Dilma escolhe Minas para seu último ato como ministra

Depois de mais de sete anos no governo, a pré-candidata à Presidência Dilma Rousseff (PT) deve dizer adeus às suas funções de ministra da Casa Civil em Minas Gerais, Estado em que nasceu e onde precisa crescer para fazer frente à força no Sudeste de seu principal adversário, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB).

No mesmo dia, 31 de março, a ministra passará antes pelo Rio Grande do Sul, berço de sua trajetória política. A sugestão dos dois destinos foi feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segundo disse uma fonte do governo próxima à chefe da Casa Civil. A agenda, porém, ainda pode sofrer alterações a depender das conveniências, acrescentou a fonte, sob condição de anonimato.

Em Porto Alegre, Dilma deve inaugurar mais uma etapa do metrô. Logo depois, seguirá para Contagem (MG), onde participa de solenidade do Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC Urbanização. O lugar é simbólico: é a prefeitura mais importante do PT em Minas e comandada por uma mulher, Marília Campos.

Nos últimos dias de governo, ela anunciará o PAC 2 – agenda de obras para o futuro Executivo – e passará também pelo Nordeste, região em que já desponta com alguma liderança. Lá, Lula tem índices ainda maiores de popularidade, superiores aos cerca de 80% que vem recebendo nos últimos meses.

O maior problema da ministra é no Sul e no Sudeste, onde focalizará sua campanha para reduzir a vantagem do governador de São Paulo, pré-candidato oposicionista. Os dois tiveram empate técnico na última pesquisa de intenção de voto divulgada.

Segundo levantamentos recentes, o tucano lidera nessas regiões com mais de 10 pontos percentuais. Segundo colégio eleitoral do País – atrás somente de São Paulo – Minas pode ser o fiel da balança nas eleições de outubro. Será, certamente, uma das principais arenas desta eleição.

O desafio é grande e o vice-presidente, José Alencar (PR), será um dos cabos eleitorais de Dilma junto aos mineiros. José Serra cobiça o Estado e conta com o empenho de Aécio Neves (PSDB), atual governador e com níveis de aprovação semelhantes ao de Lula. Pré-candidato ao Senado, sua adesão efetiva na campanha do oposicionista deve ser fundamental para determinar o resultado da disputa.

No dia 1º de abril, todos os novos ministros devem assumir suas pastas.
Fonte: Terra

+ sobre o tema

Pesquisa revela constante racismo a imigrantes no Brasil

A noção de que o Brasil é um país...

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Prostituição e direito à saúde

Alexandre Padilha errou. Realizar campanhas de saúde pública é...

para lembrar

A receita de beleza de Camila Pitanga

Camila Pitanga está se desdobrando para não descuidar...

Emir Sader: O dedo de Lula

A sociedade brasileira teve sempre a discriminação como...

Natal para as crianças: Roteiro de programação gratuita

Natal no Zoológico Além de passear por entre as...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=