Defensoria aponta que atendimentos envolvendo violência doméstica aumentaram 70% em 12 meses

Enviado por / FonteSul 21

Defensora aponta que, por conta da pandemia, muitas mulheres conviverem mais tempo com seus agressores

A Defensoria Pública do Rio Grande do Sul divulgou nesta semana o seu relatório anual, destacando que, entre outubro de 2020 e setembro deste ano, o número de atendimentos relacionados à violência doméstica aumentaram em 70% na comparação com os 12 meses anteriores, passando de 10 mil para 70 mil. O relatório aponta também que o número de ações na Justiça apresentadas por defensores aumentou 257% no período quando comparados os dados com o relatório anterior.

De acordo com a dirigente do Núcleo de Defesa da Mulher (NUDEM), defensora pública Tatiana Kosby Boeira, as pessoas estão denunciando mais os casos de violência doméstica e as mulheres estão procurando mais as autoridades para reivindicarem seus direitos e buscarem auxílio nessa área. Mas ela avalia que também existem outras razões para o incremento nos números de peticionamentos e atendimentos envolvendo violência doméstica.

“Por conta da pandemia, desse momento diferenciado, em que as pessoas foram obrigadas a ficar recolhidas, muitas mulheres conviveram mais tempo com o agressor. Além disso, o acirramento da crise econômica, o aumento do desemprego e da vulnerabilidade dessas pessoas deixou o contexto todo mais tenso. Então certamente a pandemia foi responsável também por esse incremento”, diz.

A Defensoria Pública é uma das instituições que faz o primeiro atendimento a vítimas de violência doméstica, sendo também responsável por encaminha as mulheres para acolhimento em casas de referência, fazer o ajuizamento de ações envolvendo divórcio, dissolução de união estável, bens, guarda e pensão, bem como acompanhar a tramitação dos processos e fiscalizar o cumprimento de medidas protetivas.

“Também fazemos um trabalho extrajudicial que busca, antes de punir, reeducar o agressor, oferecendo oficinas e grupos. Diante da constatação desse aumento nos atendimentos e peticionamentos, esperamos que as mulheres continuem buscando seus direitos e que sim, as pessoas metam a colher e sigam denunciando esses casos”, afirma a defensora.

+ sobre o tema

15 coisas que mães adotivas jamais deveriam ouvir

Assim como as atrizes Giovanna Ewbank, Angelina Jolie, e a jornalista...

Ministra de Estado Chefe da Igualdade Racial, Luiza Bairros confirma presença no ILABANTU/Nzo Tumbansi

Povos tradicionais de matriz africana bantu, entre seguidores...

Como seriam os super-heróis se eles fossem desenhados como as heroínas?

Super-heróis são fortes e ágeis. Heroínas são gostosas. Não...

para lembrar

Ato cobra mulher negra no STF, e OAB-SP assina carta para pressionar Lula

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São...

Revista Themis: Novas Tecnologias Sociais no Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres

Aniversário de 24 anos da Themis Lançamento online da Revista...

Mãe que internou filha ‘trans’ é proibida de se aproximar dela pela Lei Maria da Penha

Defensoria determinou que mulher não pode chegar perto da...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=