terça-feira, novembro 30, 2021
InícioÁreas de AtuaçãoMercado de TrabalhoDesemprego aumenta só entre os negros no 3º trimestre, aponta IBGE

Desemprego aumenta só entre os negros no 3º trimestre, aponta IBGE

Para cada R$ 1.000 que brancos recebem de salário, pretos e pardos ganham de R$ 550 a R$ 560

Por Diego Garcia, da Folha de S.Paulo

blank
Carteira de trabalho e previdência social (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

A população que se declara da cor preta foi a única que teve aumento na taxa de desemprego, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira (19).

Entre eles, a taxa de desemprego cresceu de 14,5% para 14,9% na comparação entre o segundo e o terceiro trimestre deste ano.

A taxa caiu de 9,5% para 9,2% no período entre os que se declaram brancos, e de 14% para 13,6% entre os pardos.

Em números absolutos, havia 1,587 milhão de pessoas que se consideram pretas entre os desempregados de julho a setembro deste ano, cerca de 23 mil a mais que no trimestre anterior (1,564 milhão).

Já entre os brancos, cerca de 174 mil pessoas deixaram a fila de desemprego. Eram 4,261 milhão sem trabalho no último trimestre. A população que se declara branca é cerca de 4,5 vezes a que se declara preta.

O total de pardos desempregados recuou em 86 mil, para 6,568 milhões.

Na distribuição dos ocupados por cor, a população que se declara preta teve uma queda de 0,2 ponto percentual, para 9,7%. Pardos são 44,4% da população ocupada, e brancos, 44,9%.

A desigualdade também é visível nos salários. No terceiro trimestre, enquanto o o rendimento médio real de uma pessoa branca chegou a R$ 3.017 (alta de R$ 27 contra os três meses anteriores), houve queda de R$ 12, para R$ 1.660, entre os pretos e de R$ 8, para R$ 1.690, entre os pardos.

Proporcionalmente, para cada R$ 1.000 pago a uma pessoa branca, paga-se cerca de R$ 550 a R$ 560 para um trabalhador preto ou pardo.

No estudo Desigualdades Sociais por Cor ou Raça, publicada na semana passada, o IBGE apontou que os homens brancos estão no topo da pirâmide dos maiores rendimentos, segundo dados de 2018.

Para cada R$ 1.000 recebidos por esse grupo, eram pagos R$ 758 para mulheres brancas, R$ 561 para homens pretos ou pardos e R$ 444 para mulheres pretas ou pardas.

Ainda segundo dados de 2018, os trabalhadores brancos possuíam em média renda 74% superior aos pretos e pardos, diferença que se manteve praticamente estável ao longo dos últimos anos.

O estudo divulgou que há mais pretos e pardos (50,3%) no ensino superior público no Brasil do que brancos (49,7%). Apesar disso, os números indicam sub-representação do primeiro grupo, uma vez que, na população em geral, 55,8% são negros.

Também há uma menor taxa de ingresso da população preta ou parda no ensino superior: 35,4%, contra 53,2% na população branca.

O IBGE creditou essa diferença à maior proporção de jovens pretos ou pardos que não dão prosseguimento aos estudos por terem que trabalhar ou procurar trabalho. Entre os que tinham de 18 a 24 anos, com ensino médio que não frequentavam a escola por tais motivos, 61,8% eram negros.

blank

blank

RELATED ARTICLES