sexta-feira, fevereiro 3, 2023
InícioQuestões de GêneroLGBTQIA+Congresso dos EUA bate recorde de representatividade LGBT

Congresso dos EUA bate recorde de representatividade LGBT

Na 118ª legislatura, 13 dos 534 congressistas são lésbicas, gays ou bissexuais; levantamento é do Pew Research Center

Dos 534 integrantes votantes do 118º Congresso dos Estados Unidos, 13 se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais. Este é o maior número público da história do país.

Embora pequeno, o número de legisladores com essas orientações sexuais no Congresso aumentou constantemente na última década. O levantamento foi feito pelo Pew Research Center. 

Aumento de congressistas lésbicas, gays ou bissexuais na história dos EUA (Foto: Poder360)

Dois senadores e 11 deputados se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais, de acordo com uma análise da organização das biografias oficiais dos legisladores, sites de campanha e reportagens. O Congresso anterior (2020-2022) incluiu um total de 11 legisladores dessas orientações.

O número de integrantes lésbicas, gays ou bissexuais do Congresso norte-americano mais do que triplicou nos últimos anos. No 112º Congresso, de 2011 a 2013, só 4 integrantes –todos deputados– identificaram-se como gays ou lésbicas (e nenhum como bissexual), segundo dados do Victory Fund (Fundo da Vitória, em tradução livre), comitê de ação política que trabalha para eleger políticos LGBTQ+.

No atual Senado dos EUA, a democrata Tammy Baldwin, do Estado de Wisconsin, tornou-se a 1ª pessoa abertamente lésbica, gay ou bissexual a servir na Câmara quando foi eleita em 2012. Já Kyrsten Sinema, uma independente do Arizona, é a 1ª pessoa abertamente bissexual a servir em qualquer uma das Casas legislativas norte-americanas. 

Na Câmara dos Deputados, todos menos 1 dos 11 representantes abertamente gays ou lésbicas são democratas. A exceção é o republicano George Santos, de Nova York, que nas eleições de meio de mandato de 2022 se tornou o 1º republicano abertamente gay e não titular a vencer uma eleição para o Congresso norte-americano. No entanto, aspectos-chave da biografia de Santos foram questionados depois da eleição.

Integrantes do 118º Congresso norte-americano inclui vários novos eleitos gays, lésbicas ou bissexuais (Foto: Poder360)

Dentre os 11 representantes abertamente gays ou lésbicas na Câmara, 7 são integrantes que retornaram ao Congresso em 2022. Já os 4 recém-eleitos incluem: Santos e os democratas Robert Garcia –o 1º imigrante abertamente gay eleito para o Congresso–, Eric Sorensen –o 1º congressista gay a representar o Estado de Illinois– e Becca Balint  –a 1ª mulher e a 1ª pes

Apesar do aumento constante na representação no Capitólio, o Congresso norte-americano, este grupo permanece sub-representado em comparação com a população dos EUA como um todo. Os 13 congressistas lésbicas, gays ou bissexuais representam 2% dos 534 legisladores votantes em 3 de janeiro de 2023. Os norte-americanos com essas orientações sexuais representam 6,5% da população adulta do país, de acordo com uma pesquisa Gallup de 2021. 

A diversidade recorde do Congresso dos Estados Unidos em relação à orientação sexual acompanha vários outros marcos na liderança política LGBTQ+ no país. Nas eleições de meio de mandato, realizadas em novembro de 2022, Maura Healey, de Massachusetts, e Tina Kotek, de Oregon, tornaram-se as primeiras governadoras abertamente lésbicas da história dos Estados Unidos.

Além disso, várias legislaturas estaduais agora incluem legisladores transgêneros ou não-binários pela 1ª vez, incluindo New Hampshire, que se tornou o 1º Estado norte-americano a eleger um homem transgênero para sua legislatura estadual.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench