Denúncias de machismo e linchamento on-line: há consequências?

Relatos de violência contra a mulher publicados na internet estão cada vez mais frequentes, mas o que acontece com a vítima e o agressor?

Por ISABELLA CAVALCANTE, do Metrópoles

As redes sociais têm se tornado uma plataforma cada vez mais comum para denúncias. Elas variam entre mau atendimento em um restaurante, desrespeito de um estranho no transporte público, até agressões e violações graves. Um dos casos mais recentes com grande repercussão foi o da escritora Clara Corleone, ex-esposa do guitarrista da banda “Apanhador só”, Felipe Zancanaro.

Clara não foi a primeira e, certamente, não será a última mulher a acusar um parceiro de abusos. Os posts que denunciam integrantes de banda por machismo são tão frequentes que despertaram a atenção da estudante de jornalismo Carolina Vicari, de 19 anos.

Carolina é dona do blog “Apoie a cena” e escreveu sobre denúncias de machismo que envolvem membros de bandas brasileiras. A lista começa com o relato de Clara Corleone relacionado à “Apanhador só” e cita Criolo, CPM22, Esteban Tavares e outros 19 músicos. Todas as acusações acompanham prints que relatam as agressões.

Após cinco dias de lançamento, a lista de Carolina já tinha mais de 400 mil visualizações. “Muitas meninas vieram me agradecer, porque finalmente conseguiram colocar isso para fora e serem acolhidas”, conta a estudante sobre a reação positiva que a postagem recebeu. Carolina também recebeu críticas e foi acusada de promover linchamento virtual das bandas citadas.

“Muitas pessoas acharam que eu estava disseminando o ódio. Só queria que quem não apoia esse tipo de atitude parasse de apoiar esses artistas”, comenta. “Se você for no perfil do Criolo, por exemplo, tem pessoas pedindo satisfação da parte dele”, afirma Carolina. A jovem também fala que ficou feliz de trazer à tona a discussão sobre o respeito às mulheres no meio musical.

Uma das críticas que o post de Carolina recebeu foi por expor as mulheres que tinham denunciado e que elas poderiam ser processadas pela acusação on-line. “O simples fato da denúncia não gera o direito de processar a mulher, porém, ao fazer a acusação, é preciso cuidado para não cometer alguma injúria ou difamação”, explica a advogada Déborah Mesquita.

A advogada informa que, caso entenda que houve injúria ou difamação, a autora do post pode ser processada, inclusive por danos morais pelo artigo 139 da Constituição. Além disso, qualquer xingamento ou ofensa pode ser enquadrado no artigo 140.

Apesar dos riscos que as mulheres correm ao denunciar on-line, Déborah entende por que isso acontece tanto. “Existe muita falta de preparo nas delegacias não especializadas em violência doméstica, porque ali não se sabe lidar com esse casos. Elas não dão o apoio necessário quando a mulher finalmente decide denunciar”, afirma.

Déborah acredita que as acusações on-line crescem cada vez mais pelo apoio que as mulheres encontram nesse meio. “Também é onde elas verificam histórias de outras mulheres que deram chances e mais chances e, mesmo assim, o companheiro não mudou”, complementa.

Já a pesquisadora cultural e mestre em sociologia Roberta Brito enxerga uma dualidade nessas postagens. “A internet cria uma rede de apoio que protege a vítima, que nesses casos sofre por descrédito nas vias oficiais legais e, ao mesmo tempo, vira um cenário de linchamento público”.

Roberta percebe o linchamento virtual como algo irresponsável, mas também há benefícios quando as práticas de violências são reveladas e denunciadas. “Acredito que é válido esse ‘sofrimento’ pessoal para que se alcance algo maior.”

Por isso, a pesquisadora considera essa liberdade e o momento em que vivemos importantes para o avanço da sociedade. “Como se trata de uma ‘disfunção’ social, nosso inimigo não é o músico X ou Y. Não é Chico ou John Lennon. Ao mesmo tempo e, contraditoriamente, nosso inimigo está incorporado nesses homens e em muitos outros”, explica.

+ sobre o tema

Amor e Luta: A mulher negra que sempre fui e não sabia

Quem me conhece sabe das minhas dificuldades em escrever....

Em novo livro, autora questiona noção de ‘sororidade’ dentro do feminismo

Quem procurar por “dororidade” no dicionário não encontrará nenhuma...

As 5 mulheres mais influentes da história no mundo, segundo pesquisa

Leitores da revista BBC World History elegeram as mulheres...

Câmara reduz atribuição do Ministério das Mulheres em questões de gênero

A Câmara dos Deputados aprovou nessa quinta-feira (18) mudanças na competência...

para lembrar

Teu corpo não é estranho

Eu nunca vi um corpo como o meu na...

Quadrinho mostra como sociedade trata pais e mães

A ilustradora Chaunie Brusie criou um quadrinho muito sincero retratando...

Painel com rosto de Marielle é restaurado após ser alvo de vandalismo em SP

Um painel com o rosto de Marielle Franco pintado...

Carta do FMDF ao STJ – Pela LEI MARIA DA PENHA

DO FÓRUM DE MULHERES DO DISTRITO FEDERAL AO SUPERIOR TRIBUNAL...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=