Dilma Rousseff enfatiza luta contra violência doméstica

A presidenta da República, Dilma Rousseff, afirmou que é preciso “reprimir duramente” a violência contra a mulher no país. A mensagem foi dirigida a mais de três mil mulheres camponesas que participaram, em Brasília (DF), do Encontro Nacional do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), que se encerrou na quinta-feira . O evento reuniu trabalhadoras de 23 Estados do país.

– Nós sabemos que acabar com a violência exige, permanentemente, que nós estejamos atentas, para reprimir de forma dura e incansável, a violência física, a exclusão, a desigualdade, a restrição e a perda de autonomia das mulheres. Exige da parte do Estado e da sociedade que estejamos atentas, presentes e atuantes para garantir suporte à mulher que sofre de violência – destacou Dilma.

O tema central do encontro do MMC é justamente o combate à violência. “Na sociedade que a gente quer, basta de violência contra a mulher”, repetia o público em coro durante o ato que reuniu a presidenta e vários ministros, ministras e outras autoridades. “Trazemos como missão a libertação das mulheres trabalhadoras rurais, por isso o MMC se define como movimento de mulheres feministas. Muitos desafios, como o machismo e o sistema patriarcal, são muito fortes [no campo]”, observou Rosângela Piovezani Cordeiro, da direção nacional do movimento.

Dilma mencionou ações do governo para coibir a violência, citando os efeitos da Lei Maria da Penha, que entrou em vigor em 2006. “Hoje, a mulher não precisa de nenhum elemento para processar o agressor, mesmo que ela retire a queixa, permanece a acusação. Alguém que presenciou a violência também pode levar ao conhecimento. Isso é importante porque evita o constrangimento”, afirmou.

Segundo a presidenta, existem cerca de mil serviços de atendimento às mulheres em situação de violência espalhados pelo país. A Central de Atendimento à Mulher – o Ligue 180 –, que serve para prestar informações, orientação e acolhimento, além de receber informações sobre violência de gênero, já ultrapassou, segundo Dilma, mais de três milhões de ligações. “O INSS está acionando [a Justiça] para exigir que os agressores sejam responsabilizados financeiramente por seus atos de violência”, acrescentou.

A presidenta citou ainda políticas públicas que trabalham com o protagonismo feminino. É o caso do Bolsa Família e do Minha Casa, Minha Vida, que privilegiam a titularidade dos benefícios em nome das mulheres, principalmente mães de família.

– Quando eu tomei posse, disse que um dos meus compromissos era honrar as mulheres do meu país. É a forma que eu tenho de expressar. Eu estou aqui porque milhões de brasileiras, lideranças, mulheres, lutaram nesse país, construíram essa possibilidade. Eu estou aqui porque vocês estão aí e nós sabemos que uma sociedade mais desenvolvida, precisa, se quiser ser uma nação digna de um país com o nosso tamanho, exigir respeito e a igualdade – relatou Dilma.

Encontro

No encontro, as mulheres participaram de plenárias, atividades formativas e discussão de temas como produção de alimentos saudáveis, organização social, políticas sociais, além, claro, do tema da violência de gênero.

– É inegável a relação entre a superação da violência e a perspectiva de autonomia econômica, política, social e cultural das mulheres”, afirmou a ministra da Secretaria de Políticas paras as Mulheres, Eleonora Menicucci. Ela disse que a exclusão social é uma das manifestações mais expressivas da violência e mencionou ações que o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres pode incidir para atenuar a desigualdade. É preciso estimular a multiplicação das organizações produtivas no campo”.

Meio ambiente, terra e alimentos

O MMC cobrou do governo ações para alterar o modelo agrícola no Brasil, que pune ainda mais as próprias camponesas. “Nosso modelo agrícola é muito pautado na agroexportação, com uso abusivo de agrotóxicos que atingem os bens da mãe natureza. Isso atenta contra a vida, a soberania do país e a sobrevivência do planeta. Temos essa missão de proteger a biodiversidade. Defendemos com o projeto de agricultura camponesa seja baseado nos princípios da agroecologia”, apontou Rosângela Piovezani.

No ato, representantes da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) firmaram um acordo de atuação conjunta que visa beneficiar cooperativas e associações de produtores rurais de base familiar, com prioridade para grupos de mulheres, produtores agroecológicos e povos e comunidades tradicionais. Serão R$ 5 milhões provenientes do Fundo Social do BNDES, que atenderão cerca de 100 associações e cooperativas, beneficiando cerca de 4 mil famílias. No total, o acordo destinará R$ 23 milhões a políticas de investimentos voltadas à produção, aquisição e comercialização dos produtos da agricultura camponesa e à construção de centrais de comercialização de compras de produtos da agricultura familiar.

– Eu acredito que a ação associativa de uma cooperativa tem poder de organização (…). O Brasil precisa da mulher camponesa na condição de cidadã, não apenas de produtora, mas precisa da sua inteligência, sua força, sua experiência e coragem. Que a igualdade entre homens e mulheres seja a regra e nunca a exceção! – falou Dilma.

 

 

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Justiça do RJ registra mais de 22 mil processos de violência contra a mulher em dois meses

O levantamento contabiliza apenas os primeiros meses de 2019....

Denunciar para quem? A invisibilização de mulheres faveladas no círculo de proteção da lei Maria da Penha

Resumo: Pretende-se nesse artigo abordar a situação da mulher favelada,...

A identidade, as experiências negras e a alma que sangra

A "cauterização das experiências negras" acontece quando abrem uma...

para lembrar

Convocação para nomeações do Prêmio Womanity 2018

Você conhece organizações que estão criando ambientes urbanos mais...

Lei Lola foi Aprovada hoje

Do Escreva Lola Escreva Uma boa notícia em meio a...

Nós nos importamos

Quando cerca de 140 meninas e mulheres vítimas de...
spot_imgspot_img

‘Meu filho é órfão de mãe viva’: veja relatos de 5 mulheres acusadas de alienação parental após denunciar homens por violência ou abuso

Cristiane foi obrigada a ficar sem contato com a filha e entregá-la ao pai por 90 dias. Isabela* foi ameaçada pelo companheiro. Jéssica* e...

13 leis sobre proteção à mulher que precisam ser efetivadas em 2024

Se é verdade que, no Brasil, o novo ano só começa depois do Carnaval, ainda é tempo de realizar uma retrospectiva, para divulgar leis...

Quase 23 mil medidas protetivas foram dadas a mulheres vítimas de violência, em 2023; Botão do Pânico foi acionado 91 vezes

Para se protegerem de violências domésticas, as mulheres costumam receber medidas protetivas e, em caso do agressor ser monitorado por tornozeleira eletrônica, utilizarem o...
-+=