CPI da Violência Contra Jovens Negros ouve diretor da Anistia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Violência Contra Jovens Negros e Pobres ouve nesta manhã (16) o diretor-executivo da Anistia Internacional, Átila Roque, e o representante da Justiça Global, Hamilton Borges. Nesta semana, em audiência na CPI, o pesquisador do Ipea Antonio Teixeira de Lima disse que o Estado brasileiro conduz uma “máquina de morte em massa” e que uma raça inteira está sendo dizimada

No Brasil 247

CPI da Violência Contra Jovens Negros ouve diretor da Anistia Internacional

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Violência Contra Jovens Negros e Pobres ouve daqui a pouco o diretor-executivo da Anistia Internacional, Átila Roque, e o representante da Justiça Global, Hamilton Borges.

No fim do ano passado, a Anistia Internacional lançou uma campanha chamada “Jovem Negro Vivo” para alertar as pessoas sobre o homicídio de jovens negros no País. A campanha usa os dados do Mapa da Violência.

O estudo mostra que os homicídios são hoje a principal causa de morte de jovens de 15 a 29 anos no Brasil, e atingem especialmente jovens negros do sexo masculino, moradores das periferias e áreas metropolitanas dos centros urbanos.

Em 2012, dos 56.337 mortos por homicídios, no Brasil, 53,37% eram jovens. Destes, 77% eram negros (assim considerados a soma de pretos e pardos) e 93,3% eram homens.

O Mapa da Violência 2014 mostra também que, de 2002 a 2012, o número de homicídios de jovens brancos caiu 32,3%, e de jovens negros aumentou 32,4%. Um estudo do Observatório de Favelas corrobora esses números.

“O Observatório de Favelas e do Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, conjuntamente com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, produziram o estudo denominado Índice de Homicídios na Adolescência, que aponta um crescimento na estimativa de homicídios das pessoas de 12 a 18 anos no Brasil”, explica a deputada Rosângela Gomes (PRB-RJ), que pediu o debate.

De acordo com o estudo do Observatório, 3,32 jovens a cada grupo de mil correm o risco de serem assassinados antes do 19 anos, no período de 2013 a 2019.

A audiência desta manhã será realizada no plenário 14.


“Máquina de morte”

Nesta semana, em audiência na CPI, o pesquisador da área de Igualdade de Gênero e Raça da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do Ipea, Antonio Teixeira de Lima, disse que o Estado brasileiro conduz uma “máquina de morte em massa” e que uma raça inteira está sendo dizimada.

O Ipea estima que as mortes violentas no País fazem mais de 60 vítimas, por ano. De acordo com o Mapa da Violência (2002-2012), elaborado pelo instituto, houve redução significativa da taxa de homicídios entre os brancos, enquanto entre os negros o índice aumentou.

Neste período de 10 anos, morreram 70% mais negros que brancos.

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

Em São Paulo, PM assassinou 338 pessoas em oito meses

O mês de agosto foi o mais violento, com...

Marcha denuncia o descaso com o extermínio da juventude negra

Em sua 5ª edição, ato que será realizado nesta...

Plano de Prevenção à Violência Contra a Juventude Negra

Sob a coordenação geral da Secretaria Nacional de Juventude...
spot_imgspot_img

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Pacto em torno do Império da Lei

Uma policial militar assiste, absolutamente passiva, a um homem armado (depois identificado como investigador) perseguir e ameaçar um jovem negro na saída de uma...

Anistia Internacional lança campanha Escreva por Direitos, no Rio

A organização não governamental (ONG) Anistia Internacional Brasil lançou neste domingo (29) a campanha Escreva por Direitos, no Festival Mulheres do Mundo - WOW...
-+=