Contra o racismo, político veste a camisa de Boateng

Na semana passada, o racismo deu as caras publicamente, através de um político de extrema-direita daAlemanha do qual é preciso fazer um esforço gigantesco e emburrecer muito para tentar compreender sua fraca, tendenciosa e viciada linha de raciocínio (se é que podemos dizer que ele raciocina). E sua agressão foi contra um jogador do Bayern: Jerome Boateng.

Por Bruno Secco Do Uol

“Para as pessoas, parece ser um bom jogador, mas eles não querem um Boateng como vizinho”.

Ainda que tentasse disfarçar, a frase de Alexander Gauland, parlamentar do Alternative für Deutschland(AfD), ganhou ampla repercussão negativa ao redor do mundo – com toda a razão. Foram poucas, mas sucintas palavras, que deixaram claro seu posicionamento e a forma como enxerga negros e também quem julga ser “diferente” dele – neste contexto entram também turcos e refugiados, dos quais ele também já manifestou repúdio e total falta de suporte.

É praticamente impossível você tentar mostrar não somente para ele, mas também para outros tantos “Gaulands” que vivem por aí, que esse pensamento é errado, retrógrado e totalmente incompatível – no caso do racista, com a idade que tem, creio que o caso seja completamente irreversível.

Atitudes visando combater este tipo de pensamento, no entanto, são mais do que bem-vindas. E Sven Petke, do Christlich Demokratische Union Deutschlands (CDU, partido da chanceler Angela Merkel), deu nesta quarta-feira (8) um exemplo gigantesco de como isso pode ser feito: foi trabalhar com a camisa 17 de Jerome Boateng, da Seleção Alemã.

Pode parecer algo pequeno, mas simboliza uma mensagem gigantesca. Seu gesto representa aconvivência, a igualdade, a aceitação (queira o racista ou não). Representa apoio ao zagueiro agredido e tantos outros que sofrem diariamente com este mal. Um verdadeiro tapa na cara de Gauland e de todos os racistas.

Sabe o que é mais legal dessa atitude? Sua origem. É que a ideia desse protesto partiu de um dos três filhos de Petke, que torce para o Bayern e tem apenas 9 anos. Gauland tem 75. São 66 anos de diferença. 66 anos que, sem dúvidas, dão uma grande mostra de que ter consciência não depende de idade.

+ sobre o tema

SP: região metropolitana registrou mais de 820 chacinas em 40 anos

A cada ano, pelo menos 20 chacinas ou ocorrências...

Aquele que não pode errar

Gosto da arte porque ela tem um poder sobrenatural...

ONU vai investigar violência contra africanos e afrodescendentes no Brasil

O Emler (Mecanismo Internacional Independente das Nações Unidas para Promover a...

para lembrar

Racismo nas abordagens é marca da PM, diz major negro

S. Paulo - Na contramão do comandante...

Parace elogio, mas é racismo

"Não é elogio": celebridades negras falam sobre preconceito velado na...

Após apontar racismo em prova, ex-aluna da UFF é denunciada à Justiça

Quatro anos após denunciar por racismo uma professora do...
spot_imgspot_img

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...

‘Moro num país racista’, diz empresário que encerrou contrato de R$ 1 mi por ser chamado de ‘negão’

Nem o ambiente formal de uma reunião de negócios foi capaz de inibir uma fala ofensiva, de acordo com Juliano Pereira dos Santos, diretor...
-+=