Depois de escapar de casamento forçado, refugiada afegã faz sucesso no rap

Sonita Alizadeh é uma refugiada afegã de 18 anos, cuja família foi forçada a se mudar para o Irã quando ela tinha apenas 8. Por ser imigrante ilegal, ela não podia ir à escola lá. Então ela encontrou uma ong que dava aulas para crianças afegãs ilegais. Lá ela aprendeu karatê, fotografia, guitarra, e começou a cantar rap.

por Luana Moreno no Brasil Post

Sua música logo ganhou projeção, e ela conheceu um produtor iraniano que a ajudou a polir seu estilo e fazer vídeo clips. Tudo era perfeito, até que um dia sua mãe virou para ela e disse: “Você tem que voltar ao Afeganistão comigo. Tem um homem lá que quer se casar com você. Seu irmão está noivo e precisamos do seu dote para pagar o casamento dele.” O pretendente pagaria nove mil dólares por Sonita, e assim seus pais poderiam pagar pelo casamento de 7.000 dólares de seu irmão. De certa maneira, sua mãe a estava vendendo. Ela tinha quinze anos.

Ela ficou arrasada. Então ela escreveu “Noivas à Venda.”. A música começa assim “deixe-me sussurrar, para que ninguém ouça que eu falo sobre vender garotas. Minha voz não deve ser ouvida, já que é contra a Sharia. As mulheres devem permanecer caladas… essa é nossa tradição”. E continua: “quem pagar mais leva a garota. Sou vista como uma ovelha, criada para ser devorada.”

No vídeo ela está vestida de noiva, cheia de hematomas, com um código de barras na testa. A letra fala sobre o sentimento de dívida que ela sente, misturado ao amor pelos pais, ao dizer que comeria suas migalhas para não gastar demais, e em como retribuir por eles terem lhe dado a vida. Ela diz que não faria nada pra envergonhar seus pais, mas como gostaria de ser vista como um ser humano com sentimentos. Ela pede à família para não vendê-la. É um vídeo emocionante.

Ela ficou preocupada com o que seus pais pensariam do vídeo, mas eles adoraram e disseram a ela que não precisaria se casar. “É muito importante pra mim que eles tenham ido contra a tradição por mim. Agora estou em um lugar onde nunca imaginei que pudesse estar.”

A música de Sonita rendeu a ela uma bolsa de estudos integral em uma academia de artes em Utah, e ela esteve tocando recentemente na Bay Area de São Francisco. “O Rap te permite contar sua história para outras pessoas. É uma plataforma para compartilhar as palavras que estão em meu coração”, diz Sonita. E muitas vezes é uma forma de expressar a tristeza e raiva que as mulheres afegãs não ensinadas a esconder. Apesar de agora estar vivendo muito longe de casa, ela afirma que continuará cantando sobre o que mais ama: o povo do Afeganistão.

+ sobre o tema

Proibição do aborto, Eduardo Cunha e o Martelo das Bruxas

Na base do projeto de lei 5069 há uma...

Mensagem do presidente da Fundação Palmares ao Dia da Mulher

Hoje, 8 de março, comemoramos o Dia Internacional da...

Rachel Maia assume o cargo de CEO da Lacoste Brasil

Em seu último cargo à frente da Pandora Brasil,...

para lembrar

Artigo: Por uma reforma política com viés de gênero

O Brasil comemora 80 anos do sufrágio universal feminino...

Ministra Anielle Franco fala sobre racismo em cargos públicos e defende mulher negra no STF: ‘Ia ser histórico’

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, afirmou nesta quinta-feira...

Eu não soube desde sempre que era gay

Você só é gay se, lá no fundo, sempre...

Oxum e o poder feminino

Hoje, a senhora do amor e da fertilidade se...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=