Cristo Redentor com camisa da Itália é melhor que ausência de Estado laico, por Leonardo Sakamoto

Por CombateRacismoAmbiental

Blog do Sakamoto

A Arquidiocese do Rio de Janeiro está pedindo uma indenização que pode chegar a R$ 21 milhões a uma rede de televisão italiana que vestiu a estátua do Cristo Redentor com uma camisa da seleção italiana de futebol em um filmete para divulgar sua programação para a Copa, segundo o jornal O Globo. A razão seria desrespeito religioso e exploração ilícita de imagem.

É tão pitoresca a sandice que estou torcendo para a notícia ser um grande mal entendido. Mas a notícia serve de base para uma discussão de fundo.

Como já disse aqui, achei um tremendo exagero a eleição da estátua de gosto estilístico duvidoso como uma das sete novas maravilhas do mundo – concurso realizado por uma fundação suíça, que também elegeu o Taj Mahal (!), o Coliseu (!!) e Machu Picchu (!!!), entre outros monumentos históricos. Perceberam a desproporcionalidade histórica e a paulada no significado da palavra “maravilha”?

Maravilha é a vista lá de cima, mas enfim.

Em um país de maioria católica (não praticante e que apela para todas as forças do universo em um sincretismo fascinante nos momentos de dificuldade), a estátua, que fica sob os cuidados da Arquidiocese do Rio de Janeiro, tem sua importância. Se aquela referência faz bem à grande maioria das pessoas e não ofende uma minoria, não há problema. Na minha opinião, a estátua não é diferente de uma igreja no alto do Corcovado.

O difícil não é ter que conviver com um símbolo de uma crença que não é a sua na rua – a isso damos o nome de tolerância, que deveria ser melhor cultivada por estas bandas, o que protegeria o direito de culto em igrejas, templos e terreiros.

O ruim é saber que a presença desses símbolos em prédios que pertencem ao poder público mostram que a saudável e necessária separação entre fé e Estado não ocorre por aqui. Mas isso é outra história.

Em janeiro de 2010, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil lançou uma nota em que rejeitou “a criação de ‘mecanismos para impeder a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos da União’, pois considera que tal medida intolerante pretende ignorar nossas raízes históricas”.

(Lembrando que o trabalho escravo, o machismo, o assassinato de indígenas e as consequência da Santa Inquisição estão também em nossas raízes históricas.)

Na época, autointitulados representantes de Deus, afirmaram que se o governo quisesse retirar símbolos religiosos, então deveria começar pelo Cristo Redentor.

Por mim, pode demolir a estátua que não dou a mínima (queimem o japa herege!). Mas sei que a sociedade, que tem apreço por ela, não deixaria meia dúzia de “iluminados” sacerdotes tomar tal medida uma vez que o monumento já pertence, na prática, não apenas à cidade do Rio mas ao Brasil e não à Arquidiocese.

Sempre me incomodou a tentativa de cobrar direitos autorais de representações de figuras religiosas, como se uma religião tivesse o monopólio de determinados personagens históricos.

Quando é para vender a fé, uma estátua é um bem da humanidade.  Lembrando que uma instituição milenar, como a Igreja Católica, que possui a propaganda de ideias como um de seus alicerces, tem a seu dispor o maior “anúncio” a céu aberto do mundo.

Daí, quando o uso foge ao controle, o uso de sua imagem é proibido. Religião, mas pode chamar de capitalismo.

Bem faria se a Prefeitura do Rio impusesse uma taxa de 100% sobre receitas oriundas da imagem da estátua e as destinasse para a promoção de políticas para o desenvolvimento da laicidade do Estado.

Cristo, se existir, certamente estará de braços abertos à ideia.

Fonte:Racismo Ambiental

+ sobre o tema

para lembrar

Kabengele Munanga é premiado por sua trajetória em defesa dos negros

Em cerimônia realizada no dia 29 de junho, o...

UFG abre concurso com mais de 100 vagas para professores

A Universidade Federal de Goiás (UFG) anunciou que vai...

Governo quer começar a distribuir bolsas de estudo no exterior em 2012

Projeto para beneficiar 75 mil estudantes brasileiros será apresentado...

Aluno do ProUni tem estágio na Caixa

Os estudantes atendidos pelo Programa Universidade para Todos (ProUni)...
spot_imgspot_img

Geledés publica boletins sobre a Primeira Infância nos estados brasileiros

Geledés Instituto da Mulher Negra está realizando as ações da segunda etapa do projeto “Primeira Infância no Centro: garantindo o pleno desenvolvimento infantil, uma...

PL do novo PNE apresenta avanços em equidade e dá primeiro passo em financiamento, mas precisa de melhorias estruturais e traz também retrocessos

O Projeto de Lei (PL) nº 2.614/2024, que prevê um Plano Nacional de Educação (PNE) para o período de 2024-2034, apresenta avanços relacionados à...

Jovens cientistas receberão apoio de mais de R$ 21 milhões para pesquisas   

O Instituto Serrapilheira anunciou, nesta quarta-feira (26), os 33 pesquisadores selecionados em dois editais que vão injetar mais de R$ 21 milhões em ciência no Brasil. Uma...
-+=