Cracolândia em SP é algo “aterrador” para a humanidade, diz comissão da OEA

Integrantes da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA (Organização dos Estados Americanos) realizaram uma inspeção na região da Cracolândia, na manhã desta quarta-feira (7), no centro de São Paulo. Membros do grupo que participaram do evento afirmaram ter encontrado uma série de violações aos direitos e à dignidade humana e classificaram a situação dos usuários como “aterradora” e disseram ser um “problema de saúde pública”.

por Janaina Garcia no UOL 

Integrantes de comissão e membros de movimentos sociais visitam região da Cracolândia, em São Paulo. – Janaina Garcia:UOL

“São pessoas que estão em condições de desumanização, sem dignidade, sem moradia, sem saúde, educação e sem o reconhecimento de suas condições de titulares de direitos humanos — que são para todas as pessoas”, apontou a vice-presidente da comissão, a panamenha Esmeralda Arosemena. “Para nós, humanidade, é algo aterrador o que ocorre aqui.”

A visita integra uma série de agendas da OEA, em oito cidades de diferentes estados brasileiros, além do Distrito Federal, desde a última segunda (5) até o próximo dia 12.

De acordo com a vice-presidente da comissão, visitas como a de hoje se somarão a agendas do grupo com autoridades brasileiras — no caso de São Paulo, por exemplo, com o governador Márcio França (PSB) e o prefeito Bruno Covas (PSDB). Após os trabalhos, a organização emitirá recomendações ao Brasil em entrevista no próximo dia 12.Na Cracolândia, os integrantes da delegação conversaram com usuários do chamado fluxo e também com trabalhadores dos equipamentos públicos de atendimento. Em uma das estruturas, por exemplo, a do Atende (da Prefeitura; sede do antigo “De Braços Abertos”), usuários enrolados em cobertores se amontoavam próximo a poças de água acumuladas após a chuva. Do lado de fora, predominam o consumo de crack, as condições precárias de higiene e a troca de mercadorias (de celulares a cosméticos) por droga.

Para a comissão, as autoridades precisam “dar respostas” capazes de ir além de abrigo e alimentação. “Eles [os usuários] apontam que um prato de comida não resolve. Dignidade humana implica também em saúde, moradia, educação. E se queixam ainda de não ter sequer seu direito de se mover ou sua liberdade de andar garantido, um direito fundamental”, completou. “Não há, agora, na minha opinião, a satisfação de nenhum direito”, disse Esmeralda.

Particularmente a esta população mais excluída, como a que vimos hoje, é preciso que se a trate como assunto de saúde pública

Esmeralda Arosemena, vice-presidente de comissão da OEA

De acordo com ela, a organização buscará “abrir canais de diálogo” com o governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Isso ainda não foi buscado, admitiu, por conta da proximidade com a eleição do segundo turno, no último dia 28, e os trabalhos pela missão no Brasil.

A vice-presidente da comissão negou que a defesa dos direitos humanos seja ligada a governos de esquerda. “Os direitos humanos são de todos. Isso não tem uma linha ou outra. Falar de direitos humanos para a comissão é falar para todos — e nossa responsabilidade é promover um diálogo com o Estado, estabelecer com o novo governo canais de comunicação que nos permitam expressar esse pensamento”, explicou. “A riqueza da humanidade é sua diversidade, e essa diversidade é que nos faz mundo, terra, povos”, concluiu.

Visita está agendada desde janeiro, diz governo

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores informou que a visita da comissão da OEA ao Brasil, agendada desde janeiro deste ano, se dá “em atenção a convite do Governo brasileiro estendido em 2017” e “no contexto do engajamento do Brasil com a promoção e proteção dos direitos humanos no país”.

Com sede em Washington, a CIDH tem como função promover a observância e a defesa dos direitos humanos no continente americano. O grupo tem competência para formular recomendações aos estados membros da OEA e solicitar informações em matéria de direitos humanos. Compõe-se de sete membros eleitos, a título pessoal, pela Assembleia Geral da OEA.

+ sobre o tema

Após 3 meses, Anvisa decide que uso de máscaras volta a ser obrigatório em aeroportos e aviões no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu nesta...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Morre médico cubano que participava do Mais Médicos

    O médico foi diagnosticado com câncer no pâncreas após...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

para lembrar

Mortes violentas crescem no Nordeste

A proporção de mortes violentas no Brasil apresentou uma...

Anistia Internacional quer mundo de olho no Brasil em protestos durante Copa

Jefferson Puff A Anistia Internacional lançou nesta quinta-feira uma campanha...

Direitos Humanos para bandido?

A Justiça e o Estado devem garantir os direitos...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...

Caixa paga novo Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4

A Caixa Econômica Federal paga nesta terça-feira (23) a parcela de janeiro do novo Bolsa Família aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS)...
-+=