Congresso dos EUA bate recorde de representatividade LGBT

Enviado por / FontePor Poder360, Do Poder360

Na 118ª legislatura, 13 dos 534 congressistas são lésbicas, gays ou bissexuais; levantamento é do Pew Research Center

Dos 534 integrantes votantes do 118º Congresso dos Estados Unidos, 13 se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais. Este é o maior número público da história do país.

Embora pequeno, o número de legisladores com essas orientações sexuais no Congresso aumentou constantemente na última década. O levantamento foi feito pelo Pew Research Center. 

Aumento de congressistas lésbicas, gays ou bissexuais na história dos EUA (Foto: Poder360)

Dois senadores e 11 deputados se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais, de acordo com uma análise da organização das biografias oficiais dos legisladores, sites de campanha e reportagens. O Congresso anterior (2020-2022) incluiu um total de 11 legisladores dessas orientações.

O número de integrantes lésbicas, gays ou bissexuais do Congresso norte-americano mais do que triplicou nos últimos anos. No 112º Congresso, de 2011 a 2013, só 4 integrantes –todos deputados– identificaram-se como gays ou lésbicas (e nenhum como bissexual), segundo dados do Victory Fund (Fundo da Vitória, em tradução livre), comitê de ação política que trabalha para eleger políticos LGBTQ+.

No atual Senado dos EUA, a democrata Tammy Baldwin, do Estado de Wisconsin, tornou-se a 1ª pessoa abertamente lésbica, gay ou bissexual a servir na Câmara quando foi eleita em 2012. Já Kyrsten Sinema, uma independente do Arizona, é a 1ª pessoa abertamente bissexual a servir em qualquer uma das Casas legislativas norte-americanas. 

Na Câmara dos Deputados, todos menos 1 dos 11 representantes abertamente gays ou lésbicas são democratas. A exceção é o republicano George Santos, de Nova York, que nas eleições de meio de mandato de 2022 se tornou o 1º republicano abertamente gay e não titular a vencer uma eleição para o Congresso norte-americano. No entanto, aspectos-chave da biografia de Santos foram questionados depois da eleição.

Integrantes do 118º Congresso norte-americano inclui vários novos eleitos gays, lésbicas ou bissexuais (Foto: Poder360)

Dentre os 11 representantes abertamente gays ou lésbicas na Câmara, 7 são integrantes que retornaram ao Congresso em 2022. Já os 4 recém-eleitos incluem: Santos e os democratas Robert Garcia –o 1º imigrante abertamente gay eleito para o Congresso–, Eric Sorensen –o 1º congressista gay a representar o Estado de Illinois– e Becca Balint  –a 1ª mulher e a 1ª pes

Apesar do aumento constante na representação no Capitólio, o Congresso norte-americano, este grupo permanece sub-representado em comparação com a população dos EUA como um todo. Os 13 congressistas lésbicas, gays ou bissexuais representam 2% dos 534 legisladores votantes em 3 de janeiro de 2023. Os norte-americanos com essas orientações sexuais representam 6,5% da população adulta do país, de acordo com uma pesquisa Gallup de 2021. 

A diversidade recorde do Congresso dos Estados Unidos em relação à orientação sexual acompanha vários outros marcos na liderança política LGBTQ+ no país. Nas eleições de meio de mandato, realizadas em novembro de 2022, Maura Healey, de Massachusetts, e Tina Kotek, de Oregon, tornaram-se as primeiras governadoras abertamente lésbicas da história dos Estados Unidos.

Além disso, várias legislaturas estaduais agora incluem legisladores transgêneros ou não-binários pela 1ª vez, incluindo New Hampshire, que se tornou o 1º Estado norte-americano a eleger um homem transgênero para sua legislatura estadual.

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Expulso de casa por ser gay, jovem divulga vídeo de briga com os pais

Pais evocam argumentos bíblicos para dizer que filho gay...

para lembrar

O pessoal é político… mas, pera lá! – Por: Camilla de Magalhães Gomes.

Nos últimos dias andei tendo várias conversas online sobre...

Iniciativas dentro e fora dos partidos buscam fortalecer candidaturas negras

A onda de protestos antirracistas que se espalhou por...

Em defesa da vida e dos direitos políticos de mulheres negras LGBTQIA+

O ano legislativo mal teve início e alguns dias...

Ex-ministros se unem contra Bolsonaro para denunciar ameaça de golpe

Eles são de diferentes ideologias, de diferentes partidos. Trazem...
spot_imgspot_img

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como líder da bancada da federação PSOL-Rede, que hoje conta com 14 deputados, se tornando a...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...

Mais um ataque à democracia

Semana passada tirei da estante e reli trechos do livro "Como as Democracias Morrem", de Steven Levitsky e Daniel Ziblatt. Tentava entender melhor o...
-+=