Defensora da ONU Mulheres denuncia racismo e machismo nas empresas brasileiras

A Defensora dos Direitos das Mulheres Negras da ONU Mulheres Brasil, Kenia Maria, participou de bate-papo promovido pela agência da ONU e pelo Google no início de setembro (14) em São Paulo. O objetivo foi destacar a atuação dos homens para a equidade de gênero, o empoderamento das mulheres e o fim do racismo nas empresas.

Da ONU Brasil

Mesmo sendo 51,9% da população economicamente ativa do país, os negros e negras representam apenas 25,9% das pessoas nos cargos de supervisão das empresas, 6,3% dos cargos de gerência, 4,7% do quadro executivo e 4,9% dos membros de conselhos de administração. As mulheres negras representam apenas 0,4% das executivas nas 500 maiores empresas do país.

A Defensora dos Direitos das Mulheres Negras da ONU Mulheres Brasil, Kenia Maria, participou de bate-papo promovido pela agência da ONU e pelo Google no início de setembro (14) em São Paulo. O objetivo foi destacar a atuação dos homens para a equidade de gênero, o empoderamento das mulheres e o fim do racismo nas empresas.

Kenia Maria salientou que o racismo e o machismo impõem desafios para as mulheres negras, bem como para a população negra em geral, no mercado formal de trabalho. “Mesmo quando são qualificados e conseguem entrar nas empresas, elas e eles não têm acesso às mesmas oportunidades de desenvolvimento que são destinadas às pessoas brancas. Ocupam postos com salários mais baixos e sem poder de decisão”, disse.

Ela citou dados da pesquisa “Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil“, publicada em 2016. Segundo o levantamento, ainda que sejam 51,9% da população economicamente ativa do país, os negros e negras são apenas 35,7% de funcionários e funcionárias de empresas.

Na medida em que são analisados cargos mais altos, a presença de negros cai drasticamente. Eles representam 25,9% das pessoas nos cargos de supervisão, 6,3% nos cargos de gerência, 4,7% no quadro executivo e 4,9% nos conselhos de administração. As mulheres negras representam apenas 0,4% das executivas nas 500 maiores empresas do país.

Os dados refletem também a perpetuação do racismo institucional, que impõe condições precárias para o desenvolvimento da população negra no mercado de trabalho, bem como em outros espaços de decisão. “O racismo precisa ser desconstruído, pois impede que negros e negras ascendam profissionalmente e ocupem cargos de liderança”, destacou Kenia.

Atitude para inclusão

Para a defensora, o combate ao racismo e ao machismo passa por compreender os diferentes papéis que as pessoas exercem na vida, como seres humanos. Ela considera que esse tema precisa ser amplamente debatido nas empresas.

“O machismo e o racismo ainda estão impregnados na cultura organizacional. Existem dados que revelam isso. Então, é papel desses setores incentivar que mulheres e negros ocupem postos com salários melhores e posição de comando. É preciso atitude das empresas para incluir as mulheres negras, além de identificar e não tolerar o assédio moral e sexual”, declarou a defensora da ONU Mulheres.

Kenia Maria lembrou ainda a importância de os homens se integrarem a esse movimento, responsabilizando-se pelos cuidados domésticos e exercendo uma paternidade ativa. “Quando os homens são aliados, eles assumem tarefas relacionadas ao cuidado. E as mulheres têm mais chance de se dedicar às suas profissões, por exemplo. Apoiá-las nesse campo é empoderá-las e os homens têm um papel decisivo nesse aspecto”, concluiu Kenia.

A ação foi desenvolvida no âmbito do movimento #ElesPorElas, numa parceria entre ONU Mulheres, Google e Promundo. Contou com a participação do ator e ativista Érico Brás; da presidente-executiva da LatAm Airlines, Claudia Sander; do presidente-executivo da Promundo, Gary Baker; do presidente da Fundação Gol de Letra, Raí Oliveira; e do presidente do Google Brasil, Fábio Coelho.

+ sobre o tema

Para o futuro chegar mais rápido

Meninas: são elas a força capaz de acelerar os...

Mulher negra avança no social, mas segue distante no trabalho e na política

Mulher, negra, estudou, foi à faculdade, tem um bom...

Women.com: rede social só para mulheres reúne grupos em temas femininos

As mulheres já sabem há séculos que existe algo...

Participe do Seminário: “Mulheres no poder: e aí, cheguei! Como fazer a diferença?”

Quais estratégias ainda devem ser construídas para que as...

para lembrar

Estupro coletivo na novela Em Família e o desempoderamento das vítimas – Por :Jarid Arraes

No última segunda-feira (10), uma cena de estupro coletivo...

“Só uma mulher sabe o que é ter uma gravidez indesejada”

Especialista em saúde reprodutiva comenta estágio do debate sobre...

Mãe Stella: Reflexão sobre a inveja

Maria Stella de Azevedo Santos A minha função espiritual faz...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=