Desigualdade de gênero no trabalho custa US$ 9 trilhões por ano aos países em desenvolvimento

A desigualdade de gênero no mercado de trabalho custa US$ 9 trilhões a cada ano aos países emergentes, de acordo com um estudo divulgado pela organização internacional ActionAid. O custo é maior que os PIBs do Reino Unido, França e Alemanha juntos.

Por  no Brasil Post 

O valor foi calculado de acordo com o “abismo salarial” entre homens e mulheres, uma vez que elas têm menos oportunidades no mercado de trabalho e estão longe de receberem um salário igual ao deles.

Segundo a organização, existem duas principais causas para a desigualdade salarial em países em desenvolvimento. A primeira é que as mulheres costumam realizar trabalhos com menores salários e com mais formas exploratórias, como vendedoras ambulantes em beira de estradas, empregadas domésticas ou trabalhando em fábricas.

Também, as mulheres gastam grande parte do seu tempo cuidando dos filhos e do lar, trabalho que é invisível e totalmente gratuito. De acordo com o Banco Mundial, as mulheres gastam até 10 vezes mais horas que os homens em trabalhos não remunerados, como cuidar de crianças, idosos e doentes.

Em países mais pobres, onde governos não financiam serviços básicos de saúde e educação, o problema se agrava ainda mais: além de cuidar dos filhos, elas precisam coletar água e comida, o que não sobra tempo para se dedicarem à carreira.

“Diminuindo essas diferenças salariais, os governos não vão apenas melhorar a qualidade de vida dessas mulheres, mas ajudar a economia de suas comunidades, uma vez que elas tendem a gastar sua renda extra em alimentação, saúde e educação para família”, explicou a agência, acrescentando que essas mulheres também têm um potencial de força de trabalho inexplorado.

Além da economia

Os custos da desigualdade no trabalho vão além do monetário. Ela afeta as escolhas de vida, deixando as mulheres mais vulneráveis à violência, à discriminação e exploração.

“Esse é um enorme problema e não é algo que vamos corrigir da noite para o dia. Mas há caminhos para melhorar a vida de milhões de mulheres pobres em todo o mundo”, diz a diretora de políticas públicas da ActionAid, Lucia Fry.

Para Lucia, equiparação salarial, extinguir leis e práticas discriminatórias e criar políticas favoráveis à inclusão da mulher no mercado de trabalho são medidas que devem ser promovidas o quanto antes.

Desigualdade no Brasil

Apesar da desigualdade de gênero diminuir ao longo dos anos no mercado brasileiro,dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados na semana passada mostram as mulheres ainda ganham menos.

Em 2014, enquanto eles receberam um salário de admissão médio de R$ 1.247,98, elas ganharam R$ 1.075,52.

+ sobre o tema

10 frases que parecem inofensivas, mas são muito gordofóbicas

Às vezes, na maior das boas intenções, as pessoas...

O feminismo político do século XX

Este artigo integra revista semestral Margem Esquerda – ensaios marxistas,...

Casadentro: outro olhar sobre a maternidade

Filme de estreia de cineasta peruana explora as pressões,...

para lembrar

Projetos propõem vagão exclusivo para mulheres em SP

Dois projetos de lei que tramitam na Assembleia Legislativa...

John Kerry: “É hora de apagar o estupro do léxico da guerra”

O chefe da diplomacia dos EUA encerra a cúpula...

A culpabilização da vítima: somos todas Fran

Recebemos uma mensagem de Débora Araújo relatando que um...

Como se sente uma mulher

Aconteceu ontem. Saio do aeroporto. Em uma caminhada de...
spot_imgspot_img

Fui demitida depois dos 40. E agora?

Dia desses, enquanto navegava pelos comentários de uma publicação no LinkedIn, deparei-me com o relato em que uma mulher mencionava ter ouvido de seu...

Educação (não) é mais importante atualmente?

Esperança reflete um dos principais motivos que moveram milhares de retirantes e moradores de regiões rurais para áreas urbanas ao longo do século 20....

O direito das mulheres à literatura

A literatura, para Antonio Candido, é direito inalienável do sujeito, indispensável à humanização. Espaço de desacato, para a escritora argentina María Teresa Andruetto, ela nos questiona,...
-+=