Delegado libera homem que queimou rosto da esposa: “legítima defesa”

Delegado libera homem que queimou rosto da esposa com água fervente: “legítima defesa”. A vítima estava dormindo quando foi acordada com puxões de cabelo. Ao tentar pedir ajuda, foi surpreendida com a água quente em seu ouvido e face

Do Pragmatismo Político 

Jeferson e Juliane (há uma tarja preta na segunda imagem que mostra o efeito da queimadura no rosto da jovem)

 

Uma homem jogou água quente no ouvido e no rosto da companheira com o intuito de matá-la. O crime aconteceu no último sábado (16) na residência do casal, no município de Presidente Figueiredo (distante 117 km de Manaus).

De acordo com informações da mídia amazonense, Jeferson Rios da Silva, de 22 anos, jogou a água quente no ouvido de Juliane Lima Barbosa, de 20 anos, enquanto ela dormia. O rapaz ferveu a água e a escondeu em uma panela embaixo da cama. Em seguida, ele acordou a jovem com puxões de cabelo e cometeu a atrocidade.

Depois da ação criminosa, Jeferson fugiu. Enquanto o agressor empreendia fuga, a vítima foi levada ao Hospital. Ela teve queimaduras de segundo e terceiro graus no rosto, ombro e braços, sendo a mais grave na região do rosto próximo à orelha, que pode vir a ter sequelas irreparáveis.

Uma amiga seguiu à Delegacia para prestar queixa sobre o ocorrido. Ela afirmou que a jovem mantinha um relacionamento conturbado com Jeferson, com diversas idas e vindas, e que o agressor era bastante ciumento, o que motivava discussões frequentes. A amiga de Juliane disse ainda que a vítima já havia sofrido agressão física por parte dele.

Em depoimento aos investigadores, Juliane relatou o que aconteceu. “Ele chegou em casa e já me acordou desse jeito. A gente já vinha brigando há algum tempo por ciúmes dele e eu disse que queria vir embora para a casa da minha mãe, em Manaus. Ele então chegou a cortar quase todas as minhas roupas, mas depois conversamos e ficamos relativamente bem. Tomei um susto quando acordei sendo agredida”.

O caso causou comoção na cidade com centenas de manifestações de solidariedade a Juliane nas redes sociais.

“Legítima defesa”

Jeferson ficou foragido por dois dias e se apresentou nesta segunda-feira (18) à Polícia Civil, na presença de um advogado. Ele confessou o crime, alegou legítima defesa e foi liberado.

De acordo com o delegado Valdnei Silva, titular da 37ª DIP, Jeferson foi ouvido assim que chegou à unidade policial. Ele confirmou o crime e disse que despejou água fervente em Juliane.

“Ouvimos a versão dele, mas ainda precisamos ouvir mais pessoas. Caso seja necessário, iremos representar pela prisão dele”, destacou Valdnei Silva.

+ sobre o tema

Quem cuida de quem cuida?

A maternidade não é simplesmente uma escolha pessoal. Por Letícia Penteado,...

Vídeo mostra pai discutindo com médica para ver nascimento da filha

Caso aconteceu em Campos dos Goytacazes, no RJ. Pai da...

Como a violência doméstica atinge as mulheres no Nordeste

Estudo mostra impactos da violência de gênero em capitais...

SOS Lesbofobia!

Em 2009, a pesquisa “Diversidade Sexual e Homofobia no Brasil:...

para lembrar

A dançarina americana que ajudou a criar 1ª lei contra racismo do Brasil

Quando a dançarina e coreógrafa americana Katherine Dunham (1909-2006) chegou para...

Luz Ribeiro, poeta negra: “Existe racismo dentro do feminismo”

“Agora serão gerações e gerações de BARULHO”, promete a...

Contra o preconceito. Até nas minorias

A luta principal continua sendo combater o preconceito no...

VII Seminário Agosto Para a Igualdade Racial : Homenagem à Marielle Franco e Wangari Maathai

  Programação na Universidade  Estadual da Paraíba  e Universidade Federal...
spot_imgspot_img

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...

Mais de 11 milhões de mulheres deixam o mercado de trabalho no Brasil

Pesquisa inédita do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da USP, sobre o custo da maternidade no Brasil mostra que 6,8 milhões...
-+=