Cresce o número de evangélicas que aderem ao feminismo

“Submissão das mulheres não é ordem de Deus. Todas as interpretações que colocam as mulheres nesse papel são tendenciosas e manipuladas”, defende pastora.

por Cristiano Medeiros, do Gospel Prime

Ser feminista e evangélica parece uma ideologia contrária. Mas para recentes grupos de mulheres cristãs isso é possível. Elas estão aderindo ao feminismo e questionando a interpretação bíblica.

A socióloga e feminista Camila Galetti, filha e sobrinha de pastor, observou que as pessoas, de ambos os lados, ainda se incomodam com a associação dos dois mundos. “No ambiente acadêmico eu sou aceita até o momento que digo que não sou ateia. Isso só é esquecido no decorrer da minha militância. Na igreja há o estranhamento, mas também a curiosidade”, considerou.

O tema ‘mulher’ nas igrejas não cresce porque não há espaço para elas tomarem decisões juntamente com as lideranças. “Existe muita resistência em aceitar mulheres ordenadas, mesmo nas congregações que já permitem isso”, complementou a teóloga Romi Márcia Bencke, que também é pastora e mestre em ciências da religião.

Márcia acredita que o preconceito não é só na sociedade. “Da mesma forma que somos excluídas da sociedade, também estamos fora das principais rodas da igreja”.

De acordo com a mestra em ciências da religião, a submissão e obediência ao homem encontrada na Bíblia sempre foi interpretada de forma equivocada. “Assim como hoje, nos tempos bíblicos também se justificava a submissão das mulheres com o argumento de que era ordem de Deus. Não é. Todas as interpretações que colocam as mulheres nesse papel são tendenciosas e manipuladas”, defendeu.

Valéria Vilhena, teóloga e evangélica, disse que a teologia moderna evidencia a criação da narrativa bíblica em contextos e períodos distintos. “A Bíblia não deve ser entendida como a voz de Deus, mas sim como a memória de um povo”, contestou.

A teóloga considerou o feminismo como uma forma de luta política e que a Bíblia sempre defendeu essas questões, pelos mais pobres, pelos injustiçados. “Diferenças biológicas não podem justificar injustiças, violências e desigualdades de oportunidades. Tampouco a Bíblia pode ser base para isso”.

“São muitos os textos do Evangelho em que Jesus se dirige às mulheres de igual para igual. Muitas exerciam protagonismo no movimento de Jesus, como Maria Madalena”, apresentou a pastora Romi.

Para ela, a postura de Jesus em relação às mulheres era de igualdade e não há nenhum tipo de negativa para a participação feminina em seu movimento. “Basta ver a história da crucificação. As únicas que correm o risco de ficar junto à cruz são as mulheres. Também são elas as primeiras testemunhas da ressurreição”, encerrou. Com informações de Metrópoles

+ sobre o tema

Nota de preocupação e repúdio

Carta Aberta à Drª Gilda Carvalho Ministério Público Federal NOTA DE...

Dia de Luta pela Saúde da Mulher e de Redução da Morte Materna

A deputada Inês Pandeló, Presidente da Comissão de Defesa...

para lembrar

Sessão extraordinária na Câmara vai colocar em votação 7 projetos de Marielle

Na próxima quarta-feira (2) será realizada uma sessão extraordinária...

Mulheres ainda se dividem entre a casa e o trabalho, aponta o IBGE

Mesmo cada vez mais inseridas no mercado de trabalho,...

#GeledésnoDebate: “Não houve respaldo legal para a esterilização de Janaína”

#SomostodasJanaína# Por Kátia Mello Janaína Aparecida Quirino, 36 anos, moradora em...

Mulheres agredidas por PM serão indenizadas no Rio

Ele as xingou, atacou com cabo de vassoura e...
spot_imgspot_img

Medo de gênero afeta de conservadores a feministas, afirma Judith Butler

A primeira coisa que fiz ao ler o novo livro de Judith Butler, "Quem Tem Medo de Gênero?", foi procurar a palavra "fantasma", que aparece 41...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...
-+=