De Donga a Diogo Nogueira, 100 anos de samba

Com direção de Gustavo Gasparani, o musical ‘Sambra’ estreia nesta quinta-feira no Vivo Rio para contar e cantar a história do gênero

Por Luiz Felipe Reis Do O Globo

No primeiro dia de ensaio para o musical “Sambra”, nada estava decidido, claro, a não ser as intenções de Diogo Nogueira: “Quero fazer de tudo”, disse ele a Gustavo Gasparani, o autor e diretor da montagem que estreia hoje no Vivo Rio, às 21h30m, e cumpre quatro únicas sessões cariocas até domingo, antes de embarcar para São Paulo, onde terá sessões entre os dias 26 e 29.

Criado para homenagear os 100 anos do nascimento do samba, o musical apresenta Nogueira em seu primeiro trabalho como ator.

— Se ele quisesse só cantar, ok, mas ele queria descobrir o teatro — diz Gasparani, diretor de sucessos que misturam universos como “Otelo da Mangueira” (2005), “Opereta carioca” (2008) e “Samba Futebol Clube” (2014).

No palco, Diogo atua, dança, toca instrumentos de cordas e percussão, sai de cena, contracena com outros 16 atores e funciona menos como um protagonista e mais como um mestre de cerimônias, que apresenta as principais etapas do desenvolvimento do samba e os feitos de seus principais criadores e renovadores — numa obra composta por dois atos e 14 quadros, que abrigam 70 músicas cantadas e 25 recitadas. E entre um verso e outro, o cantor dá corpo e voz a ícones como Francisco Alves, Ataulfo Alves, Mário Reis e João Gilberto, assim como encarna, estilizado com chapéu e terno vermelho, o mítico Zé Pelintra, entidade da umbanda que, no Rio, filia-se principalmente à figura do malandro carioca.

— O Diogo é o grande expoente da nova geração do samba, e além disso surge dentro de uma linhagem marcante. É filho de João Nogueira e afilhado de Clara Nunes. Então é como se ele recebesse essa herança e, na peça, reconstruísse todo o caminho que tornou possível que chegasse até aqui — diz Gasparani.

E a passagem de bastão entre pai e filho é revelada numa mescla de versos falados, de obras como “Espelho” e “Além do espelho” (ambas de João Nogueira e Paulo César Pinheiro), e trechos cantados de “Morte de um poeta” (Totonho e Paulinho Rezende), “Minha missão”, “Súplica” e “Poder da criação” (todas de João Nogueira e Paulo César Pinheiro).

— É emocionante porque é o ponto em que a história do samba se mistura à minha vida — diz o cantor.

Mas antes de Diogo há um rio inteiro. E tudo começa “mais ou menos em 1916”, diz Gasparani, referindo-se ao ano em que Donga registra “Pelo telefone”.

— Existiam outro sambas registrados, mas esse foi o primeiro sucesso — diz.

E a partir daí evoca o terreiro da Tia Ciata, as festas da Penha, os sambas de morro, as praças Onze e Tiradentes, a função do teatro de revista como ponte entre favela e cidade, a chegada do samba a Copacabana e aos EUA, sua transformação em bossa nova, sua politização em shows como Opinião e Rosas de Ouro, a moderna apropriação pela Tropicália, a sofisticada releitura de suas origens via Paulinho da Viola e por aí vai.

— Mostramos como o samba se relacionou como a ditadura e com a contracultura — diz Gasparani. — E depois disso há a sua volta ao lugar de origem, ao terreiro do clube Cacique de Ramos, nos anos 1980, e tudo o que surgiu daí e que o faz continuar vivo.

Serviço — “Sambra”

Onde: Vivo Rio — Avenida Infante Dom Henrique 85, Flamengo (2272-2900)

Quando: De hoje a sáb., 21h30m; dom., às 20h

Quanto: De R$ 50 a R$ 200

 

+ sobre o tema

Mais da metade dos brasileiros se reconhece como afrodescendente, afirma Dilma

  Em discurso durante comemoração do Jubileu de Ouro da...

Beyoncé ganha parabéns de Diana Ross em show da Renaissance Tour e se declara: ‘Não existiria sem você’

Beyoncé completou 42 anos na última segunda-feira (4) e comemorou...

Covid-19: Dois casos confirmados na Guiné-Bissau

Os dois infectados são um cidadão indiano, homem de...

Angola – Um dos países africanos emergentes

Estive em Luanda, Angola há 5 anos, faz mais...

para lembrar

Morreu Edward Brooke, o primeiro afro-americano eleito pelo voto do povo

Edward W. Brooke, o primeiro cidadão negro eleito por...

SPFW: Black is so beautiful: o estonteante casting de modelos negras do desfile da Rosa Chá

    As modelos contratadas para o show da Rosa Chá...

Uma ialorixá vai coordenar o projeto Mulheres da Paz

Jaciara Ribeiro dos Santos, mais conhecida como Mãe Jaciara,...
spot_imgspot_img

Obrigada Shirley

É com muita tristeza que compartilhamos a notícia do falecimento da Shirley Villela, nossa companheira e amiga, tecedora da Redes da Maré, de 2013...

Jay-Z e Alicia Keys apresentam ‘Empire State of Mind’ no Tony Awards de 2024

Jay-Ze Alicia Keys se uniram para apresentar o sucesso “Empire State of Mind” ao vivo no na cerimônia de premiação de 2024 do Tony Awards no último domingo,...

 Interprete da trilha sonora da novela Renascer, Xenia França participa do disco de José James

Vencedora do Grammy Latino de 2023 com seu disco "Em nome da Estrela" e intérprete da canção “Lua Soberana”, trilha sonora da novela Renascer...
-+=