Condenado a 170 anos de prisão, homem consegue provar inocência: ‘Liberdade é poder recomeçar, poder lutar’

Enviado por / FonteG1, por Fantástico

Carlos Edmilson da Silva tinha sido condenado por uma série de estupros. Indiciado com base apenas em reconhecimento por foto, ele passou 12 anos preso injustamente.

STJ corrigiu um erro da justiça, e mandou libertar um homem inocente. Carlos Edmilson da Silva tinha sido condenado a 170 anos de prisão por uma série de estupros, na Grande São Paulo. A polícia indiciou Carlos, um homem negro, com base apenas em reconhecimento por foto – sem prova de DNA – ele passou 12 anos preso injustamente.

“Queria só abraçar minha mãe. Liberdade é poder recomeçar, poder lutar”, diz Carlos.

A história de Carlos Edmilson com a polícia começou em 2006, quando ele teve uma condenação por furto. Depois do furto, a foto de Edmilson passou a fazer parte do cadastro da polícia. Entre 2006 e 2007, quatro mulheres foram estupradas em Barueri, na Região Metropolitana de São Paulo. Edmilson estava livre quando investigadores apresentaram a foto dele às vítimas, e elas o reconheceram como autor dos estupros.

Ele ficou três anos preso até que exames de DNA provaram que ele não era o verdadeiro criminoso. Mas a foto dele continuava no cadastro da Polícia Civil. Para a polícia, Edmilson era o “maníaco” que havia estuprado mulheres em Barueri e na cidade vizinha Osasco, entre 2010 e 2012.

“A grande maioria dos reconhecimentos começou com a apresentação para essas vítimas de uma única foto de um único rapaz, que no caso era o Carlos Edmilson. No momento em que uma vítima é confrontada com uma única foto, em uma circunstância em que quem mostra a foto já dá a entender que aquela é a pessoa, a chance da vítima acreditar que está diante do agressor dela é muito grande, e foi o que aconteceu”, Flávia Raal – Advogada e Diretora Fundadora Do Innocence Project Brasil.

Com base principalmente nesta única foto, 12 promotores apresentaram as denúncias. Seis juízes julgaram os casos. E condenaram Edmilson a 170 anos por 12 estupros. Ele passou por pelo menos quatro cadeias diferentes em São Paulo.

Por 12 anos, a artesã Ana Maria da Silva visitou o filho, Edmilson, mês a mês.

“Enquanto eu puder vir, eu venho. Eu nunca perdi a fé. De madrugada tinha vezes que eu chorava. Passei a tomar, beber cachaça, de desgosto”, conta.

Na terça-feira (14), o Superior Tribunal de Justiça determinou que Edmilson fosse solto e inocentado de todas as acusações.

+ sobre o tema

Coalizão Negra por Direitos denuncia racismo e a violência policial nas Américas

HOJE, dia 09/12, às 16h, a @coalizaonegrapordireitos estará ao...

Eles são os famosos vítimas de racismo

Ela é a cantora pop do momento e considerada...

para lembrar

spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=