Dia Internacional contra a LGBTfobia: mortes foram subnotificadas no último ano

Enviado por / FonteBrasil de Fato

Nesta segunda-feira (17), comemora-se o Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia, uma data para celebrar a diversidade contra todos os tipos de preconceito. A data é referência simbólica da luta pelos direitos LGBT, uma vez que coincide com o dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) deixou de considerar a homossexualidade como doença.

A luta é urgente no Brasil, considerado um dos países que mais discrimina e mata pessoas LGBTs no mundo. De acordo com o relatório da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intersexuais (ILGA), o Brasil ocupa o primeiro lugar nas Américas em quantidade de homicídios de pessoas LGBTs e também é o líder em assassinato de pessoas trans no mundo.

De acordo com dados do Grupo Gay da Bahia (GGB), a cada 19 horas, uma pessoa LGBT é morta no país. Segundo a Rede Trans Brasil, a cada 26 horas, aproximadamente, uma pessoa trans é assassinada no país. A expectativa de vida dessas pessoas é de 35 anos.

Além disso, as conquistas vão acontecendo aos poucos: somente em 2018, por exemplo, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que pessoas trans podem alterar seus nomes em cartório para que seus documentos coincidam com suas identidades.

Em 2021, existe pouco a se comemorar em relação ao assunto visto que a pandemia e a subnotificação de casos fez com que as mortes de pessoas LGBT fossem menos comunicadas às autoridades.

De acordo com o relatório “Observatório das Mortes Violentas de LGBTI+ No Brasil – 2020”, realizado pelo Grupo Gay da Bahia e pela Acontece Arte e Política LGBT+, de Florianópolis, pelo menos 237 pessoas morreram por conta da violência LGBTfóbica no ano passado. Sendo que 224 foram homicídios (94,5%) e 13 suicídios (5,5%).

O número representaria uma queda de 28% em relação a 2019. Porém, o menor número não se deve à políticas públicas. De acordo com os pesquisadores, houve uma oscilação numérica, subnotificação e pelo desmonte de campanhas que incentivam denúncias do tipo.

Sendo assim, o levantamento foi feito com base em mortes que foram noticiadas na imprensa ou por movimentos sociais, já que não existem registros oficiais sobre os casos.

O relatório também mostrou que o isolamento social que acontece ainda hoje por conta da pandemia de coronavírus intensificou o distanciamento de pessoas LGBT, visto que a população já era impactada pela falta de sociabilidade.

“A pandemia reduziu a mobilidade de grande parcela dos brasileiros que agora se veem obrigados a seguir as medidas obrigatórias de contenção da doença, incluindo o isolamento social, que obriga todos os grupos a permanecerem em suas residências. Ainda que os dados apresentem uma redução, não há o que celebrar, lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexos continuam morrendo por resistirem pela liberdade de seus corpos, sexualidades e vida”, diz o relatório.

Os dados mostram que das 237 pessoas que morreram em 2020, 161 eram travestis e trans (70%), 51 eram gays (22%), 10 eram lésbicas (5%), 3 eram homens trans (1%), 3 eram bissexuais (1%) e 2 eram heterossexuais que foram confundidos com gays (0,4%).

+ sobre o tema

São Paulo é o estado onde mais se estuprou mulheres em 2013

Ao todo, no Brasil, foram 50.320 casos, paulistas respondem...

Pitanga já reclamou de José Mayer na Globo e encorajou denúncia

A atriz conta que o ator não respeitava o...

Gêmeas fazem sucesso com blog de moda e beleza voltado para a periferia

O projeto foi motivado pela falta de iniciativas e...

para lembrar

Pelo menos cinco mulheres são assassinadas todos os meses no Distrito Federal

Mais da metade das vítimas são mortas pelos próprios...

Feminismo negro e educação

Após anos de leitura e de terapia, reconheço que...

Segunda mulher negra na história do TSE toma posse como ministra da Corte

Primeiro foi a mineira Edilene Lôbo, advogada de Taoibeiras...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=