De volta à África do Sul, Miss Universo inspira jovens mulheres negras

Zozibini Tunzi foi recebida por uma centena de fãs em Johannesburgo e falou da importância da emancipação das mulheres

Da AFP, no O Globo

Miss Universo, Zozibini Tunzi, volta à África do Sul após coroação  (Phill Magakoe / AFP)

Seu cabelo curto e crespo e seu discurso feminista causam uma boa impressão na África do Sul. Centenas de jovens fãs aplaudiram a nova Miss Universo nesta quinta-feira, em seu retorno ao país pela primeira vez depois de sua coroação. Usando brincos azuis e um vestido com estampas africanas, Zozibini Tunzi cumprimentou os fãs sorrindo do alto de um ônibus turístico que passeou pelas ruas de Joanesburgo.

— Ela aceita e até venera seus cabelos naturais. Queremos que nossas filhas façam o mesmo — explica a cabeleireira Millicent Manyike, 28 anos, que veio a admirar a jovem, coroada em dezembro nos Estados Unidos.

— É importante para nós, meninas negras, ter uma representação de nossa identidade — disse Lebogang Petje, uma estudante de 18 anos — Ela é uma verdadeira inspiração. Tenho orgulho de ver uma Miss Universo tão natural.

Após uma turnê pelos Estados Unidos e Indonésia depois de receber o título de Miss Universo, Zozibini Tunzi retornou ao seu país.

— Eu não sabia que seria a Miss Universo, porque não achava que isso seria possível para uma pessoa como eu — explicou, referindo-se à cor da sua pele e ao seu cabelo curto e crespo.

A sul-africana de 26 anos também se apresenta como uma defensora dos direitos das mulheres.

— Uma das coisas mais importantes é a emancipação das mulheres — disse Tunzi.

Sua condição de Miss Universo permite que ela “eduque as pessoas sobre a violência contra as mulheres”, disse uma de suas admiradoras nesta quinta-feira, vestida com uma camiseta com a frase “Um mundo sem estupro ou violência.”

Com a coroação de Zozibini Tunzi, “agora as meninas negras podem sonhar. Nada pode nos impedir”, acrescentou Athabile Nkatali, de 35 anos. O concurso Miss Universo “comercializa mulheres”, mas a vitória de Zozibini é “uma conquista para uma jovem negra que vem da campo”, disse.

A nova Miss Universo, originária da província de Eastern Cape, deve acompanhar o discurso anual à nação do presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, que acontece na noite desta quinta-feira.

— Quero ver se ele tem um programa para mulheres­ — afirmou Tunzi.

O feminicídio é um flagelo na África do Sul, um país cheio de violência. Uma mulher é assassinada a cada três horas e, todos os dias, a polícia registra 110 queixas de estupro, segundo estatísticas oficiais.

Cyril Ramaphosa recentemente comparou o nível de violência infligido às mulheres sul-africanas “com o de um país em guerra” e lançou uma campanha de mobilização nacional contra essa calamidade.

No concurso, a nova Miss Universo desfilou em um vestido no qual foram escritas mensagens de amor às mulheres, escritas por homens sul-africanos.

+ sobre o tema

Autismo: por que o diagnóstico tem crescido entre as mulheres?

Morénike Giwa Onaiwu ficou chocada quando as creches sinalizaram...

Suprema corte americana aprova o casamento gay em todo o país

A Suprema Corte americana aprovou por cinco votos a...

para lembrar

O que engenheiras ouvem todo dia? Alunas da Poli respondem

Mulheres representam menos de 30% dos ingressantes na Escola...

Alunos denunciam professores da FGV por declarações racistas e machistas

Diretório estudantil disse ter informado à coordenadoria sobre denúncias....

Parlamentares contra o aborto vão ao ministro da saúde dizer não a medida provisória 557/2011

O deputado federal João Campos (PSDB-GO) participou de encontro...

Ministério da Saúde vai criar instância para gestão da Política Nacional de Saúde da População Negra

Ministra Luiza Bairros, da SEPPIR, e ministro Alexandre Padilha,...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=