Do samba ao funk: a voz dos excluídos

Gêneros musicais foram perpetuados na periferia carioca e se tornaram símbolos da cultura popular do Brasil. O canto do morro transformou-se

Por Roberta Jansen, da Carta Capital 

Centenário, o samba deu voz aos pobres, excluídos, iletrados e negros das periferias brasileiras

O samba surgiu há 100 anos como a voz dos pobres, dos excluídos, dos iletrados, dos negros. De lá para cá, no entanto, sofreu inúmeras mudanças, se tornou um dos mais poderosos símbolos da identidade nacional, ganhou o mundo, mas ficou mais “branco”. A “voz do morro” hoje, tanto nas comunidades quanto na periferia, é o funk.

“Na época do Donga (autor de Pelo Telephone, considerado o primeiro samba), o samba era coisa de iletrados ou de semiletrados, como eram os negros da época; Pixinguinha era a exceção da exceção”, explica o curador do novo Museu da Imagem e do Som (MIS), Hugo Sukman, autor de diversos livros sobre música popular.

Quando, dez anos depois, o samba se consolidou de uma forma mais parecida com a que conhecemos hoje, como a turma de sambistas do Estácio, capitaneados por Ismael Silva, ele continuava ocupando esse papel de voz dos excluídos. Neste contexto, surgiu também no Estácio, em 1928, a Deixa Falar, embrião das futuras escolas de samba, e, na sequência, compositores como Cartola e Paulo da Portela.

“Esse conceito de resistência está meio gasto, mas o samba era, sim, uma maneira de gente pobre, do morro, da favela, ganhar visibilidade social”, explica Luiz Fernando Vianna, coordenador da Rádio Batuta, do Instituto Moreira Salles, e autor de diversos livros sobre música popular. “Então existe aí um fator socioeconômico do pobre como inventor do elemento de identidade nacional. Porque eu acho que o samba é o maior elemento de identidade cultural nacional”.

Nesse meio tempo, é bom lembrar, Getúlio Vargas chegou ao poder com seu projeto nacionalista e surgiu, em 1936, a Rádio Nacional. “Vargas usou a Rádio Nacional em seu projeto de nacionalização do país”, lembra Vianna. “E o samba era o gênero predominante naquele momento e vira música nacional”.

Mas foi também nesse período em que o samba ganhou mais força do ponto de vista comercial, quando entraram em cena nomes como Noel Rosa, Carmem Miranda e Mário Reis – todos eles brancos. “O samba não conseguiu ter a mesma força que o jazz para a música dos Estados Unidos, nem a rumba para a música afro-cubana”, afirma o compositor e escritor Nei Lopes.

“Já nos seus primeiros tempos, ingressando no âmbito da indústria fonográfica, ele foi escapando das mãos de seus primitivos criadores e deixando de ser uma trincheira de resistência da cultura negra. Nem as escolas de samba, que poderiam ter representado essa força, conseguiram”.

Dos anos 30 aos 50 ganhou espaço o samba-canção, que tem uma base rítmica do samba, mas é uma canção como qualquer outra – sua negritude original ainda mais diluída. “Quando chega na bossa nova, a origem negra está bastante diluída”, constata Sukman. “Nos anos 60, o samba original, negro, estava praticamente morto, espremido entre a bossa nova e o iêiêiê”. A bossa nova levou a música brasileira para o mundo, mas, na opinião dos especialistas, não o samba verdadeiro.

Associação dos Amigos do Funk toca no pós-carnaval do Rio, em 2016 (Fernando Frazão/ABr)

“O samba que efetivamente representa a música brasileira no exterior é uma forma dele originada, mas que sempre rejeitou essa filiação”, sustenta Nei Lopes. “Estou falando do estilo conhecido como bossa nova. As razões disso tudo são complexas, envolvem racismo, claro, e também preconceito estético, etário etc. Mas o principal é que a sociedade brasileira é colonizada culturalmente e não deixa de sê-lo: já quis ser francesa e inglesa; hoje teima em querer ser ‘transnacional’. Uma pena, não?”

O advento do golpe militar de 1964 e da ditadura que se seguiria trouxe à cena com toda força a Música Popular Brasileira de protesto, tendo como expoentes nomes de peso como Chico Buarque, Gilberto Gil e Caetano Veloso. No entanto, num movimento paralelo, o samba de raiz voltou a ganhar força pelas mãos de Clementina de Jesus, que promoveu a volta de Ismael Silva, Cartola, Nélson Cavaquinho. Nessa época também surgiu no centro do Rio o Zicartola, o restaurante de dona Zica e Cartola, onde diversos sambistas costumavam se reunir. O show Opinião, um marco na resistência à ditadura, conseguia reunir essas vertentes musicais, nas figuras de Nara Leão e Zé Ketti.

Toda uma nova geração de sambistas surgiu a partir desses movimentos, como o próprio Nei Lopes, Paulinho da Viola, Martinho da Vila, João Nogueira e, logo depois, Clara Nunes, Alcione, Beth Carvalho. O fim da ditadura fez com que os tradicionais compositores das músicas de protesto da MPB se voltassem para outros projetos, enquanto a geração mais jovem, criada sob a repressão, apareceu com o rock Brasil como forma de protesto.

Legião Urbana, Ultraje a Rigor, Paralamas do Sucesso são algumas bandas desta nova fase da MPB. Simultaneamente, o movimento de resgate do samba tradicional seguiu um caminho paralelo, com Arlindo Cruz, Zeca Pagodinho, Almir Guineto.

“Mas o samba se sofisticou, virou uma linguagem artística, que requer certa musicalidade, ligação com a poesia, se tornou menos espontâneo. O funk ocupou esse espaço da ‘voz do morro’, das criações espontâneas das favelas e subúrbios do Rio”.

 

 

+ sobre o tema

Produtores sergipanos elaboram Mostra de Cinema Negro

“É preciso quebrar as barreiras impostas pelo modelo de...

Alessandra Santos de Oliveira

Alessandra Santos de Oliveira (2 de Dezembro de 1973),...

Lima Barreto, um Intelectual Negro na Avenida Central

Autora: CELI SILVA GOMES DE FREITAS Filiação Institucional: UERJ   }Suas crônicas...

Alfabetização: memórias de um escritor leitor…

Entrevista - Alfabetização: memórias de um escritor leitor... {xtypo_quote}As...

para lembrar

Aos 39 anos, Shaquille O’Neal anuncia sua aposentadoria das quadras

Após 19 temporadas, astro da NBA, que estava nos...

Daiane conquista ouro no solo do Meeting Internacional em Natal

Também no solo, Diego Hypólito foi ouro na competição...

Dia do Futebol – 19/07

Dia 19/07, comemora-se o Dia do Futebol. A data...

Seleção brasileira enfrenta Alemanha de Cacau em amistoso

Após a eliminação na Copa América, técnico Mano Menezes...
spot_imgspot_img

Samba, amor e Hip Hop

A quem nunca viu o samba amanhecer, Geraldo Filme aconselhava que fosse ao Bixiga para ver, ao quilombo da Saracura, à sede da Vai-vai....

Quilombo do Rio de Janeiro usou renda de roda de samba para lutar pelo território

No fim de uma pequena estrada cercada por mata atlântica, um galpão recebe dezenas de pessoas todos os finais de semana. Ali ocorrem as...

Leci Brandão: ‘Nada do que conquistei me faz ser uma mulher deslumbrada’

Leci Brandão sempre teve um lado: defender as minorias é algo intuitivo na sua vida. "A minha inspiração é toda calcada na minha observação enquanto...
-+=