PM intimida

Manifestantes de movimentos sociais e moradores da comunidade caminharam até o local onde 12 rapazes foram mortos pela polícia. No trajeto, dor, choro e intimidações da Polícia Militar

Por Rafael Bonifácio e , do Ponte

Parecia uma marcha fúnebre. Mas era um ato de protesto dos moradores que vinham da Vila Moisés, no bairro Cabula, em Salvador, onde policiais militares mataram 12 pessoas, na sexta-feira, 06/02.

Eles traziam dor, medo e indignação contra a polícia que ainda tentou, segundo relatos dos manifestantes, impedir que participassem do ato, abordando-os e dizendo para que voltassem para suas casas.

Ações intimidadoras da PM aconteceram durante toda a caminhada, que partiu da entrada da UNEB (Universidade do Estado da Bahia) até o local das mortes. O ato ocorreu nesta quarta-feira, dia 11, às 14h.

Os policiais que acompanhavam o ato aceleravam suas motos em direção aos participantes, xingando-os de “vagabundas” e “viados”. De seu lado, manifestantes bradavam gritos de ordem, chamavam a polícia e o governador de racistas e pediam o fim da Polícia Militar.

“Eu defendo os humanos direitos. Vou pedir promoção para os policiais que participaram da ação por ato de bravura. Corroboro com o discurso do governador do estado, ação foi legítima.”
 Deputado Soldado Marcos Prisco (PSDB), vice-presidente da comissão de direitos humanos da Assembleia Legislativa da Bahia

“Achei estranho que a moto não estava mais ao lado, mas no meio dos manifestantes e começou a acelerar atrás de mim. Quando o policial passou do meu lado, me olhou e disse: O que você, tão branco, está fazendo aqui?”, relatou Alexandre Ciconello, assessor de direitos humanos da Anistia Internacional. “Esse mesmo policial ficou intimidando as outras pessoas, tanto verbalmente quanto com a moto”.

Durante o trajeto manifestantes foram xingados pelos policiais.  Foto: Rafael Bonifácio/ Ponte Jornalismo
Durante o trajeto manifestantes foram xingados pelos policiais. Foto: Rafael Bonifácio/ Ponte Jornalismo

Portando pistolas, os policiais saíam das suas viaturas com as armas em punho, enquanto outros gravavam vídeos dos manifestantes em seus celulares.

chacina_cabula_rafael_bonifacio-4-1024x684

O medo era tamanho que os moradores que participaram do ato, na grande maioria crianças e mulheres, não puderam ser filmados ou fotografados pela imprensa por determinação dos organizadores da manifestação, que temiam pela segurança deles.

Ja na segunda-feira, dia 9/2, segundo relatos de um morador que não será identificado por segurança, moradores foram reprimidos ao tentarem fechar a Estrada das Barreiras, via principal de acesso à comunidade, sofrendo ameaças e represálias dos PMs durante toda a noite.

“Eu defendo muito a vida dos meus policiais e isso é o que importa: a vida dos policiais e a vida da sociedade, que está sofrendo com essas ações delituosas.”
 Maurício Barbosa, secretário de Segurança Pública do Estado da Bahia

As janelas entreabertas das estreitas vielas da Vila Moisés guardavam aqueles que não se atreveram a expor a voz ou o rosto em apoio ao protesto. Tinham medo.

Nenhum morador comenta mais o caso. Ao chegar no campinho rodeado por um matagal onde a chacina ocorreu, ouvia-se o choro das mães e parentes por todos os cantos. Estavam inconformados de encontrar ainda no local, roupas perfuradas por tiros, chinelos e cápsulas de balas espalhadas pelo chão de areia. A existência de cápsulas no local indica que a perícia pode não ter sido feita corretamente. Todos os objetos de uma cena de crime devem ser levados e etiquetados, pois funcionam como prova numa investigação.

Cápsula .40, encontrada no chão do campinho. Foto: Rafael Bonifácio/Ponte Jornalismo
Cápsula .40, encontrada no chão do campinho. Foto: Rafael Bonifácio/Ponte Jornalismo

Foi a primeira vez que uma manifestação organizada pelo movimento Reaja ou Será Morto, Reaja ou Será Morta conseguiu chegar ao local das mortes. Um outro morador, que também não será identificado, questionou: “esse caminho que a gente fez [por vielas estreitas] foi o mesmo que eles [vítimas] fizeram com os PMs, se teve tiroteio, como que não tem marca de balas por lá, só aqui [no campinho]?”.

Ameaças

“Se alguém do Reaja morrer, se eu morrer, vocês já sabem o que aconteceu”, comentou Hamilton Borges Walê, coordenador do movimento Reaja ou Será Morto, Reaja ou Será Morta, sobre as ameaças de morte que vêm sofrendo constantemente. “Nós viemos fortalecer a comunidade que estava impedida de fazer manifestação, na segunda a polícia bateu, hoje tiveram só que acompanhar o ato”, acrescentou.

Manifestantes em direção à Vila Moisés. Foto: Rafael Bonifacio /Ponte Jornalismo
Manifestantes em direção à Vila Moisés. Foto: Rafael Bonifacio /Ponte Jornalismo

O movimento cobra uma retratação da fala do governador Rui Costa (PT), que comparou o caso com um jogo de futebol dizendo que a “morte nossa [negros] é um gol, praticamente dando uma carta aberta para os policiais saírem matando”, comentou Hamilton. Cobram ainda a garantia da proteção das testemunhas do caso, investigação e perícia independentes e que investiguem as ameaças que tanto os moradores quanto os membros da reaja vêm sofrendo.

“Nós defendemos, assim como um bom artilheiro, acertar mais do que errar. E vocês terão sempre um governador disposto a não medir esforços, a defender desde o praça ao oficial, a todos que agirem com a energia necessária, mas dentro da lei”
 Rui Costa, governador da Bahia (PT)

 

Chinelos, supostamente de uma das vítimas, encontrados no local dos assassinatos. Foto: Rafael Bonifácio /Ponte Jornalismo
Chinelos, supostamente de uma das vítimas, encontrados no local dos assassinatos. Foto: Rafael Bonifácio /Ponte Jornalismo

“Agora nós vamos continuar na comunidade, criar um memorial, fazer ações políticas e culturais, criar um espaço de fraternidade e solidariedade para que a comunidade não sofra mais com esses problemas“, disse Hamilton sobre a continuidade do caso.

Após o ato, todos andaram juntos, para que os moradores da comunidade voltassem para suas casas em segurança. Hamilton trocou sua camisa por uma pólo de outra cor e colocou um boné, para não ser tão facilmente reconhecido.

Ninguém foi embora desacompanhado. O medo, agora, é que durante os dias de carnaval a comunidade não tem tanta visibilidade, o que os deixa mais vulneráveis.

Outro lado

Em nota enviada por email à Ponte, a Polícia Militar da Bahia disse que repudia qualquer abordagem que não seja em conformidade com a legalidade. E que solicita “que reclamações e denúncias devam ser formalizadas através da Ouvidoria pelo telefone 0800284001, ou no site www.pm.ba.gov.br” para que os casos sejam investigados.
Quanto ao fato dos policiais estarem portanto apenas armas letais, respondeu que “é legitimo o porte de arma da Polícia Militar e que “a utilização acontece de acordo com a necessidade da ação, quando há risco contra a vida do policial ou do cidadão.” Também destacou que “durante a manifestação desta quarta-feira (11) não houve a utilização de armas letais.”

 

+ sobre o tema

Racismo reverso e impossibilidade jurídica segundo o Direito

É certo que muitos não sabem, mas Direito não...

Brasileiro manda carta de apoio a nazistas e eles respondem “não aceitamos latinos”

Brasileiro residente de Santa Catarina enviou carta de apoio...

Condenado por atear fogo em índio Galdino no DF tem posse na Polícia Civil barrada

Aprovado em concurso, ele foi reprovado na 'sindicância de...

Câmara aprova proposta que ratifica a Convenção Interamericana contra o Racismo

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (9) a...

para lembrar

A meritocracia é um mito que alimenta as desigualdades, diz Sidney Chalhoub

Para historiador da Unicamp e de Harvard, a Universidade...

“Só lamento que tenha sido em Manchester e não na Bahia”

Internautas denunciaram, na manhã desta terça-feira (23), o perfil...

Prendam esta mulher, por Juca Kfouri

Esta figura, com a mão na boca,  xingou o...

Redução da maioridade mostra incapacidade de proteção social

Reduzir a maioridade penal é reconhecer a incapacidade...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=