Djokovic questiona igualdade salarial no tênis

Tenista sérvio entrou em polêmica sobre igualdade de gêneros

Do Jornal do Brasil 

O melhor tenista do mundo entre os homens, o sérvio Novak Djokovic, questionou neste domingo (20) a equiparação entre as premiações entre homens e mulheres.

Dizendo que esse se tratava de um tema “delicado”, o sérvio defendeu que os atletas devem ganhar mais do que as mulheres porque “atraem mais atenção, mais espectadores e vendem mais ingressos”.

“Eu aplaudo as mulheres e digo isso honestamente. Elas lutaram pelo que mereciam e conseguiram. Mas, por outro lado, a ATP [que gerencia os torneios masculinos] deveria lutar por mais porque as estatísticas mostram que temos muito mais espectadores nos jogos. Essa é uma das razões pelas quais penso que deveríamos ganhar mais”, ressaltou Djoko.

O tenista ainda disse que tem um “respeito enorme” pelas mulheres e entendem “pelo que passam com seus corpos, que são tão diferentes dos homens.. vocês sabem, os hormônios e essas coisas”. “Elas ainda têm que fazer sacrifícios em certos períodos da vida, como a hora da família ou decisões que têm que fazer sobre seus corpos para conseguir jogar tênis”, acrescentou.

Os comentários de Djokovic ocorrem após o diretor-executivo do torneio de Indian Wells, Raymond Moore, afirmar que as atletas deveriam “agradecer” aos homens por ganharem tanto dinheiro no tênis.

“Em minha próxima vida, quero ser parte da WTA [que gerencia os torneios femininos] porque se aproveitam do sucesso dos homens.

Não tomam nenhuma decisão e são afortunadas, muito afortunadas.

Se eu fosse tenista, me ajoelharia toda noite e agradeceria a Deus por Roger Federer e Rafa Nadal, que carregam o peso deste esporte”, disse Moore. Horas mais tarde, após a repercussão negativa da fala, o dirigente pediu desculpas.

A melhor tenista do mundo, Serena Williams, posicionou-se sobre o comentário do dirigente e disse que isso foi “ofensivo”. “Foi um erro e algo muito, muito incerto. Só há uma maneira de interpretar isso: ajoelhem-se, o que já é bastante ofensivo, e agradeçam a um homem. Nós não temos que nos ajoelhar para nada”, rebateu a norte-americana.

Indian Wells, assim como o Aberto de Miami, é um dos torneios que paga o mesmo paravencedores e vencedoras – assim como os chamados “Grand Slam” – US Open, Wimbledon, Roland Garros e Australian Open – os mais importantes do tênis mundial. A igualdade nas premiações entre homens e mulheres nos “Grand Slam” foi anunciada, pela primeira vez, em 1973 no US Open.

Porém, só em 2007 o torneio de Wimbledon fez a equiparação de prêmios. Já em campeonatos considerados menores, não há essa igualdade e as mulheres ganham bem menos do que os homens.

Para efeito de comparação, segundo dados oficiais, Djokovic ganhou cerca de US$ 21,6 milhões (R$ 78,6 milhões) na temporada de 2015 enquanto Williams faturou US$ 10,5 milhões (R$ 38,2 milhões). (ANSA)

+ sobre o tema

Nos EUA, ‘queer rap’ já é um movimento

Influência das mudanças no rap americano já começam a...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

Mulheres Africanas: documentário mostra trajetória de luta

"Mulheres Africanas", documentário da Cinevideo, em homenagem ao Dia...

para lembrar

Debate sobre divisão de tarefas por gênero

Quantas horas por dia homens e mulheres se dedicam...

Em cobertura do VMA, Vogue Brasil chama drag queens de bizarrices

A Vogue Brasil não conseguiu passar uma semana sem...

Carnaval do Rio terá a primeira mulher como mestre de bateria

Ela mede 1,62m e pesa 50kg, mas vira uma...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=