Desigualdade entre ricos e pobres agrava impacto das enchentes

Enviado por / FonteUOL

Em países desenvolvidos ou de renda média, as enchentes são mais mortais quanto maior é a desigualdade entre ricos e pobres, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira(17)na revista Nature.

O estudo analisou as inundações que afetaram estes países entre 1990 e 2018 e que causaram perdas humanas.

Os países pobres, não incluídos no estudo, continuam sofrendo as taxas de mortalidade mais altas durante as inundações.

Em uma amostra de 67 países, os pesquisadores comprovaram que os com maior desigualdade de renda tiveram mais vítimas durante episódios de inundações.

As diferenças de renda entre ricos e pobres aumentaram durante o período de 1990 e 2018 em três quartos destes 67 países.

Esse índice de correlação já havia sido demonstrado em casos isolados, “mas esta comparação entre países nos permite agora afirmar que se trata de um padrão”, explica à AFP Sara Lindersson, estudante de doutorado da Universidade de Uppsala (Suécia) e coautora do estudo. Esse vínculo se repete seja qual for o produto interno bruto por habitante ou nível de exposição às inundações.

Nos bairros onde se concentram a maioria dos serviços, as infraestruturas são adaptadas à possibilidade de enchentes.

Em 2005, quando o furacão Katrina devastou o estado de Louisiana (Estados Unidos), boa parte das 1.800 vítimas habitavam um bairro pobre de maioria afro-americana de Nova Orleans, perto dos diques que romperam devido à inundação.

Os autores reconhecem a importância de reduzir a diferença entre ricos e pobres.

“Se não conseguimos corrigir o fator subjacente da vulnerabilidade, ou seja, a pobreza e as desigualdades, nunca acaberemos” com o problema, explica Sara Lindersson. 

Os pesquisadores pedem à comunidade científica para considerar o fator desigualdade de renda nos estudos de riscos, que incluem não apenas as enchentes, mas também outros tipos de catástrofes como as secas e pandemias.

Os meteorologistas insistem que a mudança climática aumenta as possibilidades de episódios meteorológicos extremos.

Porém, outros estudos como do Centro de Dados Internacionais sobre Desastres, afirmam que o número de vítimas em termos globais devido a enchentes, incêndios e secas reduziu praticamente em 99% nos últimos 100 anos (1920-2020).

+ sobre o tema

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira...

para lembrar

Tribunal do Rio publica decisão de Sony e Tiririca

Foi publicada, 17.01.2012, a decisão do Tribunal de Justiça...

Vicente Candido – Deputado Federal

Numero:  1301 Vicente Candido da Silva nasceu em 17 de...

Datafolha mostra que falta de comida afeta quase 40% dos brasileiros de baixa renda

Pesquisa Datafolha aponta que 26% dos brasileiros afirmam que a...

Mauro Santayana: a cúpula do Brics e o boicote da mídia ocidental

  A cada ano, quando chega a época...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público manifestar sua indignação e repúdio à decisão da Câmara dos Deputados, aprovada nesta terça-feira, 12,...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país em protesto contra o avanço, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que equipara...
-+=