Congresso dos EUA bate recorde de representatividade LGBT

Enviado por / FontePor Poder360, Do Poder360

Na 118ª legislatura, 13 dos 534 congressistas são lésbicas, gays ou bissexuais; levantamento é do Pew Research Center

Dos 534 integrantes votantes do 118º Congresso dos Estados Unidos, 13 se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais. Este é o maior número público da história do país.

Embora pequeno, o número de legisladores com essas orientações sexuais no Congresso aumentou constantemente na última década. O levantamento foi feito pelo Pew Research Center. 

Aumento de congressistas lésbicas, gays ou bissexuais na história dos EUA (Foto: Poder360)

Dois senadores e 11 deputados se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais, de acordo com uma análise da organização das biografias oficiais dos legisladores, sites de campanha e reportagens. O Congresso anterior (2020-2022) incluiu um total de 11 legisladores dessas orientações.

O número de integrantes lésbicas, gays ou bissexuais do Congresso norte-americano mais do que triplicou nos últimos anos. No 112º Congresso, de 2011 a 2013, só 4 integrantes –todos deputados– identificaram-se como gays ou lésbicas (e nenhum como bissexual), segundo dados do Victory Fund (Fundo da Vitória, em tradução livre), comitê de ação política que trabalha para eleger políticos LGBTQ+.

No atual Senado dos EUA, a democrata Tammy Baldwin, do Estado de Wisconsin, tornou-se a 1ª pessoa abertamente lésbica, gay ou bissexual a servir na Câmara quando foi eleita em 2012. Já Kyrsten Sinema, uma independente do Arizona, é a 1ª pessoa abertamente bissexual a servir em qualquer uma das Casas legislativas norte-americanas. 

Na Câmara dos Deputados, todos menos 1 dos 11 representantes abertamente gays ou lésbicas são democratas. A exceção é o republicano George Santos, de Nova York, que nas eleições de meio de mandato de 2022 se tornou o 1º republicano abertamente gay e não titular a vencer uma eleição para o Congresso norte-americano. No entanto, aspectos-chave da biografia de Santos foram questionados depois da eleição.

Integrantes do 118º Congresso norte-americano inclui vários novos eleitos gays, lésbicas ou bissexuais (Foto: Poder360)

Dentre os 11 representantes abertamente gays ou lésbicas na Câmara, 7 são integrantes que retornaram ao Congresso em 2022. Já os 4 recém-eleitos incluem: Santos e os democratas Robert Garcia –o 1º imigrante abertamente gay eleito para o Congresso–, Eric Sorensen –o 1º congressista gay a representar o Estado de Illinois– e Becca Balint  –a 1ª mulher e a 1ª pes

Apesar do aumento constante na representação no Capitólio, o Congresso norte-americano, este grupo permanece sub-representado em comparação com a população dos EUA como um todo. Os 13 congressistas lésbicas, gays ou bissexuais representam 2% dos 534 legisladores votantes em 3 de janeiro de 2023. Os norte-americanos com essas orientações sexuais representam 6,5% da população adulta do país, de acordo com uma pesquisa Gallup de 2021. 

A diversidade recorde do Congresso dos Estados Unidos em relação à orientação sexual acompanha vários outros marcos na liderança política LGBTQ+ no país. Nas eleições de meio de mandato, realizadas em novembro de 2022, Maura Healey, de Massachusetts, e Tina Kotek, de Oregon, tornaram-se as primeiras governadoras abertamente lésbicas da história dos Estados Unidos.

Além disso, várias legislaturas estaduais agora incluem legisladores transgêneros ou não-binários pela 1ª vez, incluindo New Hampshire, que se tornou o 1º Estado norte-americano a eleger um homem transgênero para sua legislatura estadual.

+ sobre o tema

Mulheres debatem alternativas para a crise política no livro “Tem Saída?”

Obra reúne ensaios de políticas e intelectuais sobre neoliberalismo,...

Jovem é agredida na Bahia por ‘ter cara de sapatão’

“Quando ele me forçou no muro e me deu...

Jean Wyllys: ‘Dilma se precipitou’, diz deputado sobre suspensão de kit contra homofobia

Jean Wyllys (PSOL) diz que bancada evangélica teve reação...

Mulheres negras são hoje maior grupo nas universidades públicas do país

Discriminadas no mercado de trabalho, as mulheres negras tiveram uma série de...

para lembrar

Presos que menstruam: Descubra como é a vida das mulheres nas penitenciárias brasileiras

O sistema carcerário brasileiro trata as mulheres exatamente como...

Entrevista – LUIZA BAIRROS: Agora, Ministra

Luiza Bairros, de 57 anos, é gaúcha de porto...

Sem luz no fim do túnel, por Sueli Caneiro

Parlamentares envolvidos em corrupção empenham-se na salvação do mandato,...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=