Dieese: Mulheres gastam 95% mais tempo com afazeres domésticos que homens

Uma pesquisa realizada pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) revelou que no quarto trimestre do ano passado as mulheres dedicaram às tarefas domésticas 95% a mais de tempo que os homens. Elas também ganham 22% menos que homens nas mesmas posições, muitas vezes abdicam do emprego por não ter creches disponíveis para os filhos, sofrem mais com a falta de trabalho e também ganham menos do que eles ao se aposentarem.

No Universa

Adobe

Em média, foram 541 horas a mais por ano, cerca de 68 dias trabalhados em uma jornada de oito horas dedicadas apenas a tarefas do lar. Se fosse um emprego de segunda a sexta-feira, as mulheres teriam trabalhado três meses a mais que os homens.

Além da rotina da casa, as mulheres enfrentam pressão por falta de creches. Muitas, sem ter um local seguro para deixar os filhos, precisam abrir mão do emprego. A pesquisa revela que 41% das entrevistadas cujos filhos de até 3 anos não tiveram acesso a creches trabalhavam, enquanto 67% daquelas com todos os filhos na creche tinham trabalho remunerado.

Outro velho problema voltou a ser apontado pelo Dieese: a diferença salarial entre os gêneros. Em média, as mulheres ganham 22% menos que os homens — a média é de R$ 2.495 ante R$ 1.958. Entre as com ensino superior a disparidade é ainda maior: elas têm renda 38% menor que homens com a mesma formação, ou R$ 6.292 ante R$ 3.876.

Mulheres em cargos gerenciais e de diretoria ainda são minoria: quatro posições entre dez são ocupadas por elas. Em média, eles ganham R$ 40 por hora, enquanto elas recebem R$ 29 — diferença de 29%. Os estado campeão em desigualdade salarial é Mato Grosso do Sul, em que o índice médio é de 30%, e o mais igualitário é Amazonas, onde o índice é de 5%.

Desemprego e aposentadoria

O desemprego também é maior entre as mulheres: a taxa de desocupação total entre elas é de 13,1%, enquanto entre os homens é de 9,2%. Quando o chefe de família é uma mulher, os números são menores em ambos os casos, mas a diferença entre os gêneros chega ao dobro: 10,2% para as mulheres ante 5,1% para os homens. No Rio de Janeiro, a taxa de desocupação feminina é de 16,7%.

Como os rendimentos ao longo da vida são inferiores ao recebidos pelos homens, a contribuição das mulheres para a previdência também é menor, o que impacta na aposentadoria. Em média, elas ganham 17% menos que os homens — R$ 2.051 ante R$ 1.707.

+ sobre o tema

Projeto Pérolas Negras de Viçosa comemora cinco anos incentivando o empoderamento feminino

"Trabalhamos corpo, mente e alma das garotas", diz idealizadora...

Apenas um Desabafo

Durante esses anos trabalhando no Geledés eu vi e...

Manifesto da Marcha das Mulheres Negras 2015 contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver

Nós, mulheres negras brasileiras, descendentes das aguerridas quilombolas e...

para lembrar

Lenna Bahule: ‘Só descobri que eu era negra no Brasil’

Cantora moçambicana que se apresenta nesta sexta (18), no...

Shonda Rhimes faz um discurso poderosíssimo sobre inclusão na TV

Já está podendo colocar a coroa de “Rainha da...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=