De consciência, orgulho e afeto

Neste 20 de novembro, faz 50 anos que um grupo de negros brasileiros plantou, em Porto Alegre, a semente do Dia da Consciência Negra. A data do assassinato, em 1695, de Zumbi dos Palmares — tornado ícone do quilombo que, da Serra da Barriga (AL), encarnou o sonho (ainda vivo) de liberdade e bem-estar do povo preto — foi escolhida como contraponto ao 13 de maio de 1888, efeméride de uma alforria concedida, que escondeu resistência e protagonismo negros. Ainda nos anos 1970, o Movimento Negro Unificado (MNU) incorporou a data a manifestações, primeiramente em São Paulo e, na sequência, Brasil afora. Em 2003, a Lei nº 10.639, que estabelece a obrigatoriedade do ensino de história e cultura afro-brasileiras, inseriu o Dia Nacional da Consciência Negra no calendário escolar.

O texto entrou para o rol da legislação brasileira nunca plenamente aplicada, resiste pelo trabalho, muitas vezes solitário, de professoras, diretoras de escola e ativistas, a maioria negras, como atesta Cida Bento, psicóloga social à frente do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert), que, em sete edições do Prêmio Educar para a Igualdade Racial e de Gênero, formou um banco de 3 mil boas práticas em 1.100 municípios brasileiros. Para o ano que vem, está confirmada a oitava.

— No acervo que reunimos, sempre me chamou a atenção o fato de que são as professoras que mantêm a lei viva, num trabalho de resgate da História para fortalecer a autoestima da criança negra, além de combater o racismo. Quando perguntamos o que aprenderam, elas mencionam a mudança no saber pedagógico, nas formas de ensinar e, principalmente, a importância do trabalho coletivo — conta.

O testemunho de Cida Bento vai ao encontro de emoções que experimentei neste novembro. No primeiro sábado do mês, fui presenteada com a inauguração de uma biblioteca com meu nome na sede de uma organização social liderada por mulheres negras no Morro da Congonha, em Madureira, subúrbio carioca. O projeto Favelivro, sob curadoria da incansável Verônica Marcílio, multiplica espaços de leitura, arte e cultura em comunidades do Rio e os batiza com nome de personalidades locais. Sábado, 27, será a vez da jornalista e escritora Míriam Leitão, eternizada numa sala em Higienópolis-Manguinhos.

Na sexta-feira passada voltei à Escola Municipal Embaixador Barros Hurtado, em Cordovil, a convite da professora Monica Aniceto Barros, de língua portuguesa, e da diretora Carla Brandão, para falar aos alunos sobre inclusão e combate ao racismo, educação e identidade negra. Participei da inauguração de um auditório com meu nome, o mesmo em que pisei, três anos atrás, ainda incompleto. Encontrei uma escola bem cuidada, pintada de azul e amarelo; muitas alunas negras com cabelos crespos e cacheados; estudantes do 6º ao 9º ano com perguntas elaboradas sobre intolerância religiosa, potência do subúrbio e valor da escola pública.

E conheci Mikaela Marinho Moura, adolescente de 14 anos, candomblecista e passista de escola de samba, transformada pela educação antirracista que recebeu na Embaixador. Dois anos atrás, contou a professora Monica, era chamada de “pretinha sambista”, provocação limitadora e racista que a oprimia e drenava a capacidade de aprendizado.

— Nas aulas, passei a trazê-la para as discussões sobre textos de autores negros. Passei a dar exemplos usando músicas que ela conhecia. Por um período, achou que não poderia sambar, porque isso diminuía. Novamente, foi preciso explicar que ela poderia ser o que quisesse. Agora, temos uma aluna sambista e com notas boas. Em um ano, saiu de conceito I(nsuficiente) para B(om) — contou a professora.

Mikaela, com o colega João Victor, se apresentou ao som do samba que a Beija-Flor de Nilópolis levará à Sapucaí em 2022. O enredo, “Empretecer o pensamento é ouvir a voz da Beija-Flor”, enaltece a produção intelectual de mulheres e homens africanos ou descendentes, do psiquiatra e filósofo Frantz Fanon às escritoras Carolina Maria de Jesus e Conceição Evaristo. Tema e hino são a base de projeto que a porta-bandeira Selminha Sorriso, diretora cultural da agremiação, apresentou à Secretaria de Educação de Nilópolis. A intenção é apresentar aos estudantes a história das celebridades locais, que forjaram comunidade e escola de samba.

No início do ano, a Secretaria municipal de Educação do Rio criou a Gerência de Relações Étnico-Raciais (Gerer), com equipe de professores que já atuavam com a pauta antirracista nas práticas pedagócicas.

— A intenção é pensar e articular ações de caráter transversal e intersetorial. O projeto da professora Monica é exemplo de como as relações étnico-raciais podem ser praticadas no cotidiano escolar. Ela conseguiu caminhar levando outros professores a embarcar nessa pauta. Não é um projeto pontual ou que aconteça apenas em novembro. É uma pauta entranhada na escola. E, só de ver a felicidade dos alunos, sabemos que é o caminho certo — comentou Luciana Guimarães, assistente na Gerer.

Se no Planalto a tônica é destruição, do território das escolas, das organizações da sociedade civil, das instituições culturais, brotam iniciativas que hão de salvar a educação brasileira. Há consciência, orgulho, afeto.

+ sobre o tema

Injúria racial leva indignação à Câmara de Mogi

por SABRINA PACCA Os vereadores de Mogi repudiaram, na sessão de...

“Avatar” acusado de racismo

Uma «fábula messiânica branca» ou «uma fantasia racial por...

Principal vítima de violência, negros tem baixa expectativa de vida

A situação de violência contra negros se agrava a...

para lembrar

Cristóvão revela ter sido alvo de racismo de parte da torcida do Vasco

Treinador tricolor reclamou de xingamentos quando fazia substituições que...

Jovem brasileira se suicida na Itália após suposto racismo

SÃO PAULO, 26 JAN (ANSA) – Uma adolescente de...

O Agora é Nossa Maior Missão: Poesia de Auto-Cuidado

Caroline Anice: Saber-se viva é a melhor sensação. Poder...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=